Menu
Busca domingo, 19 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Cultura

Ricky Mastro: 'É hora do cinema falar mais sobre as travestis e transexuais'

02 junho 2014 - 10h40Via IG
Mais importante no seu gênero, o Festival Cannes demorou a ter um prêmio LGBT, reconhecendo filmes nesta categoria somente a partir de 2010, quando criou A Queer Palm. A mostra de Berlim faz isso desde 1987 e a de Veneza, desde 2007. Mesmo chegando tarde, a premiação francesa já começa a se destacar no cenário internacional, como mostrou sua última edição, encerrada há uma semana.

Parte do júri da premiação gay de Cannes, o diretor brasileiro Ricky Mastro pode acompanhar essa evolução de perto. “Os filmes são selecionados a partir de uma visão Queer, o que torna tudo bem mais abrangente do que analisar as produções apenas como sendo filmes do gênero LGBTT”, explica o cineasta, lembrando que a mostra deste ano contou com filmes de diversos países e de diferentes gêneros, como docudramas (misto de ficção e documentário), e representação de histórias reais, além das tradicionais ficções.

No júri do prêmio, o diretor teve a oportunidade de conviver com figuras importantes do cinema LGBT, como o cineasta canadense Bruce LaBruce, que presidiu a edição 2014 do Queer Palm. “Ter a chance de ficar essas duas semanas com ele me ensinou muita coisa, o Bruce tem uma visão genial de cinema, está com dois filmes fantásticos percorrendo festivais”, conta Ricky, se referindo aos longas “Gerontophilia” e “Pierrot Lunaire”, ainda inéditos no Brasil.

Ricky elogia a abordagem nada estereotipada da comunidade gay do vencedor deste ano da Queer Palm, o filme britânico “Pride”. A produção dirigida por Matthew Warchus retrata a inusitada aliança entre os movimentos LGBT e de mineradores em 1984, na Inglaterra. “Tem relevância histórica, mostra a nossa comunidade no meio da década de 80 sem maneirismos e clichês”, opina o diretor.

Além do vencedor, Ricky destaca três filmes franceses de temática LGBT: “Party Girl”, sobre uma hostess de um clube que decide se casar, “Bande de Filles”, que retrata uma comunidade de mulheres negras lésbicas do subúrbio de Paris, e “Mommy”, o último trabalho do prestigiado jovem diretor Xavier Dolan. Este último levou o Prêmio do Júri da mostra principal do Festival de Cannes.

O diretor brasileiro também viu méritos no longa americano “Foxcatcher”, dirigido por Bennett Miller e estrelado pelo galã Channing Tatum, que vive um atleta da luta greco-romana. “É um filme de esportes, que pode ser visto de diversas maneiras. Mostra a relação homoerótica entre um lutador de luta livre e o seu mecenas, o homem mais rico dos Estados Unidos”, descreve Ricky.

'Nossa identidade nas telas'
Ricky vê a temática gay ganhando cada vez mais força no cinema mundial. “A beleza do momento que vivemos agora é que temos várias pessoas tratando de nossa cultura, de nossa identidade nas telas. Isso é ótimo, mas ainda temos que explorar mais e mais cada assunto, cada letrinha da sigla LGBTT. É hora do cinema falar mais sobre os travestis e transexuais, principalmente sobre as mulheres que fazem o processo para se tornarem homens”, defende o diretor, que também sente falta de mais produções sobre a vida das pessoas HIV+.

O Brasil também tem tido um papel importante no cinema LGBT para Ricky, que destaca duas produções recentes, o filmes “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”, de Daniel Ribeiro, e “Praia do Futuro”, de Karim Aïnouz. Sobre este último, o diretor questiona a reação de parte do público, que deixou sessões do longa ao se deparar com as cenas de sexo entre os personagens de Wagner Moura e Clemens Schick. Ele lembra que no início deste ano o drama lésbico francês “Azul É a Cor Mais Quente”, com longas cenas de sexo entre duas mulheres, não obteve este tipo de rejeição.

“Fico me perguntando: ‘O público em geral aceita mais facilmente a homossexualidade feminina no cinema ou apenas fica melindrado de ver o herói Capitão Nascimento com outro homem na tela?’”, discute Ricky, fazendo menção ao personagem de Wagner nos dois filmes “Tropa de Elite”.

Formado em Artes Cênicas pela Universidade de Washington e em Cinema pela FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado), com vários curtas-metragens no currículo, Ricky se prepara para dirigir o seu primeiro longa-metragem, que está em pré-produção e vai se chamar “Jogos de Mente”. No elenco do elenco do longa, estarão os atores Aparecida Petrowky, Paulo Vilela, Rodrigo Dourado, Rodolfo Valente e Augusto Volcato.

“O filme conta a história de um grupo de quatro pessoas que convivem entre si e com a chegada de um quinto elemento, personagem do Paulo Vilela”, revela Ricky, que ainda não definiu ainda a data das filmagens e nem de estreia de “Jogos da Mente”.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Fim de semana: Som da Concha, shows de rock, sertanejo e MPB agitam a Capital
Cultura
O adeus a uma lenda do blues sul-mato-grossense: Zé Pretim é encontrado morto em casa
Geral
Livro com a vida do ‘Seu Thomaz das esfihas’ será lançado hoje
Cultura
Som da Concha recebe General R3 and the Black Family neste sábado
Vídeos
Vídeo: Inês Brasil é ‘expulsa’ de “A Fazenda” e viraliza nas redes sociais
Cultura
Vídeo: Dupla Índio e Half chega ao fim após 15 anos
Cultura
Programa MS Cultura Cidadã encerra inscrições na sexta
Cultura
Inscrições para Prêmio Ipê de Teatro podem ser feitas até outubro
Cultura
Som da Concha será híbrido e pode ter público de até 238 pessoas
Cultura
Exposição fotográfica Momentum é lançada nesta sexta-feira

Mais Lidas

Polícia
Homem encontra pênis decepado dentro de pote no jardim da casa da mãe
Saúde
Com 8 meses de vacinação, MS é o 1º Estado a atingir imunidade coletiva
Polícia
Homem encontra o pai morto em avançado estado de decomposição na Vila Carvalho
Brasil
Homem coloca fogo em casa com ex-mulher e filhos dentro