Menu
Menu
Busca quarta, 17 de abril de 2024
TJMS Abril24
Cidade

Número de mães presas na Capital sobe 25%

Em um ano, de 465 mulheres que passaram pela custódia; 391 eram mães

26 maio 2023 - 11h40Karine Alencar     atualizado em 26/05/2023 às 11h41

O número de mães presas em Campo Grande, subiu para 25% entre maio de 2022 e abril de 2023, é o que aponta relatório da Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul, por meio do Nucrim (Núcleo Criminal). Durante o período, 465 mulheres passaram pela custódia; deste total, 391 eram mães.

Segundo os dados, o número de mulheres subiu 23%, e de genitoras é 25% maior se comparado ao cenário anterior, quando 376 mulheres passaram pela custódia, e 313 se declararam mães.

Os dados revelam ainda que, das 391 mães, 35 eram gestantes no momento em que foram presas. Outras 99 disseram ter filhas e filhos menores de 6 anos. Outras 58 afirmaram ter filhas e filhos maiores de 18 anos. Do total de genitoras, 223 pontuaram ser responsáveis pelo sustento das crianças e outras 63 garantiram dividir os cuidados com outras pessoas.

No mesmo recorte, 72 mães possuem filhas e filhos com menos de 12 anos, e o coordenador do Nucrim, defensor público Daniel Calemes, reforça a alteração no artigo 318 do Código de Processo Penal (CPP) que permite ao juiz converter a prisão preventiva em domiciliar quando a mulher estiver grávida ou quando for mãe de filho de até 12 anos incompletos.

Para o defensor, chama a atenção, o fato da grande maioria dessas mulheres ter declarado em audiência ser mãe ou, pelo menos, responsável por alguma criança.

“Observamos que a maior parte delas acaba presa por delitos sem ameaça ou violência, como pequenos furtos. É um quadro que está sendo banalizado, se tornando cada vez mais comum. Isso reforça o visível empobrecimento da população e o cenário pós-pandêmico, que agrava ainda mais a situação de quem já vivia em vulnerabilidade social. A pesquisa reitera, inclusive, o atendimento dos outros núcleos da Defensoria Pública”, pontua o coordenador.

Mulheres pretas- O relatório destaca que, do total de mulheres em situação de cárcere, 176 foram acompanhadas pela Defensoria Pública e 15 estavam em situação de rua. Além disso, 282 mulheres, ou seja, 60% das presas, se autodenominaram negras (pretas e pardas).

“Em sua maioria negras, de baixa renda, com pouca escolaridade, responsáveis pelo sustento dos filhos e sem histórico de crimes anteriores, essas mulheres acabam buscando satisfazer condições mínimas de sobrevivência para si e seus filhos em delitos sem ameaça e violência. É a vulnerabilidade social em seu aspecto mais triste e preocupante, revelada na forma de encarceramento”, destaca.

‌Escolaridade- A baixa escolaridade é outro ponto. Enquanto 11 afirmaram possuir o ensino superior completo, 177 tinham o ensino fundamental incompleto, sendo quatro analfabetas funcionais. Do total de presas, 339 possuíam entre 30 e 39 anos.

‌Desemprego- Das 465 presas, apenas 32 possuíam trabalho com registro em carteira. 103 declararam não possuir renda alguma. A maior parte das mulheres foram presas por furto e tráfico de drogas.

Aprisionamento- Do total, 140 mulheres tiveram a prisão em flagrante convertida em preventiva; 1 saiu com liberdade provisória com monitoração eletrônica; 100 saíram com liberdade provisória, com medidas alternativas; 71 saíram com liberdade provisória, sem obrigações; nove tiveram a prisão em flagrante convertida em prisão domiciliar e apenas duas tiveram o relaxamento da prisão em flagrante.

“A pesquisa nos convida, ainda, a algumas reflexões mais profundas e necessárias, que não podemos deixar de mencionar: o aumento do aprisionamento de mães é resultado da ausência/falha de políticas públicas que ainda precisam de muito aperfeiçoamento, assim como é preciso debater com mais seriedade e racionalidade o sistema de justiça criminal, que ainda é extremamente punitivista e seletivo, pois atinge com mais frequência um perfil determinado de pessoas. Para exemplificar, nos últimos 20 anos, o encarceramento de mulheres aumentou cinco vezes no Brasil, de acordo com dados do Depen. Somos um dos países que mais encarcera as mulheres”, pondera o coordenador.

Mulheres em cárcere – Recentemente, o Núcleo de Defesa da Mulher (Nudem) divulgou pesquisa que aponta que 56% das mulheres em situação de cárcere em Campo Grande eram chefes de seus lares e cometeram crimes para sustentar filhas e filhos.

Intitulada como “Pesquisa Diagnóstico com perspectiva de gênero e atendimento pelo Nudem das mulheres privadas de liberdade", o estudo foi realizado com mulheres presas no Estabelecimento Penal Feminino “Irmã Irma Zorzi”.

Das 230 mulheres entrevistadas pelo projeto, 89,57% são mães; 56,11% delas são responsáveis pelo sustento material de filhas e filhos; e, 41,74% indicaram a necessidade financeira como motivação para o cometimento dos crimes.

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Sisep atuando nos bairros da Capital
Cidade
Após fortes chuvas, equipes estão nas ruas para amenizar estragos na Capital
Sem semáforo, veículos fazem "fila" e criam congestionamento na via
Cidade
Sem energia em semáforos, Antônio Maria Coelho enfrenta "caos"
Ocorrido foi na Rua Corticeira
Cidade
Cuidado: Fios de energia elétrica estão soltos na Antônio Maria Coelho
Fachada da prefeitura de Campo Grande
Cidade
Prefeitura concorre ao 'Prêmio Latam Digital' por inovação no uso de IA
AGORA: Avenida Guaicurus fica alagada após fortes chuvas; veja
Cidade
AGORA: Avenida Guaicurus fica alagada após fortes chuvas; veja
Adriane sanciona Lei que cria o 7º Conselho Tutelar na região do Prosa
Cidade
Adriane sanciona Lei que cria o 7º Conselho Tutelar na região do Prosa
Folga: Prefeitura declara ponto facultativo dia 31 de maio
Cidade
Folga: Prefeitura declara ponto facultativo dia 31 de maio
Fachada da Câmara Municipal de Campo Grande -
Política
Câmara Municipal e TJMS firmam convênio para transmissão de conteúdo na TV aberta
Janine Bruno e Paulo da Silva
Cidade
Janine Bruno é exonerado da Agetran e Paulo da Silva assume
Passageira foi socorrida pelo Samu
Cidade
JD1TV: Passageira de moto é 'lançada' após colisão com caminhonete na Afonso Pena

Mais Lidas

Acidente aconteceu no Monte Castelo
Polícia
Motociclista que morreu após bater em muro no Monte Castelo pilotava sem CNH
Janaina tinha 40 anos e trabalhava na Semed
Polícia
Identificada motociclista morta que bateu em muro de condomínio no Monte Castelo
Agetran divulga lista de multas aplicadas de 21 a 31 de março
Cidade
Multas de trânsito: saiba se você foi "canetado" entre 21 a 31 de março
Diogo Nantes morreu na hora
Polícia
JD1TV: Jovem morre após carro ser atingido pela haste da lona de um caminhão na MS-164