Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99647-9098
Saúde

Pediatras querem revogar exigência do Teste da Linguinha

Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) fez solicitação ao Ministério da Saúde

19 abril 2019 - 17h17Priscilla Porangaba, com informações da Agência Brasil

Lei que obriga hospitais e maternidades a fazerem o "Teste da Linguinha" em crianças nascidas em suas dependências pode ser revogada após pedido da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) solicitado ao Ministério da Saúde

O Protocolo de Avaliação do Frênulo da Língua em Bebês, conhecido como "Teste da Linguinha", obrigatório segundo a lei nº 13.002/2014, é um procedimento utilizado para detectar alteração no tecido que se estende da língua até a cavidade inferior da boca.

Em nota, a SBP explicou que se opõe à obrigatoriedade do teste devido à pouca incidência da anomalia no Brasil. E também por causa do baixo risco que a condição impõe à vida de quem a apresenta.

A anomalia, congênita, pode ocasionar a chamada "língua presa", prejudicando a amamentação e a deglutição das crianças.

A anomalia causa dificuldade de sucção e outros movimentos da língua, abrindo brechas para a má nutrição. Além de problemas como desenvolvimento da fala, devido ao comprometimento da dicção, caso o quadro não seja tratado.

A língua presa também traz implicações para a mãe do bebê, que não consegue extrair o leite, ficando com fome e prolongando a amamentação por tempo excessivo. Consequentemente deixando a lactante mais vulnerável a ter rachaduras e ferimentos

De acordo com a entidade, os casos graves de anquiloglossia, que exigiriam correção pela cirurgia denominada frenotomia, são facilmente diagnosticados.  

A SBP destaca que é necessário estabelecer um conjunto de critérios rigorosos para que intervenções cirúrgicas sejam feitas somente quando necessárias.

De acordo com a SBP, o exame da cavidade oral do recém-nascido e lactente só pode ser aplicado por um médico e "já faz parte do exame físico realizado pelo pediatra, de forma simples e indolor, nas maternidades e nas consultas de puericultura".

 Durante o teste, o médico faz uma avaliação anátomo-funcional da boca da criança, observando aspectos como a posição da língua em repouso e durante o choro e a forma da ponta da língua no choro.

Na avaliação da entidade, os médicos podem prescindir do protocolo uma vez que "um exame clínico bem realizado e uma observação completa de uma mamada podem ser suficientes para o diagnóstico de anquiloglossia".

O Ministério da Saúde ainda não se posicionou sobre o assunto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
“Prefeitura fará barreiras sanitárias surpresa”, afirma Marquinhos
Saúde
Coronavírus - MS registra 76 novos casos; sobe o número de internados
Saúde
Nelsinho marca reunião com chanceler para debater sobre vacina do coronavírus
Saúde
Sem casos confirmados, Aquidauana tem um novo suspeito de coronavirus
Saúde
José Mauro defende prevenção enquanto não houver vacina contra coronavírus
Saúde
Com morte e 86 novas confirmações, MS registra 1.186 casos de coronavírus
Saúde
Barreiras sanitárias abordaram mais de 8 mil pessoas na capital
Saúde
Três UPA's atendem com pediatras nesta manhã de quarta-feira
Saúde
Idosa de 78 anos é a 18ª vítima fatal de coronavírus no MS
Saúde
Capital: Em menos de 4h, barreiras sanitárias abordam 1,5 mil veículos

Mais Lidas

Polícia
Após esfaquear a esposa, homem foge e acaba morrendo em acidente
Política
“Não faltará dinheiro”, afirma Simone sobre ajuda a estados e municípios
Economia
FCO libera $ 146,1 milhões para empreendimentos em MS
Saúde
“Prefeitura fará barreiras sanitárias surpresa”, afirma Marquinhos