Menu
Busca terça, 20 de abril de 2021
(67) 99647-9098
TJMS abril21
Geral

Elektro é condenada a indenizar consumidor de área rural

A concessionária foi condenada a pagar R$ 13 mil a um morador de de Santa Rita do Rio Pardo

29 janeiro 2019 - 16h59Mauro Silva, com assessoria TJ-MS

A empresa Elektro - Eletricidade e Serviços S.A., foi condenada a pagar uma indenização de R$ 13 mil a um morador de uma propriedade rural de Santa Rita do Pardo que teve sua bomba de água danificada devido a uma falha e interrupções de energia elétrica. A decisão foi divulgada nesta terça-feira (29) pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

A Elektro, concessionária responsável em fornecer energia, alegou que o dono da propriedade, Renato Maurilio Lopes, não apresentou provas da queima da bomba d'água devido a uma falha no sistema de distribuição de energia. Porém, a versão da empresa não foi aceita pelos desembargadores da 4ª Câmara Cível, que por unanimidade, negaram o recurso da empresa. E a condenada deve pagar, em ação indenizatória, R$ 3 mil por danos materiais e R$ 8 mil por danos morais, em razão de falhas e interrupções de energia elétrica.

Consumidor

O proprietário da fazenda em Santa Rita do Pardo afirma que há anos a corrente elétrica está apresentando problemas e que no dia 27 de agosto de 2016, diante do pico energia, a bomba e seu respectivo painel elétrico que distribui água para o gado queimou, ocasionando prejuízo de R$ 3 mil.

O relator do processo, Desembargador, Amaury da Silva Kuklinski, afirma que o valor arbitrado em R$ 8 mil por danos morais, não é exagerado, tendo em vista sua reincidência. Para o desembargador, o fato do autor ter apresentado laudos periciais não impedia a empresa de realizar sua perícia, o que não fez, além de não haver no processo elementos mínimos que refutem as alegações trazidas pelo autor.

Em relação aos serviços prestados pela concessionária, o relator alega que não há dúvidas da responsabilidade da empresa em fornecer energia elétrica com qualidade e continuidade, prevista no Código Civil, no art. 186 e no art. 927, o que segundo os autos não ocorreu.

“Não há dúvida que toda a dinâmica de fatos entre as partes superou a condição de mero aborrecimento, bastando o fato de que o apelado teve novamente que ajuizar ação para obter o ressarcimento de seu prejuízo. Mantendo a sentença inalterada, é como voto”, finalizou o relator.

APP JD1_apple

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Ministério Público pede multa de R$ 300 mil ao Consórcio Guaicurus
Geral
Prefeitura fará distribuição de cestas básicas para famílias afetadas pela pandemia
Geral
Em live, especialistas discutem cenário do mercado imobiliário em MS
Geral
Feriado de Tiradentes: Confira o que abre e fecha em Campo Grande
Geral
Governo entrega 376 computadores para escolas estaduais
Geral
Prefeitura suspende concurso da Guarda Civil
Geral
Câmara de Dourados aprova lei que multa em R$ 194 quem não usar máscara
Geral
"Sorriso fácil e alto astral": a marca deixada pelo subtenente Lobo
Geral
Governadores negociam 28 milhões de doses da Sputnik V
Geral
Governo publica novas idades para recebimento de pensão por morte

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio