Menu
Busca sábado, 12 de junho de 2021
(67) 99647-9098
Assembleia Junho21
Justiça

“Impossível lavar as mãos”, diz Harfouche sobre morte de Gabrielly

O procurador disse que relação entre os alunos é de responsabilidade da escola

07 dezembro 2018 - 17h33Da redação

O procurador de Justiça, Sérgio Hafouche, afirmou nesta sexta-feira (7), que não há como lavar as mãos diante da morte da pequena Gabrielly Ximenes Souza, 10 anos, ocorrida na quinta-feira (6), em decorrência de agressões sofridas na semana passada, próximo à escola onde estudava, no bairro Nova Lima.

Harfouche, que trabalha há mais de dez anos na prevenção à violência, faz uma análise genérica do caso e diz que a escola é responsável pelo acontecido. “As relações escolares são de responsabilidade da escola, está no regimento escolar da secretaria de educação, a reparação de danos e a ação da escola nos casos de violência”, disparou.

Sobre a omissão do Conselho Tutelar de não agir “se não for provocado”, o procurador reforça que, a partir do momento em que a entidade toma conhecimento de alguma situação, ela precisa tomar atitude de apurar. “Não tinha que esperar morrer, desde quando ela foi internada na primeira vez, tinha que ir lá ver, apurar quem agrediu”, falou Harfouche ao lamentar que a agressão só virou notícia a partir da morte. “Agora é caso de polícia, mas o conselho precisa apurar se houve alguma negligência”, disse.

Harfouche informou que, com base no artigo 101, de medida protetiva, a agressora, de 10 anos, não responde por nada. “Só responde por atos infracionais, as outras duas maiores de 12 anos”, afirmou. Mesmo não tendo agredido a pequena Gabrielly, as duas meninas, amigas da agressora, responderão por ato infracional, por dar respaldo.

Genetica 1

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
TJMS distribuiu mais de 6 mil processos em maio
Justiça
Comércio formaliza mandado de segurança para barrar decreto do Prosseguir
Justiça
STF começa a julgar pedidos para suspender Copa América no Brasil
Justiça
No MS, quem maltratar animais pode pagar até R$ 8,1 mil
Justiça
STF decide que magistrados podem comandar Lojas Maçônicas
Justiça
Testemunha diz que foi "coagida" a mentir sobre 'Coffee Break'
Justiça
Intubado, Jamil Name tem prisão relaxada
Justiça
Justiça adia julgamento e medidores da Energisa seguem sem perícia
Justiça
Nos dias 3 e 4 de junho, não haverá expediente no Judiciário de MS
Justiça
Capital tem balcão virtual em 100% das varas

Mais Lidas

Saúde
Adolescentes com 12 anos podem ser vacinados com Pfizer
Polícia
Homem sem identificação é encontrado morto em construção no Jardim Samambaia
Política
Grampo em Arroyo facilitou "explosão" no Tribunal de Contas
Geral
Ponte desaba na fronteira, mata duas pessoas e deixa uma desaparecida