Menu
Busca sábado, 24 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Política

Prontuário eletrônico é uma das inovações desejadas por Mandetta

Em entrevista, o ministro da Saúde disse que é possível obter avanços no SUS mesmo com crise econômica

11 janeiro 2019 - 09h20Da redação

Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde participou da série Raio-X da Saúde Pública, transmitido pela Globo News, na quinta-feira (10). O sul-mato-grossense foi entrevistado pela jornalista Christiane Pelajo e falou sobre inovações e desafios do Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil.

Mandetta que é médico e já comandou a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) de Campo Grande, foi questionado sobre os recursos para pasta, já que, o momento é de crise econômica e existe a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que estabelece um teto para os gastos. Em resposta o ministro disse que nos últimos anos, houve uma diminuição da busca de saúde pública e aumento da saúde privada pela população, até pela falta de qualidade. Ele cita que 80% da população usa o SUS diretamente e que indiretamente o sistema auxilia os outro 20% que são atendidos no sistema privado, desde a fiscalização da água, fiscalização epidemiológica, aeroportos e alimentos. Para o ministro o SUS está na vida de todos os brasileiros e que deve ser feito no momento é utilizar da equidade, oferecendo serviços a todos os cidadãos independente do nível de complexidade de cada caso, com os recursos disponíveis e planejando formas de prevenção.

O ministro Henrique Mandetta, defende o uso de novas tecnologias para gerir o Ministério e exemplificou a implantação do prontuário eletrônico, integrado ao CPF da pessoa.

“Quem não tem informação não consegue gerir, hoje temos um sistema com dados completamente fora do esquadro para fazer a gestão. Nós vamos ter que atualizar muito rápido, por exemplo, ter um prontuário eletrônico nacional, não importando se você foi atendido pelo sistema privado ou público, temos que ter acesso, banco de dados e independente do cidadão ser atendido no Rio de Janeiro ou no Mato Grosso do Sul, os médicos devem ter acesso ao histórico desse indivíduo, integralizando e uniformizando o atendimento”, explicou Mandetta.

Questionado sobre a situação do médico que trabalha no interior o ministro ponderou que existem diversas situações adversas e que podem atingir muitos outros profissionais. “Eu acho que você tem que ter um caminho dentro do estado, falta estrutura em muitos municípios, pode ser que exista um outro arranjo para enfrentarmos esse problema”, disse.

Finalizando Mandetta afirmou que o desafio do novo governo é estabelecer as reformas necessárias para melhorar a vida da população. Ele comentou sobre  casos de febre amarela, o retorno e aumento de casos de HIV no Brasil e afirmou que não aceita esse tipo de retrocesso na saúde.

“Ou a gente toma posição política ouvindo o reclame da sociedade ou essas reformas não serão plenas”, concluiu o ministro da Saúde.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Câmara proporá incentivos fiscais a comerciantes
Política
“Seria um sonho ser prefeito de Campo Grande”, diz Waldeli
Política
Agronegócio não é causador de incêndio, diz Tereza Cristina
Política
Pesquisa mostra David como deputado mais atuante
Política
Avanço histórico - Sancionada lei do Alvará imediato
Política
Bioceânica: "Porta de saída do Brasil para o Futuro”, diz Riedel
Política
Governo estuda enviar Exército para combater queimadas na Amazônia
Política
Noite de homenagens na Câmara Municipal
Política
Barbosinha exige da União investimentos de R$ 89 mi à Segurança de MS
Política
Reinaldo e Bolsonaro são bem avaliados em MS, diz pesquisa

Mais Lidas

Polícia
Polícia apresenta acusado de estupro e roubo no Jardim Carioca
Polícia
Família encontra jovem morto e suspeita é de suicídio
Polícia
Confusão em tabacaria da Moreninha termina em morte
Polícia
Rapaz é contatado por aplicativo para fazer corrida e desaparece