Menu
Busca quarta, 17 de julho de 2019
(67) 99647-9098
Educação

Estudantes ocupam UFMS e denunciam corte de água e energia elétrica

O grupo com cerca de 150 pessoas é contra o corte na eduação e pretende ficar no local até 15 de maio, quando uma greve geral ocorre no país

14 maio 2019 - 08h30Rayani Santa Cruz

A tarde de segunda-feira (13) foi marcada pela ocupação de estudantes em blocos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Aproximadamente 150 alunos, dos cursos de filosofia, psicologia, biologia, nutrição e enfermagem decidiram em assembleia, pela ocupação do campus até o dia 15 de maio, data que ocorre a Greve Nacional da Educação em todo o país.

Os alunos se organizaram, após o anúncio de corte de verba feito pelo Ministério da Educação, que reduz 30% do orçamento da universidade.

A mobilização é uma ação do movimento estudantil. O bloco 6 da UFMS, teve as entradas interditadas por cadeiras e os alunos repassaram indicações de organização via redes sociais. Questões sobre como colaborar ou chamar a atenção da sociedade foram disseminadas. Em mensagens nas redes sociais, os colaboradores apontavam que os estudantes que não puderem ocupar podem auxiliar o movimento levando alimento aos colegas, ou ficando no local por um determinado período.

Na manhã desta terça-feira (14), a página do Centro Acadêmico de Ciências Sociais (Caciso), no Facebook, divulgou que houve o corte de energia elétrica, água e internet do bloco. O administrador da página atribuiu o fato como uma “retaliação” da direção da universidade.

“Salientamos que a ocupação, tem como objetivo principal garantir o direito à educação, lutando contra o desmonte das universidades públicas. Isso posto, fica claro que posicionamento de suspensão de fornecimento de serviços essenciais, como água e energia, é no mínimo contraditório aos valores que a própria instituição tem defendido nestes anos: Educação Pública, Gratuita e de Qualidade”, diz o texto.

A Caciso ainda comentou que o Movimento Estudantil no Brasil tem uma história de defesas importantes, passando desde a abolição da escravatura à luta contra o regime ditatorial, no Mato Grosso do Sul.

Os estudantes atribuem a ocupação no sentido de defender a UFMS, com um ato político que pretende se unir à luta nacional de todos os estudantes, professores e trabalhadores, que se organizam para a paralisação na quarta-feira (15).

Roberto Carlos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Educação
Assistentes Educacionais Inclusivos substituirão professores, diz Prefeitura
Educação
Prefeitura tem mil vagas disponíveis para aulão pré-Enem
Educação
Desligamento de professores da educação especial preocupa pais
Educação
Menos de 50% dos estudantes aprende sobre segurança na internet, diz estudo
Educação
ProUni: Prazo para participar da lista de espera termina nesta terça
Educação
Reme altera início das aulas e apenas creches retornam nesta terça
Educação
UFMS recebe a 71ª Reunião Anual da SBPC
Educação
Convocação do Fies começa a partir desta segunda-feira
Educação
Alteração no estatuto dos profissionais da educação é aprovada
Educação
MEC quer implantar 108 escolas cívico-militares até 2023 no país

Mais Lidas

Polícia
Família encontra adolescente que estava desaparecida
Polícia
Família busca por jovem desaparecida há tres dias na capital
Educação
Desligamento de professores da educação especial preocupa pais
Polícia
Homem é morto a tiros dentro de casa enquanto fumava narguilé