Menu
Busca quarta, 22 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Política

Substituição da prisão preventiva por domiciliar para lactantes está na pauta do Plenário

Se aprovada, a proposta seguirá para a Câmara dos Deputados

17 março 2019 - 14h24Da redação com Agência Brasil

O plenário do Senado se prepara para votar, na próxima semana, o projeto que substitui a prisão preventiva de mulheres que amamentam por prisão domiciliar. O texto também determina essa substituição em casos de gestantes e mulheres com filhos menores de 12 anos. Se aprovada, a proposta seguirá para a Câmara dos Deputados.

Pelo Código de Processo Penal, os casos atualmente previstos são: maiores de 80 anos; pessoas debilitadas por doenças graves; pessoas imprescindíveis aos cuidados especiais de alguém menor de idade ou com deficiência; gestantes; mulheres com filhos de até 12 anos incompletos e homens, quando forem os únicos responsáveis pelos cuidados de filhos de com até 12 anos de incompletos. O texto troca “poderá substituir” por “substituirá”, o que torna obrigatória a substituição.

Constituição

Há, ainda, a previsão de ser colocada em votação a proposta de emenda à Constituição (PEC) que padroniza as referências a pessoas com algum tipo de limitação física ou intelectual. O texto substitui em dez artigos constitucionais expressões como “pessoa portadora de deficiência” ou “portador de deficiência” por “pessoa com deficiência”.

A proposta foi aprovada em primeiro turno e agora segue para mais uma etapa de discussão antes da votação em segundo turno. Se aprovada, seguirá para a Câmara dos Deputados.

As votações ocorrem na semana seguinte que os senadores aprovaram uma série de medidas consideradas prioritárias pelas parlamentares mulheres.

Amamentação

O Senado aprovou, em regime de urgência, projeto para penalizar, com multa, a violação do direito à amamentação. O texto assegura o direito das mães de amamentar em local público ou privado sem sofrer qualquer impedimento.

Pela proposta, mesmo havendo espaço reservado para amamentação nos estabelecimentos, cabe somente às mães decidirem se querem ou não utilizar o local. A pena para quem proibir a amamentação é de multa com valor mínimo de dois salários mínimos.

Fac Feijoada 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Após críticas, Bolsonaro altera decreto de posse de armas
Política
Acordo entre a Câmara e Senado votará MP que reduz ministérios
Política
Políticos não poderão mais usar milhas de passagens aéreas
Política
Reinaldo e Marquinhos apresentam plano para desassorear Parque das Nações
Política
Para presidente do PSL, Bolsonaro não precisa de manifestações
Política
Nelsinho preside audiência pública para preservação ambiental em Bonito
Polícia
Operação no camelódromo termina com um preso e motos apreendidas
Política
TRE-MS e Assembleia assinam termo de cooperação audiovisual
Política
Blal Dolloul, de MS, está entre os dez candidatos à PGR
Política
Coronel David pede reparo em câmeras de rodovia

Mais Lidas

Internacional
Peão de MS vence rodeio nos EUA
Economia
No “Dia Livre de Impostos”, capital terá cerveja com metade do preço
Polícia
Com quatro tiros na cabeça, adolescente morre em escola
Polícia
Operação no camelódromo termina com um preso e motos apreendidas