Menu
Busca sábado, 30 de maio de 2020
(67) 99647-9098
Brasil

Após atritos com Weintraub, China quer reduzir importação brasileira

Em nota, embaixada chinesa afirmou haver influências negativas no desenvolvimento da relação dos países

07 abril 2020 - 16h54Da redação

Após comentários de Eduardo Bolsonaro e do ministro da Educação, Abraham Weintraub, contra o governo chinês, o chefe da Câmara de Comércio e Indústria Brasil China, Charles Andrew Tang, se diz preocupado com a sucessão de atritos na relação entre os dois países em meio à pandemia do novo coronavírus.

No último sábado (4), em postagem no Twitter, Abraham Weintraub, usou o personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, para ironizar a China, onde teve início o alastramento do coronavírus. A mensagem insinuava que a crise mundial beneficiava o país asiático. A acusação, que não foi acompanhada de provas, causou "forte indignação e repúdio" na diplomacia chinesa, segundo nota da embaixada.

A Embaixada da China deixou claro seu descontentamento e, em recado ao governo brasileiro, citou em nota na segunda-feira (6), haver "influências negativas no desenvolvimento saudável das relações bilaterais".

A China é o maior parceiro comercial do Brasil no mundo, como por exemplo em relação à soja que somente no ano passado, ocomprou quase 80% de toda a produção da commodity produzida em solo brasileiro. O mesmo ocorre com o frango e a carne suína.

No mesmo sábado do post de Weintraub, o Ministério da Agricultura chinês anunciou que pretende reduzir, "por questão de segurança", as importações de soja brasileira e ampliar as dos EUA.

De acordo com o UOL, o chefe da Câmara de Comércio e Indústria Brasil China afirmou que o país asiático, além de ser o maior parceiro comercial do Brasil, é responsável por produzir mais de 90% dos equipamentos de saúde em escala global, e para melhorar a estrutura de combate ao coronavírus no Brasil, Bolsonaro dependeria de uma boa relação com os chineses.

Porém o presidente da Associação Brasileira de Produtores de Soja.(Aprosoja Brasil), Bartolomeu Braz Pereira, disse que não há "preocupação" do setor com um eventual estremecimento nas relações diplomáticas com a China, mesmo com os últimos acontecimentos diplomáticos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Aprovação do Congresso é de 18% e a do Supremo, de 30%, diz Datafolha
Brasil
Último sorteio de maio da Mega Sena pagará R$ 38 milhões
Brasil
Weintraub fica calado em depoimento a PF
Brasil
Gilberto Dimenstein, jornalista e escritor, morre em SP aos 63 anos
Brasil
Witzel exonera chefe da Casa Civil e secretário de Fazenda
Brasil
Yudi perde avó para o coronavírus e lamenta nas redes sociais
Brasil
Aeronáutica confirma 195 casos de coronavírus em escola da FAB
Brasil
Bolsonaro cumprimenta apoiadores em ato em Brasília
O presidente e seus apoiadores estavam separados por uma grade
Brasil
Transporte aéreo de cargas cai mais que a metade durante pandemia
Brasil
AO VIVO – Reunião de Bolsonaro com governadores

Mais Lidas

Justiça
Justiça obriga empresa a pagar r$ 2 mil à aluno que não recebeu aulas do curso
Polícia
Adolescente é flagrado com drogas e armas
Economia
Estados Unidos anuncia a doação de mais US$ 6 milhões ao Brasil
Internacional
Macacos 'assaltam' laboratório e levam exames de sangue com coronavírus