Menu
Busca sexta, 03 de abril de 2020
(67) 99647-9098
TJMS Topo
Saúde

Volta das chuvas gera alerta quanto ao Aedes aegypti

Prefeitura estabeleceu cronograma de ações de combate ao mosquito e bairros estão recebendo mutirões

26 setembro 2019 - 13h15Vitória Ribeiro, com informações assessoria

O início da primavera começou a trazer as chuvas de volta para Campo Grande, mas isso pode ser um risco quando se trata da proliferação do mosquito Aedes Aegypti. É comum, durante a estiagem, relaxar nos cuidados e, com a primeira chuva, os criadouros do mosquito voltam a aparecer.

Atualmente, a Capital está com os menores índices de notificação de dengue, zika e chikungunya desde o início do ano, quando havia uma epidemia, mas o alerta permanece. Em agosto, a Prefeitura estabeleceu um cronograma de ações de combate ao mosquito onde os bairros com os maiores índices de infestação estão recebendo mutirões, e, no dia 30, a região do Bairro Lajeado é que será atendida pelo “Cidade Limpa”.

O secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, destaca a importância de cada um fazer a sua parte no combate ao mosquito Aedes aegypti sendo o engajamento da população fundamental neste processo.

“Nós sabemos que 80% dos focos estão dentro das residências, por isso, principalmente agora com a volta das chuvas, é preciso que todos estejamos atentos para evitar o aumento na proliferação do mosquito e, consequentemente, das doenças. Não basta somente o Poder Público fazer a sua parte, é preciso a colaboração de todos”, disse.

Até agora, em setembro, foram somente 63 notificações, mas isso não quer dizer que a luta contra o Aedes está vencida. Tampinhas de garrafa que estão largadas no chão já são um criadouro perfeito para o mosquito.

A principal forma para combater a proliferação das doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti é evitando a proliferação do mosquito, portanto, com as chuvas ainda sendo isoladas, deve-se aproveitar a estiagem para fazer ações que costumam demandar mais tempo, como a limpeza das calhas, caixas d’água e piscinas.

Os potes de água dos animais de estimação, pratos que ficam em baixo de vasos de plantas, banheiros que não são frequentemente utilizados e até brinquedos espalhados pelo quintal precisam de atenção, já que os ovos do mosquito permanecem no recipiente por até seis meses mesmo sem água, esperando o momento exato para eclodirem.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
“Não é hora de afrouxar”, diz secretário ao confirmar 60 casos de coronavírus em MS
Saúde
AO VIVO – Estado atualiza casos de coronavírus
Saúde
Academia Nacional de Medicina declara apoio a Mandetta
Saúde
Espanha supera Itália em número de casos e isolamento é prorrogado
Saúde
MPT define medidas sanitárias para o transporte coletivo urbano
Saúde
Produtores rurais doam respiradores para hospitais de MS
Saúde
SES investiga se jovem com problemas respiratórios morreu de coronavírus
Saúde
MS registra mais dois casos de coronavírus
Saúde
Jovem de 21 anos morre em Dourados com suspeitas de coronavírus
Saúde
AO VIVO – Acompanhe a evolução do coronavírus em MS

Mais Lidas

Geral
Ajude a encontrá-la: Letícia Praeiro sumiu há dois dias no Cohab
Justiça
Alexandre Magno comandará MP em MS
Geral
Uems realizará campanha de doações à famílias vulneráveis
Economia
Governo vai usar aplicativo para cadastro do auxílio de R$ 600