Menu
Busca sexta, 24 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Cultura

Siufi manda para procuradoria jurídica projetos que libera shows e adia votação

03 fevereiro 2011 - 17h17
A votação do projeto de lei municipal que modifica a Lei Complementar do Silêncio a fim de liberar os shows no Parque Laucídio Coelho foi adiada para a sessão da Câmara de Vereadores de terça-feira (7). Mesmo com a presença de Francisco Maia, presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), convencendo a maioria dos vereadores a assinarem para que o projeto fosse votado em regime de urgência urgentíssima ainda hoje (3), o presidente da Casa de Leis, Paulo Siufi (PMDB), não assinou pela votação do projeto e, ainda, encaminhou o documento para vistoria da procuradoria jurídica da Casa, que tem 48 horas para revisar a lei antes de ser votada. “Estamos em uma Casa de Leis, e não em uma panela de pressão”, disse Siufi. Chico Maia se mostrou indignado com a decisão da Câmara. O clima ficou tenso nos bastidores, e ele chegou desabafar com o vereador Athayde Neri (PPS) que tentava amenizar o conflito, “o que adianta se eles todos estão contra a gente, isso é um absurdo”, dizia Maia, enquanto Athayde tentava explicar que talvez fosse melhor que a votação acontecesse na terça-feira. “Convenceram os vereadores, mas esqueceram do principal”, comentou o vereador Clemêncio Ribeiro (PMDB), se referindo à decisão da presidência da Câmara. Para que um projeto seja votado em regime de urgência urgentíssima são necessárias as assinaturas de 14 parlamentares, nos últimos momentos para que o projeto fosse votado, Mario Cezar (PPS) e Ribeiro assinaram completando o número. João Rocha (PSDB), Rose (PSDB), Herculano Borges (PSC), Flávio César (PT do B) e Jamal Salem (PTB) não assinaram, enquanto Airton Saraiva (DEM) não compareceu hoje com falta justificada. Paulo Siufi argumentou que a lei do silêncio não pode ser desqualificada às pressas e sem discussão. Ele ainda lembrou que existem outros eventos na cidade, como o Show da Virada, da Tv Morena, e que a lei não pode privilegiar um segmento e ignorar outro. “Este assunto tem que ser amplamente discutido”. Para o presidente da Casa de Leis, o poder público deve procurar outras alternativas para resolver a questão levando em conta as residências da região que são “reféns” do barulho. “Uma opção seria um Termo de Ajustamento de Conduta, firmado com promotores de eventos, Ministério Público, Acrissul e Prefeitura, para dar um prazo de dois anos, por exemplo, para que os eventos fiquem de acordo com a Lei ou para que construam o espaço de show em outro lugar”, opinou Siufi.
Fac Feijoada 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Julgamento sobre criminalização da homofobia será dia 5 de junho
Cultura
Prefeitura prorroga inscrições para quadrilhas juninas
Cultura
A obra “O Novo Direito Tributário Brasileiro” será lançada na capital
Cultura
Sesc Morada tem samba, pop, forró e show de Patrícia e Adriana
Cultura
Festa do Milho acontece no próximo sábado em Jateí
Cultura
Filme em homenagem a Nietzsche nesta segunda, no MIS
Cultura
Festa do Queijo atrai milhares para Rochedinho
Cultura
Comunidade Tia Eva inicia comemorações do centenário
Cultura
Cine Café apresenta “O Cavalo de Turim”, na segunda-feira
Cultura
Festa do Queijo movimenta Rochedinho neste sábado

Mais Lidas

Polícia
Homem bêbado pede para descansar e morre no sofá do vizinho
Geral
Ciclista tem a cabeça esmagada por carreta em acidente
Cidade
Reinaldo e Marquinhos anunciam “solução definitiva” para Parque das Nações
Cidade
Radares: cinco multam e quatro operam em caráter educativo