Menu
Busca domingo, 05 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Tecnologia

Uma pausa na revolução

17 setembro 2012 - 09h49Laura Brentano / G1

Quando exibiu o número de 400 milhões de aparelhos iOS (iPhones, iPads e iPods Touch) vendidos até junho, o presidente da Apple, Tim Cook, chamou ao palco o vice-presidente de marketing mundial, Phil Schiller, para falar do iPhone. “Nós lançamos o iPhone em 2007”, relembrou Schiller entusiasmado, antes de apresentar a sexta geração do smartphone, o iPhone 5. “Foi um avanço incrível.”

Quando o iPhone surgiu, a interface gráfica e a tela sensível ao toque que substituía os botões com comandos naturais dos dedos eram diferentes de tudo que havia no mercado. Porém, não estamos mais em 2007. Nestes cinco anos, o iPhone avançou aos poucos, mas não é muito diferente do aparelho que foi capa da revista Time naquela época, como a “invenção do ano”.

O iPhone 5 não tem algumas das características existentes nos concorrentes, como a tecnologia que permite o pagamento digital ou o carregamento sem fio. Além disso, a tela maior, a conexão LTE de quarta geração e a espessura menor eram características já presentes em celulares da Samsung, por exemplo. Não foram tendências lançadas por aquela que foi a pioneira nesse tipo de aparelho.

Novos e importantes recursos foram acrescentados ao iPhone ao longo do tempo. Com processadores mais potentes, o aparelho passou a desempenhar funções de maneira cada vez mais rápida. A câmera ganhou mais megapixels e uma assistente de voz que conversa com o usuário, Siri, apareceu no iPhone 4S. Internamente, o telefone ficou mais robusto.

Mas as mudanças, em geral, estão longe da revolução do primeiro iPhone em 2007, apesar da expectativa dos consumidores em todo lançamento que envolve o nome da Apple.

Na apresentação do iPhone 4S, em outubro do ano passado, a hashtag #iPhone4Sfail tomou conta do Twitter. Mesmo assim mais de 4 milhões de unidades foram vendidas apenas nos três primeiros dias. Na semana passada, depois de a Apple apresentar o iPhone 5, o Wall Street Journal perguntava, no título da reportagem: “O iPhone 5 é entediante?”.

Revolução
A Apple estaria passando as credenciais de inovadora a outras companhias? Ou os avanços no mercado de smartphones atingiram seu ápice e não há mais onde inovar de verdade? Esperar a revolução de apenas uma companhia nesse segmento é exigir demais, segundo David Charron, professor da Universidade da Califórnia em Berkeley (região metropolitana de São Francisco), que estuda inovação e empreendedorismo. “A Apple tem feito um trabalho incrível ao incrementar a principal linha de produtos da companhia que mantém a base de sua audiência: seus fiéis.”

Para o professor, a empresa está na posição em que deseja e o iPhone 5 é o melhor exemplo disso. “Apesar de a inovação não passar de incrementos, se você é um fiel da Apple, você vai querer. E, se você não está seguro em relação às alternativas, você vai considerar ter um (iPhone 5).”

A ideia de que a Apple terá sempre mercado consumidor, faça o que fizer, se explica pelos números da companhia. O iPad é responsável por 91% do tráfego da web em tablets; 84 milhões de iPads foram vendidos até junho; e as lojas da empresa receberam cerca de 83 milhões de visitantes no segundo trimestre.

Em participação no mercado mundial, a companhia só perde para o Android, que ficou com a fatia de 68,1%, no segundo trimestre , ante 16,9% dos produtos Apple, de acordo com a empresa de pesquisa IDC.

Correr literalmente atrás de recursos lançados por concorrentes como a Samsung é algo que todos já perceberam. “Mas quem se importa com isso?”, questiona Charron.

Analistas ouvidos pelo New York Times acreditam que o iPhone 5 mostra como a Apple lida cuidadosamente com as novas tecnologias até estar certa de que produzirá o melhor aparelho possível. Os primeiros aparelhos a suportar a tecnologia de transmissão de dados LTE, por exemplo, foram duramente criticados por ter baixa duração da bateria, lembra o jornal.

A revolução no mundo dos smartphones, na avaliação de Charron, não virá do iPhone nem do Android. “Serão os usuários e os desenvolvedores”, diz o professor. Ele diz esperar ver um conjunto de aplicativos que vão fazer o telefone ser mais que um simples telefone. Alguns apps já indicam essa tendência, como programas para área da saúde que fazem um diagnóstico para o paciente, o colocam em contato com médicos e funcionam como meio de pagamento.

O universo dos aplicativos, aliás, foi o assunto que abriu o evento que apresentou o iPhone 5, em São Francisco. “A App Store é o ecossistema de aplicativos mais vibrante do mundo”, disse Tim Cook, antes de anunciar que a loja havia atingido a marca de 700 mil aplicativos. “A AppStore é um lugar para todos nós”.

O que mudou
O iPhone 5 tem tela maior (4 polegadas) e é mais comprido (12,38 cm), embora a largura seja igual. Tem uma entrada menor para o cabo, acabamento de alumínio e conexão 4G LTE. Também usa um processador mais rápido e nano-SIM.

Preço e venda
Nos EUA, estará à venda a partir do dia 21.
Desbloqueado, custará US$ 649 (16GB), US$ 749 (32GB) e US$ 849 (64GB). Mas no dia só os modelos com contrato com operadoras do país devem ser vendidos.

Via Estadão

Totem_Alcool Gel

Deixe seu Comentário

Mais Lidas

Saúde
Entenda porque exercícios físicos na quarentena talvez não seja tão bom assim
Polícia
Dezenas de presos fogem de cadeia na madrugada
Polícia
Fugindo de "tribunal do crime", homem invade casa e se tranca no banheiro
Geral
Vídeo: batida entre motos nas Moreninhas deixa jovem gravemente ferido