Menu
Busca sexta, 20 de setembro de 2019
(67) 99647-9098
Governo Segurança
Geral

Brasileira é homenageada pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha

Médica faz mestrado em ação humanitária e atua como cirurgiã no Sudão do Sul

19 agosto 2019 - 13h16Rauster Campitelli, com informações da Agência Brasil

A médica brasileira Nádia Rudneck, especializada em trauma e emergência, está entre as mulheres homenageadas pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) no Dia Mundial Humanitário, comemorado hoje (19). Ganham destaque na data mulheres que atuam em áreas de conflito no mundo inteiro. Atualmente, Nádia faz mestrado em ação humanitária internacional e atua como cirurgiã em um hospital militar no Sudão do Sul, onde é a única mulher da equipe.

Ela integra o Comitê da Cruz Vermelha e diz que pretende continuar a desenvolver ações humanitárias. “Eu vejo que para pacientes do sexo masculino não muda se você é mulher ou homem. Mas sinto que com pacientes do sexo feminino, elas provavelmente se sentem um pouco mais confortáveis em ter uma médica, cirurgiã, do mesmo sexo que elas”, afirma.

Criada pela Organização das Nações Unidas (ONU), a data é comemorada para mostrar a importância de quem deixa casa e família para ajudar pessoas em situação de risco.  O Dia Mundial Humanitário coincide com a data do ataque terrorista contra a sede da ONU em Bagdá, no Iraque, que feriu 150 funcionários e matou 22.

Uma das vítimas foi o diplomata brasileiro e então chefe do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), Sergio Vieira de Mello. 

Segundo o CICV, o trabalho humanitário é fundamental em áreas de conflito, principalmente para atender mulheres, que em geral são afetadas de forma desproporcional, vítimas de ameaças ou violência sexual. 

Dados do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur) apontam que, em todo o mundo, 132 milhões de pessoas precisam de assistência humanitária devido a conflitos, repressões e desastres naturais. Metade desse grupo é representado por meninas e mulheres que diariamente enfrentam discriminação e violência.

Toka do Jacare - perkal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Adolescente desaparecida volta para casa
Geral
Gambá é resgatado de incêndio na capital
Geral
UFMS oferecerá 5.220 vagas para os 116 cursos do câmpus
Geral
"Morar Legal", programa renegocia dívidas junto a Agehab
Geral
Reincidente em infrações, Atacadão é autuado novamente pelo Procon
Geral
Ponte desaba em rio e motorista de caminhão fica ferido
Geral
Homem morre após facada no peito
Geral
Sexta-feira começa sem atrasos e cancelamentos no aeroporto
Geral
Pedro Chaves lança livro ‘Refletindo Sobre o Brasil’
Geral
Maçons são homenageados na Câmara por atuação na capital

Mais Lidas

Cidade
Mais dois radares na Afonso Pena começam a multar
Polícia
Para fazer ex-mulher sofrer, pai mata filho de 2 anos afogado em bacia
Internacional
Tragédia – Incêndio em escola mata 263 alunos e 2 professores
Polícia
Assassino de Ronaldo assume quatro homicídios da década de 80