Menu
Busca sexta, 20 de setembro de 2019
(67) 99647-9098
Governo Segurança
Cidade

Prefeitura quer transformar Hotel Campo Grande em residencial da Emha

Marquinhos Trad busca recursos para reestruturar o prédio abandonado

19 agosto 2019 - 16h32Joilson Francelino

Depois do “Feirão da Habitação” que terminou com centenas de famílias contempladas com unidades habitacionais, o prefeito Marquinhos Trad busca dar continuidade aos investimentos em habitação, em Campo Grande.

Para isso, Marquinhos está em Brasília, onde busca recursos para a revitalização do Hotel Campo Grande, que está localizado na rua 13 de Maio, centro. O projeto do prefeito é desapropriá-lo e reestruturá-lo, transformando os quartos em unidades habitacionais. “São 260 quartos que estão há muitos anos sendo carcomidos pelas traças, por isso o pleito da prefeitura junto a bancada federal para a obra”, ressaltou.

O prefeito explica que há um projeto no Ministério do Desenvolvimento Regional chamado de Pró-Moradia, que destina recursos para desapropriação e reforma. “O programa exige que o projeto seja executado em prédios centrais e abandonados, a exemplo do Hotel Campo Grande”, destacou.

De acordo com o projeto da Agência Municipal de Habitação (Emha), na qual o JD1 Notícias teve acesso, a proposta é transformar os 260 quartos em 65 unidades com 25,15m² e 52 unidades com 30,98m², totalizando 117 apartamentos a serem sorteados para famílias inscritas na “Faixa 1”, do programa Minha Casa Minha Vida.

O prédio ainda será usado para fins institucionais da prefeitura com uma unidade de atendimento do município e uma base da Guarda Civil Metropolitana.

O edifício se chamará Menino do Mato, em alusão ao poeta Manoel de Barros e cada pavimento apresentará uma poesia diferente de “Manoca”. Figuras que fazem referência às poesias ajudarão aos não alfabetizados a localizarem seus apartamentos.

A solução para a proteção solar na fachada norte será uma chapa metálica perfurada que terá grafada a imagem de Manoel de Barros, como pode ser visto na imagem acima, com o prédio ao fundo.

Custo

Para a desapropriação, o valor necessário é de R$ 13 milhões e para reestruturá-lo, em torno de R$ 25 milhões.

Marquinhos, acompanhado do senador Nelsinho Trad, apresentou o projeto ao ministro Gustavo Canuto que considerou a proposta interessante e se comprometeu em auxiliar o prefeito. “Vou olhar para ver se se enquadra na linha de crédito habitacional que temos para famílias de baixa renda”, disse Canuto.

“Pode ser um golaço para nossa Cidade Morena, faz parte do Projeto Reviva Centro, revitalizá-lo e habitá-lo”, comentou o senador Nelsinho Trad.

História

Construído pela tradicional família Coelho, na época proprietária do extinto Banco Financial, o Hotel Campo Grande foi inaugurado em 1971 e fechado em 2001.

Na época, era o mais luxuoso hotel da capital com 13 andares e parada quase que obrigatória de grandes clubes de futebol, artistas e bandas famosas. As dificuldades financeiras para manter foram a gota d1agua para o fechamento do hotel em 2001.

Depois do fechamento, o local já abrigou até boate e agora serve de abrigo para lojas de produtos a preços populares.

Toka do Jacare - perkal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cidade
Prefeitura convoca candidatos aprovados em concursos de 2016
Cidade
Concurso para Guarda Civil Metropolitana foi autorizado
Cidade
Governo de MS investirá R$ 119 mi em obras de saneamento em 16 municípios
Cidade
Três araras foram encontradas mortas e sem cabeça
Cidade
Longen distribui mudas de árvores na Afonso Pena
Cidade
Prefeitura lança licitação de pavimentação do Tijuca
Cidade
14 de Julho tem trecho interditado para recapeamento
Cidade
Mais dois radares na Afonso Pena começam a multar
Cidade
Agehab prorroga suspensão de inscrições na capital
Cidade
Inmet prevê névoa seca e máxima de 39ºC nesta quinta-feira

Mais Lidas

Cidade
Mais dois radares na Afonso Pena começam a multar
Polícia
Para fazer ex-mulher sofrer, pai mata filho de 2 anos afogado em bacia
Internacional
Tragédia – Incêndio em escola mata 263 alunos e 2 professores
Polícia
Assassino de Ronaldo assume quatro homicídios da década de 80