Menu
Busca quinta, 12 de dezembro de 2019
(67) 99647-9098
TJMS Dezembro-19
Geral

Recursos do FCO para MS devem chegar a R$ 1 bilhão este ano

06 dezembro 2010 - 15h42
Um convênio assinado nesta segunda-feira entre o Banco do Brasil (BB) e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) vai ampliar a oferta de recursos para Mato Grosso do Sul por meio do FCO (Fundo Constitucional do Centro Oeste). Serão beneficiados principalmente os pequenos produtores rurais e micro e pequenas empresas que atuam nos setores agropecuário, industrial, agroindustrial, turístico, comercial e de serviços. Durante a solenidade de assinatura, no Palácio da Cultura (no Parque dos Poderes), que contou com a presença do governador André Puccinelli (PMDB), o diretor presidente do BRDE, José Moraes Neto, trouxe uma boa notícia: o Banco Central autorizou a funcionamento oficial de um escritório do banco em Campo Grande. Atualmente, graças a uma parceria entre o governo do Estado e a Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul (Fiems), o BRDE mantém, desde março do ano passado, uma sala para divulgação na sede da federação. Dados do Banco do Brasil mostram que desde 1989 o FCO já financiou R$ 24 bilhões em 631 mil operações de crédito. Deste total, os recursos liberados no estado chegaram a R$ 5 bilhões, em 135 mil operações. “Agora em 2010 devemos quebrar a barreira do R$ 1 bilhão em financiamentos, porque o último levantamento indicou que já foram liberados até outubro R$ 821 milhões em 11 mil operações”, informou o diretor de Governo do BB, Paulo Roberto Ricci, acrescentando que em todos os 78 municípios de Mato Grosso do Sul foram realizadas operações com o FCO, o último foi Ladário, na semana passada. Já o BRDE estima que até o fim deste ano os recursos financiados no estado devem chegar a R$ 100 milhões. No ano passado, em 10 meses de operação, o banco liberou R$ 31 milhões para. A partir do convênio, o BRDE, ao lado do Banco do Brasil, será mais uma instituição a financiar os recursos do FCO, incentivando os empreendedores. O BRDE já liberou em quase 50 anos de atuação cerca de R$ 65 bilhões. “Este convênio assinado com o Banco do Brasil, permite que o BRDE ofereça mais uma linha de financiamento por meio do FCO, cuja taxa de juros é mais barata, diferenciada. Esta parceria consolida a atuação do BRDE no desenvolvimento econômico e social de Mato Grosso do Sul”, disse o diretor-presidente do BRDE, José Moraes Neto. Com o convênio, o Banco do Brasil, que atua como administrador do FCO, poderá repassar os recursos do fundo para o BRDE que será também operador dos programas de financiamento. O diretor de Governo do BB, Paulo Roberto Lopes Ricci, destacou a importância da parceria com o BRDE, que tem grande atuação no desenvolvimento dos três estados do Sul (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná). “O Banco do Brasil solidifica seu compromisso com o desenvolvimento social e econômico e juntamente com o BRDE assume um compromisso ainda maior de levar estes recursos aos produtores rurais e empresários”, salientou. Codesul - Com o convênio firmado hoje, os investimentos serão repassados pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) para que o Banco do Brasil, como banco administrador, repasse os recursos para que o BRDE seja a instituição operadora para execução dos programas de financiamento. A atuação do BRDE em Mato Grosso do Sul ocorre porque desde 1992 o estado passou a integrar o Codesul (Conselho de Desenvolvimento do Extremo Sul), órgão que integra os três Estados do Sul e foi formalizado em 1961. O investimento é possível porque o Estado está inserido no Conselho de Desenvolvimento do Extremo Sul (Codesul) – que integra os três Estados da região sul e Mato Grosso do Sul. O conselho foi criado em 1961 através de um convênio entre os Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Em 1992, Mato Grosso do Sul passou a integrar o grupo. “Tenho que agradeceu ao apoio dos três estados do Sul, que pegaram o irmão mais novo [Mato Grosso do Sul] e disseram: você também tem direito. É mais um agente financeiro que vai trazer maior satisfação, mais qualidade no atendimento, pois é mais uma instituição a fazer análises dos projetos”, observou Puccinelli, que é vice-presidente do Codesul. Já com o escritório garantido, para Mato Grosso do Sul ter assento na diretoria do BRDE – com direito a indicar dois representantes - precisa fazer um aporte de recursos de pelo menos R$ 300 milhões. Hoje, o capital do BRDE dividido entre os três estados é de aproximadamente R$ 1 bilhão. “Com o equilíbrio das contas do Estado, talvez tenhamos o mérito e o direito de ter assento no BRDE”, disse o governador. Fonte: FCO
PMCG - Cidade do Natal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Papai Noel tem mal súbito e é socorrido as presas
Geral
Servidores da SAD angariam mais de 3 mil brinquedos para Campanha de Natal
Geral
Advogado comete suicídio
Geral
Governo investe R$ 22 mi em construções de pontes por todo o estado
Geral
Mega-Sena pode sortear prêmio de R$ 25 milhões nesta quarta
Geral
Plano Estadual de Combate ao Feminicídio é instituído no MS
Geral
Motoristas de aplicativo deverão adesivar carro e ter formação de 28h
Geral
Em 2020, ônibus devem ter número para reclamação e "Como estou dirigindo?"
Geral
Lei prevê obrigatoriedade de treinamento de evacuação em incêndio
Geral
Primeiros colocados entre médicos reumatologistas são convocados

Mais Lidas

Brasil
Maia quer pautar fim do foro privilegiado em janeiro
Cidade
Prefeitura vai concluir prolongamento da avenida Rita Vieira
Brasil
Aposentadoria complementar pode ficar isenta de Imposto de Renda
Brasil
“Sociedade quer rapidez”, diz Simone em relação a 2ª instância