Menu
Busca terça, 31 de março de 2020
(67) 99647-9098
TJMS topo
Justiça

Olarte acha "estranha" condenação do juiz David de Oliveira

O ex-prefeito ressalta que "não houve" superfaturamento em contrato de cemitério

10 março 2020 - 13h52Joilson Francelino

O ex-prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte, contesta a decisão do juiz David de Oliveira, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, que o condenou por suposto faturamento de R$ 697 mil em contrato de prestação de serviços nos cemitérios públicos.

O contrato emergencial foi celebrado com a Taira Prestadora de Serviços Ltda, atendendo a uma recomendação do Ministério Público de Mato Grosso do Sul, quando Olarte administrava a capital. Ele relembra assumiu a prefeitura com os cemitérios abandonados. “Os funcionários da prefeitura estavam jogando o pessoal nas valas e pronto. A lei manda você tomar uma providência, é uma questão de emergência. Fiz o contrato de emergência por orientação do MP. Fiz os jazigos com alvenaria, impermeabilização do solo e reboque”, contou acrescentando ainda que não houve pagamento do contrato, o que reforça que não há improbidade como a apontada pelo juiz.

Para o ex-prefeito, não houve irregularidades e superfaturamento. “Uma coisa é vala comum, sem nenhum beneficiamento. Outra coisa é enterrar uma pessoa morta numa construção. Foi feita uma construção para enterrar as pessoas. O povo não é besta e vai entender a diferença entre cova comum e cova beneficiada”, disparou.

Olarte fala em “perseguição” do juiz David de Oliveira e reforça que as decisões do magistrado são monocráticas, em sua maioria, contra ele, e reformadas pela Justiça. Ele relembra ainda que o magistrado foi o mesmo que suspendeu o decreto de cassação do cargo de prefeito, permitindo a volta de Alcides Bernal, em 2014.

O ex-prefeito Olarte finaliza que não está filiado a partido nenhum e que não disputará os próximos pleitos.

Assembleia - Mais ALEMS

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Dinheiro de ações criminais em Três Lagoas será liberado para combate à coronavírus
Justiça
Justiça proíbe manifestações, e multa chega a R$ 100 mil para quem desobedecer
Justiça
Igrejas poderão pagar R$ 50 mil de multa diária se abrirem as portas
Justiça
Justiça Federal autoriza Cervejaria Bamboa a fabricar álcool em gel
Justiça
Gilmar Mendes decide manter recomendação de soltar presos devido à pandemia
Justiça
STF barra pagamento de dívida e MS terá R$ 30 milhões mensais para combate à epidemia
Justiça
Justiça absolve pastor vice-presidente de abrigo acusado de estuprar adolescente
Justiça
Defesa usa coronavírus para "soltar" Jamil e juiz nega pedido
Justiça
Cartórios suspendem atendimento presencial por tempo indeterminado
Justiça
Câmara de Vereadores fecha por tempo indeterminado em Dourados

Mais Lidas

Saúde
Justiça autoriza cervejaria comercializar álcool 70%
Política
Paulo Corrêa mantém Assembleia em home office até dia 17
Cidade
Empresário da capital doa safra de alface que não conseguiu vender
Geral
Ministério Púbico pede providências de fiscalização em carreatas no MS