Menu
Busca sexta, 10 de abril de 2020
(67) 99647-9098
TJMS Topo
Brasil

Nova lei de terras 'esfria' interesse de americanos no agronegócio brasileiro

13 março 2011 - 11h58
A legislação do Brasil para a compra de terras nacionais por estrangeiros, que desde o ano passado ficou mais rígida e limitada à aquisição de áreas de no máximo cinco mil hectares, "esfriou" a disposição dos americanos em investir no agronegócio brasileiro. Para o norte-americano Michael Gretter, natural de Iowa e que desde 2005 planta soja e milho no Brasil, a postura mais rígida do governo reduziu um pouco o apetite dos produtores americanos em buscar propriedades e fixar residência no Brasil. “Eu acho que o interesse persiste mais entre os jovens. A fala do governo sobre regular os investimentos desacelerou um pouco, é uma lei complicada. Entre 2003 e 2005, era muito mais fácil encontrar americanos hospedados aqui em Luis Eduardo Magalhães (BA) procurando terras”. O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, diz que o governo prepara a flexibilização de tais restrições, já que o objetivo é apenas barrar movimento especulativo com a terra brasileiraDesde o ano passado, um parecer da Consultoria-Geral da União (CGU) aprovado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e divulgado em agosto limitou a venda de terras brasileiras a estrangeiros ou empresas brasileiras controladas por estrangeiros a no máximo cinco mil hectares. A soma das áreas rurais controladas por estrangeiros também não poderá ultrapassar 25% da superfície do município. Na opinião de Gretter, a melhora global nos preços dos grãos desde o ano passado – que tornou o cultivo de soja mais lucrativo em todo o mundo, inclusive nos EUA – também pode ter contribuído para diminuir a motivação em deixar o próprio país para obter mais lucro com a atividade agrícola. "Quando eu vim, a rentabilidade estava mais baixa", diz. O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, diz que o governo prepara a flexibilização de tais restrições, já que o objetivo é apenas barrar movimento especulativo com a terra brasileira, como a compra de lotes por fundos de investimento ou investidores que não têm foco na produção. “A terra é um bem muito valioso no Brasil, e tem perspectiva de valorização muito grande. Não queremos transformar a terra brasileira em mais uma commodity para o mercado financeiro”, afirmou o ministro. Fonte: G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Outdoor usa meme do caixão e pede “fiquem em casa” em MG
Brasil
Vídeo - Empresário dá dinheiro a morador de rua e depois o agride
Brasil
Câmara aprova projeto que destina R$ 2 bilhões a santas casas do país
Brasil
Morre índio yanomami com coronavírus
Brasil
Vídeo – Sem distanciamento, duas mulheres brigam em fila de supermercado
Brasil
David Uip não aceita intromissão de Bolsonaro em seu tratamento
Brasil
Brasil tem 941 mortes e 17.857 casos confirmados de coronavírus
Brasil
App de carona, 99 Pop doa R$ 4 milhões à governos municipais
Brasil
Receita regulariza CPFs para pagamento de auxílio emergencial
Brasil
Marcão do povo defende criação de campo de concentração e SBT afasta apresentador

Mais Lidas

Saúde
Mandetta anúncia R$ 4 bilhões para estados e municípios
Brasil
Outdoor usa meme do caixão e pede “fiquem em casa” em MG
Polícia
Homem desaparecido é encontrado morto 6 dias após sair para cobrar dívida
Brasil
Vídeo - Empresário dá dinheiro a morador de rua e depois o agride