Menu
Busca domingo, 16 de fevereiro de 2020
(67) 99647-9098
tj ms topo
Cidade

Delegacias começarão a gravar interrogatórios de homicídio doloso

Juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida fez o pedido e portaria foi estabelecida

12 setembro 2019 - 12h55Vitória Ribeiro, com informações assessoria

As Delegacias de Pronto Atendimento Comunitário (DEPAC) de Campo Grande, farão a gravação audiovisual dos interrogatórios policiais dos autos de prisão em flagrante delito ou situação não flagrancial de crimes de competência do tribunal do júri – crimes dolosos contra a vida, tentados ou consumados.

A medida foi tomada a partir do pedido feito pelo juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Carlos Alberto Garcete de Almeida, que, em razão de inúmeros casos em andamento os acusados constantemente alegam que não declararam na delegacia o que está escrito pelas autoridades policiais nos interrogatórios juntados ao processo.

O magistrado solicitou a gravação audiovisual nos casos envolvendo homicídios dolosos e feminicídios e principalmente casos envolvendo facções criminosas, a fim de que possam instruir o relatório conclusivo com as gravações.

De acordo com a portaria, as gravações serão feitas por meio das câmeras dos computadores da sala do delegado plantonista ou escrivães plantonistas, devendo em seguida proceder a gravação do arquivo em dvd fornecido pela direção da Depac, que deverá acompanhar o auto de prisão em flagrante/boletim de ocorrência.

A gravação audiovisual tem se mostrado uma necessidade atual, uma vez que reforça a segurança jurídica das ações da polícia judiciária, o que já vem ocorrendo em algumas unidades da federação. Nos últimos meses, os casos envolvendo crimes cometidos por rivalidades entre facções criminosas têm demonstrado a importância da adoção de tal medida, uma vez que os acusados, na fase judicial, estão rotineiramente invalidando tudo o que disseram em seus depoimentos na delegacia, sob o argumento de que estavam submetidos a tortura, maus tratos e/ou forçados a assinar sem ler.

A conduta de negar ou invalidar os depoimentos têm sido uma conduta costumeira, tanto em casos que tramitam na 1ª quanto na 2ª Vara do Tribunal do Júri da Capital. Assim, uma vez adotada esta medida, a gravação dos depoimentos será um aliado importante para a busca da verdade e da justiça nos esclarecimentos dos crimes contra a vida.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cidade
Procon-CG alerta sobre novo golpe
Cidade
Na capital, Dias Toffoli elogia programa de ressocialização de detentos do MS
Cidade
Marquinhos lança nova etapa da campanha "Operação Mosquito Zero"
Cidade
Campo Grande receberá congresso nacional de arborização
Cidade
Fumacê passará por três bairros nesta quinta
Cidade
Posto Locatelli é autuado pelo Procon-MS por preços abusivos
Cidade
Marquinhos decreta folga no carnaval para servidores municipais
Cidade
Mau tempo na capital pode atrasar voos
Cidade
Agetran alerta para interdições na capital
Cidade
Relógio da 14 de Julho ajudará em campanhas de conscientização

Mais Lidas

Geral
Sem acertos, Mega-sena acumula para R$ 170 mi
Polícia
Homem com ciúmes corta pescoço da namorada com machete
Educação
Último dia para fazer a carteirinha de estudante digital
Polícia
Família procura por adolescente desaparecida há cinco dias