Menu
Busca terça, 31 de março de 2020
(67) 99647-9098
TJMS topo
Geral

Recursos do FCO para MS devem chegar a R$ 1 bilhão este ano

06 dezembro 2010 - 15h42
Um convênio assinado nesta segunda-feira entre o Banco do Brasil (BB) e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) vai ampliar a oferta de recursos para Mato Grosso do Sul por meio do FCO (Fundo Constitucional do Centro Oeste). Serão beneficiados principalmente os pequenos produtores rurais e micro e pequenas empresas que atuam nos setores agropecuário, industrial, agroindustrial, turístico, comercial e de serviços. Durante a solenidade de assinatura, no Palácio da Cultura (no Parque dos Poderes), que contou com a presença do governador André Puccinelli (PMDB), o diretor presidente do BRDE, José Moraes Neto, trouxe uma boa notícia: o Banco Central autorizou a funcionamento oficial de um escritório do banco em Campo Grande. Atualmente, graças a uma parceria entre o governo do Estado e a Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul (Fiems), o BRDE mantém, desde março do ano passado, uma sala para divulgação na sede da federação. Dados do Banco do Brasil mostram que desde 1989 o FCO já financiou R$ 24 bilhões em 631 mil operações de crédito. Deste total, os recursos liberados no estado chegaram a R$ 5 bilhões, em 135 mil operações. “Agora em 2010 devemos quebrar a barreira do R$ 1 bilhão em financiamentos, porque o último levantamento indicou que já foram liberados até outubro R$ 821 milhões em 11 mil operações”, informou o diretor de Governo do BB, Paulo Roberto Ricci, acrescentando que em todos os 78 municípios de Mato Grosso do Sul foram realizadas operações com o FCO, o último foi Ladário, na semana passada. Já o BRDE estima que até o fim deste ano os recursos financiados no estado devem chegar a R$ 100 milhões. No ano passado, em 10 meses de operação, o banco liberou R$ 31 milhões para. A partir do convênio, o BRDE, ao lado do Banco do Brasil, será mais uma instituição a financiar os recursos do FCO, incentivando os empreendedores. O BRDE já liberou em quase 50 anos de atuação cerca de R$ 65 bilhões. “Este convênio assinado com o Banco do Brasil, permite que o BRDE ofereça mais uma linha de financiamento por meio do FCO, cuja taxa de juros é mais barata, diferenciada. Esta parceria consolida a atuação do BRDE no desenvolvimento econômico e social de Mato Grosso do Sul”, disse o diretor-presidente do BRDE, José Moraes Neto. Com o convênio, o Banco do Brasil, que atua como administrador do FCO, poderá repassar os recursos do fundo para o BRDE que será também operador dos programas de financiamento. O diretor de Governo do BB, Paulo Roberto Lopes Ricci, destacou a importância da parceria com o BRDE, que tem grande atuação no desenvolvimento dos três estados do Sul (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná). “O Banco do Brasil solidifica seu compromisso com o desenvolvimento social e econômico e juntamente com o BRDE assume um compromisso ainda maior de levar estes recursos aos produtores rurais e empresários”, salientou. Codesul - Com o convênio firmado hoje, os investimentos serão repassados pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) para que o Banco do Brasil, como banco administrador, repasse os recursos para que o BRDE seja a instituição operadora para execução dos programas de financiamento. A atuação do BRDE em Mato Grosso do Sul ocorre porque desde 1992 o estado passou a integrar o Codesul (Conselho de Desenvolvimento do Extremo Sul), órgão que integra os três Estados do Sul e foi formalizado em 1961. O investimento é possível porque o Estado está inserido no Conselho de Desenvolvimento do Extremo Sul (Codesul) – que integra os três Estados da região sul e Mato Grosso do Sul. O conselho foi criado em 1961 através de um convênio entre os Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Em 1992, Mato Grosso do Sul passou a integrar o grupo. “Tenho que agradeceu ao apoio dos três estados do Sul, que pegaram o irmão mais novo [Mato Grosso do Sul] e disseram: você também tem direito. É mais um agente financeiro que vai trazer maior satisfação, mais qualidade no atendimento, pois é mais uma instituição a fazer análises dos projetos”, observou Puccinelli, que é vice-presidente do Codesul. Já com o escritório garantido, para Mato Grosso do Sul ter assento na diretoria do BRDE – com direito a indicar dois representantes - precisa fazer um aporte de recursos de pelo menos R$ 300 milhões. Hoje, o capital do BRDE dividido entre os três estados é de aproximadamente R$ 1 bilhão. “Com o equilíbrio das contas do Estado, talvez tenhamos o mérito e o direito de ter assento no BRDE”, disse o governador. Fonte: FCO
Assembleia - Mais ALEMS

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Coronel David ganha no TRE e pode mudar de partido sem punição
Geral
Riedel diz que Estado não vai abrir mão do equilíbrio
Geral
Vídeo - Estado atualiza casos de coronavírus
Geral
Associação pede isenção de IPVA para motoristas de aplicativos
Geral
Médico e filho de vereador, ataca Marquinhos em vídeo e depois se desculpa
Geral
Vídeo - “Saidinha" de Bolsonaro tem gritos de isolamento e apoio a Mandetta
Geral
Governo obtém do STF aval para adotar medidas contra o coronavírus
Geral
Após pagamento, licenciamento de veículo será entregue em casa, mas com atraso
Geral
Queimadas aumentam 133% em março deste ano
Geral
Confira a lista de ganhadores do Nota MS Premiada

Mais Lidas

Brasil
Senado aprova projeto que prevê R$ 600 mensais a trabalhadores informais
Política
TJMS destina R$ 570 mil no combate ao coronavírus
Política
Após tratamento do coronavírus, Nelsinho participa de votação remota
Geral
Coronel David ganha no TRE e pode mudar de partido sem punição