Menu
Busca sábado, 28 de março de 2020
(67) 99647-9098
TJMS topo
Geral

Marisa Serrano condena barbárie no Irã

08 agosto 2010 - 23h52
A senadora Marisa Serrano (PSDB-MS) denunciou na última quarta-feira (4) a manobra do governo iraniano, que mudou para “assassinato violento” do marido a acusação sobre Sakineh Mohammadi Ashtiani, que havia sido condenada a receber 99 chibatadas e, em seguida, ser apedrejada até a morte pelo “crime” de adultério, apesar de ser viúva. Marisa observou que essa mudança pretende retirar o caso da iraniana do âmbito dos direitos humanos para amenizar os protestos mundiais e impedir sanções de países desenvolvidos. “Nós mulheres não podemos aceitar, em hipótese alguma, em qualquer lugar do mundo, que casos como esses aconteçam e passem em brancas nuvens, como se a gente não fizesse parte da humanidade. É uma discriminação violenta, arbitrária, inadmissível contra as mulheres não só daquele país, mas do mundo. São questões que passam da sabedoria humana. Como se pode imaginar que uma mulher pode ser apedrejada porque, dois anos depois da morte do marido, foi constatado que ela fez sexo com outro homem?”, protestou. Histórico Pivô de campanha internacional contra o Irã, Sakineh Ashtiani está cada vez mais perto da morte por apedrejamento. Acusada de ‘adultério’, Ashtiani sofre desde 2006 quando foi torturada, levou 99 chibatadas e foi condenada a morte por apedrejamento. Desde então, esta mulher de 43 anos está na prisão. Nessa prática desumana a mulher é firmemente enrolada, da cabeça aos pés, com lençóis brancos, enterrada na areia até os ombros e golpeada com pedras grandes até a morte. Campanha Está percorrendo o mundo uma campanha em prol da libertação da iraniana. Diversos países estão se mobilizando no intuito de oferecer asilo para a mulher. Até mesmo o Brasil já se ofereceu e conta com o apoio dos Estados Unidos para isso. Mesmo assim o País de Sakineh se recusa a reabrir o processo. A confirmação da suspensão ou não da execução, pela Suprema Corte Iraniana deve sair ainda esta semana. Até mesmo o advogado da ‘adúltera’ tem sido fortemente pressionado, tanto é que fugiu do País no último dia 28 e foi preso na Turquia. A campanha internacional, encabeçada por familiares da iraniana e ativistas dos direitos humanos daquele País, prevê a assinatura de uma petição em prol da libertação de Sakineh. O manifesto eletrônico já coletou milhares de assinaturas de pessoas do mundo todo que estão inconformadas com este tipo de atitude em pleno século XXI. Para assinar o manifesto, basta acessar o seguinte endereço eletrônico: http://www.liberdadeparasakineh.com.br/
Assembleia - Mais ALEMS

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Ganhador da Mega-Sena pode levar R$ 2,5 mi neste sábado
Geral
Atenção: Nota MS Premiada sorteará R$ 300 mil neste sábado
Geral
Heber Xavier assume Santa Casa
Geral
Hospital Regional de Ponta Porã instala estrutura para pacientes com dengue
Geral
Campanha ajuda pessoas necessitadas na capital durante pandemia de Covid-19
Geral
AO VIVO – Atualização de casos de coronavírus em MS
Geral
Reinaldo adota linha mais discreta, é criticado, mas resultados são bons
Geral
Acordo permitirá que intercambistas remarquem viagens gratuitamente
Geral
Sorteio da Nota MS Premiada permanece neste sábado
Geral
Sem se preocupar com pandemia, prefeito quer 13% de aumento no salário

Mais Lidas

Justiça
Gilmar Mendes decide manter recomendação de soltar presos devido à pandemia
Saúde
Com três novos casos, MS chega a 31 pessoas com coronavírus
Polícia
Homem que fazia "disque entrega" de drogas é preso após perseguição
Saúde
Pesquisa aponta que isolamento vertical aumenta perigo de mortes