Menu
Busca quinta, 22 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Cidade

Trabalhadores em greve realizam manifestação no centro da capital

A classe trabalhadora manifesta principalmente contra a reforma da Previdência e cortes de verba na educação

14 junho 2019 - 11h19Mauro Silva e Rayane Santa Cruz

Para protestar principalmente contra a reforma da Previdência e cortes de verbas na educação, ao menos 700 trabalhadores de várias categorias participaram de um manifesto realizado por entidades sindicais na Praça do Rádio Clube na manhã desta sexta-feira (14) no centro de Campo Grande. Além do Mato Grosso do Sul, o manifesto acontece em todo o país.

O presidente da Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems) Jaime Teixeira disse que é importante que todos os trabalhadores participem das mobilizações, pois, a reforma da Previdência interfere em todas as áreas.

“No Brasil inteiro está programado esta mobilização, aqui no Mato Grosso do Sul o movimento está indo muito bem, o transporte coletivo também aderiu à paralisação, além de todas as categorias de trabalhadores”, conformou.

“A reforma da Previdência envolve a todos e unifica a luta, é fundamenta que a sociedade diga não ao projeto que tramita em Brasília. Temos que dizer não também aos cortes na educação que chega a R$ 6 bilhões”, acrescentou.

Ele disse ainda que o desemprego no país é algo que precisa ser resolvido, pois, ninguém aguenta mais um número de 14 milhões de desempregados.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de Campo Grande (SINTRACOMCG) José Abelha, não concorda com que um trabalhador que faz parte de sua categoria se aposente com 65 anos. Para ele, a área requer muito esforço físico e com essa idade a pessoa não consegue mais desempenhar o seu trabalho. Abelha disse que 70% dos operários participam dos protestos.

“A reforma da Previdência afeta muito os trabalhadores da classe devido ao esforço físico a que são submetidos. Com essa mudança o tempo de aposentadoria vai aumentar mais e isso é prejudicial aos trabalhadores da construção. Um trabalhador que atua em um escritório pode sim conseguir se aposentar com 65 anos, mas os da construção civil não”, protestou.

A organização dos protestos ainda não informou o número de manifestantes, os organizadores estão aguardando que mais pessoas cheguem à Praça do Rádio ainda pela manhã. A estimativa feita pelo o JD1 Notícias, é de que haja, neste momento, em torno de 700 pessoas.

Prefeitura - Niver CG

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cidade
Marquinhos entrega asfalto no Bellinati
Cidade
Funtrab abre inscrições para 145 vagas de cursos de qualificação
Cidade
CDL defende amplo debate para transformar hotel em moradia popular
Cidade
Marquinhos entrega novos pontos de ônibus com cobertura
Cidade
Avenida Bandeirantes começa a receber asfalto novo
Cidade
Agehab tem três projetos para habitação de interesse social
Cidade
Prefeitura divulga gabarito preliminar do concurso na área da saúde
Cidade
Voos acontecem sem atrasos e cancelamentos no aeroporto nesta manhã
Cidade
Cinco empresas “brigam” por licitação de R$ 1 milhão
Cidade
Vídeo - Eduardo Costa cita Campo Grande como modelo para o Brasil

Mais Lidas

Brasil
Policial passa mal e morre no dia que soube que seria pai
Geral
Confira a lista de sorteados cadastrados na EMHA
Geral
Com salário de até R$ 2,6 mil prefeitura abre seleção para assistência social
Polícia
Vídeo - Helicóptero da PRF cai e piloto fica ferido