Menu
Busca sábado, 31 de outubro de 2020
(67) 99647-9098
Cultura

Siufi manda para procuradoria jurídica projetos que libera shows e adia votação

03 fevereiro 2011 - 17h17
A votação do projeto de lei municipal que modifica a Lei Complementar do Silêncio a fim de liberar os shows no Parque Laucídio Coelho foi adiada para a sessão da Câmara de Vereadores de terça-feira (7). Mesmo com a presença de Francisco Maia, presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), convencendo a maioria dos vereadores a assinarem para que o projeto fosse votado em regime de urgência urgentíssima ainda hoje (3), o presidente da Casa de Leis, Paulo Siufi (PMDB), não assinou pela votação do projeto e, ainda, encaminhou o documento para vistoria da procuradoria jurídica da Casa, que tem 48 horas para revisar a lei antes de ser votada. “Estamos em uma Casa de Leis, e não em uma panela de pressão”, disse Siufi. Chico Maia se mostrou indignado com a decisão da Câmara. O clima ficou tenso nos bastidores, e ele chegou desabafar com o vereador Athayde Neri (PPS) que tentava amenizar o conflito, “o que adianta se eles todos estão contra a gente, isso é um absurdo”, dizia Maia, enquanto Athayde tentava explicar que talvez fosse melhor que a votação acontecesse na terça-feira. “Convenceram os vereadores, mas esqueceram do principal”, comentou o vereador Clemêncio Ribeiro (PMDB), se referindo à decisão da presidência da Câmara. Para que um projeto seja votado em regime de urgência urgentíssima são necessárias as assinaturas de 14 parlamentares, nos últimos momentos para que o projeto fosse votado, Mario Cezar (PPS) e Ribeiro assinaram completando o número. João Rocha (PSDB), Rose (PSDB), Herculano Borges (PSC), Flávio César (PT do B) e Jamal Salem (PTB) não assinaram, enquanto Airton Saraiva (DEM) não compareceu hoje com falta justificada. Paulo Siufi argumentou que a lei do silêncio não pode ser desqualificada às pressas e sem discussão. Ele ainda lembrou que existem outros eventos na cidade, como o Show da Virada, da Tv Morena, e que a lei não pode privilegiar um segmento e ignorar outro. “Este assunto tem que ser amplamente discutido”. Para o presidente da Casa de Leis, o poder público deve procurar outras alternativas para resolver a questão levando em conta as residências da região que são “reféns” do barulho. “Uma opção seria um Termo de Ajustamento de Conduta, firmado com promotores de eventos, Ministério Público, Acrissul e Prefeitura, para dar um prazo de dois anos, por exemplo, para que os eventos fiquem de acordo com a Lei ou para que construam o espaço de show em outro lugar”, opinou Siufi.
CertFica

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Vídeo: A Fazenda 12 - Jake dá apelido 'carinhoso' para partes íntimas de Mariano
Cultura
O filme nacional 'O Bem Amado' é exibido pelo Autocine neste domingo
Cultura
A Fazenda 2020: Jojo Todynho bebe demais, 'arranca roupa' e corre pela casa
Cultura
Som da Concha traz diversidade de shows neste final de semana
Cultura
Papa Francisco defende união civil entre homossexuais
Cultura
Daniela Albuquerque faz especial sobre o Pantanal e pede fim das queimadas
Cultura
Cantor de Anhanduí emociona e avança à próxima fase do The Voice Brasil
Cultura
Ângelo Arruda lança livro de poesias e CD nos dias 21 e 30 de outubro
Cultura
Em comemoração aos 43 anos de MS, Fundação de Cultura realiza show no Parque das Nações
Cultura
Vídeo: Primeiro show ao vivo com público durante a pandemia

Mais Lidas

Política
Veja como ficam apenas os votos válidos na pesquisa Ibope
Geral
Ibope mostra Marquinhos com 46% dos votos
Cidade
Gatti assume secretaria de governo
Cidade
Jovem deixa carta de suicídio e se despede no Facebook