Menu
Busca quarta, 22 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Saúde

Pesquisadores conseguem combater sintomas do Alzheimer com canabinoide

Testes em ratos apresentaram bons resultados

03 novembro 2019 - 08h00Priscilla Porangaba, com informações da Agência Brasil

Um grupo de pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP) conseguiu combater os sintomas do Alzheimer usando um composto canabinoide.

Os testes apresentaram bons resultados em ratos em que houve a simulação dos estágios iniciais da doença. Os resultados forma publicados na revista científica Neurotoxicity Research.

Para os experimentos foi usado o composto sintético Araquidonil-2'-cloroetilamida (ACEA) em animais em que receberam no cérebro a droga estreptozotocina (STZ), que provoca uma deficiência no metabolismo dos neurônios. Em seguida, foram aplicados teste da memória nos ratos, com o reconhecimento de objetos.

São colocados objetos novos no ambiente onde estavam os animais. Os ratos que não estavam sob o efeito da droga exploraram mais os locais com as novidades, enquanto aqueles com Alzheimer mantiveram o mesmo interesse por todo o ambiente. Os testes foram repetidos com o intervalo de uma hora e de um dia, para avaliar memória de curto e longo prazo.

Resultados

A partir daí, os ratos passaram a ser tratados com o ACEA, uma forma sintética de um dos compostos extraídos da maconha. Ele se liga ao receptor CB1, presente especialmente no hipocampo, parte do cérebro relacionada à memória e que é afetada pelo Alzheimer.

Segundo a coordenadora do estudo, professora Andréa Torrão, os resultados da administração do canabinoide foram “bem positivos”. De acordo com a pesquisadora, foi verificada uma “reversão do déficit cognitivo”. Segundo ela, isso significa que o composto foi capaz de impedir a progressão da doença que foi simulada em uma fase inicial.

Andréa disse que o ACEA tem sido usado por diversos grupos de pesquisa no mundo, porém, ainda existem aspectos não investigados, que a equipe do Instituto de Ciências Biomédicas tentou avaliar. “Ele foi bem descrito bem mais recentemente. Mas tinha muitas outras perguntas, lacunas, que a gente queria entender”, enfatizou.

Apesar dos bons resultados, as pesquisas com o canabinoide no instituto foram paralisadas. “Os complexos canabinoides estão muito caros para a gente importar com os cortes de verbas que tem sido feito nos últimos anos”, ressaltou a pesquisadora. Por isso, o grupo tem usado outras substâncias que agem em outros aspectos do Alzheimer.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Unidades de saúde estão reabastecidas com a vacina pentavalente
Saúde
“Nano” assume secretaria executiva do Ministério da Saúde
Saúde
Prefeitura convoca 18 novos médicos para atendimento ambulatorial
Saúde
17 pediatras atenderão na manhã deste domingo
Saúde
Força-tarefa inspeciona mais de 19 mil residências em Campo Grande
Saúde
UPA's terão quadro de clínicos gerais completo na manhã deste sábado
Saúde
Narguilé mata mais que acidente de trânsito no Brasil, diz pneumologista
Saúde
Prefeitura deflagra megaoperação contra dengue na capital
Saúde
Jovem que foi preso com anabolizantes agora dá dicas de como ter “shape natural”
Saúde
Novo caso de doença por uso de Narguile acende alerta

Mais Lidas

Política
Coronel David classifica como grave a situação na fronteira
Clima
Quarta pode ser nublada com máxima de 28°C na capital
Brasil
Embraer mantém férias coletivas de funcionários por mais três dias
Geral
Nova diretoria do Sindifisco define metas