Menu
Busca sábado, 28 de janeiro de 2023
(67) 99647-9098
Governo - Dengue Jan22
Comportamento

Vai assistir aos jogos do Brasil na empresa? Confira o que pode e o que não pode

O Brasil entra em campo daqui a pouco, às 15h (MS) contra a Sérvia, em sua estreia na Copa do Mundo

24 novembro 2022 - 14h40Brenda Leitte, com G1

Os dias de jogo do Brasil não são considerados feriados, mas as empresas têm liberdade para dispensar seus funcionários ou de mudar os horários de trabalho. Mas muitas costumam permitir que os colaboradores assistam aos jogos no ambiente e trabalho e até reservam um espaço só para que todos possam ver as partidas juntos.

Mas a dúvida de muitos, que não foram liberados para assistir a Copa em casa, é o "que pode e o que não pode fazer" nessas situações.

Pode usar camisa de time no trabalho?

Depende. Bruna Ecker, advogada trabalhista na Biolchi Empresarial, orienta que os funcionários só usem a camisa com autorização da empresa para evitar problemas.

“Depende da política de cada empresa, seu ramo de atuação, e as normativas internas estabelecidas pela companhia. Mas, de acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), cabe ao empregador definir o padrão de vestimentas no ambiente de trabalho”, explica.

Há empresas que usam uniforme e outras em que camisas de futebol são proibidas. “De forma excepcional, os empregadores podem optar por liberar a utilização das camisetas durante os jogos da seleção brasileira, principalmente nas empresas em que haverá a paralisação das atividades com a transmissão dos jogos nas dependências da companhia”, diz a advogada.

Bruna Ecker aconselha que, ao fim da partida, o colaborador volte a fazer uso da vestimenta adequada para a função que desempenha.

Pode beber durante os jogos?

Apenas se a empresa liberar bebidas alcoólicas. “Pode beber com a autorização da empresa e com moderação. Nesse caso, quem for assistir aos jogos fora da empresa, mas precisa voltar para completar o expediente, deve tomar cuidado para não exagerar e se manter em condições de trabalhar”, explica Tábata Silva, gerente do Empregos.com.br.

Como torcer? Pode comemorar gols?

Pode torcer, é claro, mas sem excessos. “É preciso cuidar da sua marca pessoal. O ambiente de trabalho não é adequado para falar palavrões, por exemplo. Aproveite o momento de descontração com os colegas, mas fique atento com a sua postura profissional”, aconselha Tábata.

Qual é a dica para as empresas?

Se não for possível dispensar o funcionário, é importante ter regras definidas para que todos se divirtam no momento do jogo. “Alguns segmentos como comércio e serviços não costumam parar as atividades, por causa da alta demanda da época. Não há soluções prontas para casos como este. É importante tentar buscar um consenso entre as necessidades da empresa e o desejo dos colaboradores, sem comprometer a produtividade”, afirma Bruno Rizzato, diretor do aplicativo de emprego Trampolim.

 

Tenha em seu celular o aplicativo do JD1 e acompanhe em tempo real todas as notícias. Para baixar no IOS, clique aqui. E aqui para Android.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Comportamento
Chupa tereré: Campo-grandense cria hit de Carnaval para MS; Assista
Comportamento
Tapas e puxões de cabelo: fãs brigam em filas para ingressos do RBD
Comportamento
Marília é a primeira eliminada do 'BBB 23'
Comportamento
Xii, deu ruim! Scooby é detonado após expor fotos de Piovani nua em processo
Comportamento
BBB23: Festa das Líderes tem flertes, reaproximação e muito papo de jogo
Comportamento
Mais uma cidade de MS será cenário de novela da Globo
Comportamento
Joga y joga: Gabriel pede que Bruna vete brother da Prova do Líder no BBB23
Comportamento
Mãe do filho de Cristiano Araújo alega arcar sozinha com as despesas
Comportamento
Lutadora de MMA campo-grandense vai representar MS no SFT Combat
Comportamento
BBB23: Sister afirma estar com piolho e assusta colegas de confinamento

Mais Lidas

Brasil
Anitta vira assunto ao ter cenas íntimas vazadas na internet; assista
Polícia
Criança morta com bexiga tinha 7 meses e brincava na sala de casa
Polícia
Mãe ficou 'tranquila' com filha morta em UPA; criança já tinha ido 30 vezes ao hospital
Geral
JD1TV: Policial agride advogada dentro de delegacia da Capital