Menu
Busca segunda, 25 de março de 2019
(67) 99647-9098
TJMS março-19
Cultura

Com sertanejo universitário, compositores de Mato Grosso do Sul viram referência nacional

23 janeiro 2011 - 10h59
Luan Santana, João Bosco e Vinícius, Munhoz e Mariano, Michel Teló e tantos outros. Mato Grosso do Sul é hoje referência e celeiro do sertanejo universitário brasileiro. Com a invasão de nossos músicos no mercado, outro grande personagem regional vem se destacando: o compositor. “Pessoas de todo país estão vindo para MS procurar nossos compositores, esses profissionais regionais são referência no país no sertanejo, e não só no universitário”, comenta Marcos Roker, membro da União dos Compositores do Brasil e dono de uma editora vinculada à instituição, que registra os compositores estaduais. Grande parte do reconhecimento dos autores regionais veio junto com a onda do sertanejo universitário. A maioria das músicas cantadas pelos artistas citados no início da matéria foi escrita por pessoas aqui da região. Com o reconhecimento aumenta também a renda dos compositores. “Um cara que tem músicas cantadas por todo Brasil acaba ganhando 200, até 300 mil reais por ano. Mas isso é raro, a maioria ainda tenta sobreviver com seu talento”, afirma Roker. Hoje são cerca de 2 mil músicos, compositores e intérpretes cadastrados regularmente em Mato Grosso do Sul. Distribuição Todo direitos autorais de músicos e compositores é pago pelo Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (ECAD). Na teoria toda vez que uma música é tocada na rádio ou evento, festa e etc., o compositor recebe um valor em dinheiro. Porém na prática, as coisas são diferentes. “A arrecadação e a distribuição realizada pelo Ecad é falha. Não existe equipe, estrutura para uma arrecadação completa, por isso eles costumam ir só nos eventos maiores. E na distribuição, infelizmente, a maioria do dinheiro acaba indo para os artistas e compositores mais famosos, não é totalmente certo”, afirmou Marcos Roker. Airo Roker ainda comentou sobre a morte do cantor e compositor Airo Garcia Barcellos, falecido último dia 24 de dezembro, no Hospital Regional de Campo Grande, onde estava internado. “Foi uma perda muito grande para a música sul-mato-grossense. Eu conhecia o Airo faz mais de 10 anos, éramos realmente amigos. A morte dele mostrou para todos nós da área como a música e o sucesso devem estar em harmonia com um equilíbrio pessoal, foi uma perda muito grande”, lamentou Marcos Roker. Fonte: Midia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Semana musical do Sesc apresenta Solosolar e Odon Nacasato
Cultura
Bacalhau ou chocolate?
Cultura
Neste domingo artesanatos feitos em presídio são comercializados na Exporã
Cultura
Sesc Cultura tem literatura, circo, cinema e exposição na programação
Cultura
Em duas semanas, Top Circo leva mais de mil pessoas a espetáculo
Cultura
Sesc Morada tem samba, rock e MPB nas noites de happy hour
Cultura
Noite cultural na Esplanada Ferroviária lança semana do artesão
Cultura
Sesc Cultura terá estúdios de pintura e cerâmica
Cidade
Paróquia São José comemora 70 anos com quermesse e noite italiana
Cultura
Sesc Cultura tem cinema gratuito nesta semana

Mais Lidas

Polícia
Imagem Forte - Homem é executado com mais de 20 disparos em Ponta Porã
Política
Vídeo - Deputado apanha de vereador e sai machucado
Saúde
Ministério da Saúde faz campanha de alerta sobre tuberculose
Brasil
Diretor Domingos Oliveira morre aos 83 anos no Rio