Menu
Menu
Busca quinta, 13 de junho de 2024
Prefeitura Refis Junho24
Justiça

Para 'desbaratar' grupo de Cezário, Gaeco fez monitoramento em campo

Investigadores foram até a porta de um banco e 'flagraram' saques para distribução da grana aos membros do grupo, diz relatório

23 maio 2024 - 11h20Vinícius Santos     atualizado em 23/05/2024 às 11h21

A Operação Cartão Vermelho, autorizada pelo juiz Eduardo Eugênio Siravegna Júnior, apurou um esquema de desvio de dinheiro público na Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul (FFMS). O grupo, segundo o Gaeco, liderado por Francisco Cezário de Oliveira, desviou mais de R$ 6 milhões nos últimos anos.

Na operação, realizada na manhã desta terça-feira (21), foram presos 7 integrantes do grupo, incluindo o presidente da FFMS, Francisco Cezário de Oliveira, apelidado de "Cido". As investigações, realizadas pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), utilizaram interceptações telefônicas, afastamento do sigilo telemático, fiscal e bancário.

O Gaeco também realizou um trabalho de campo, em que investigadores foram às ruas para monitorar o grupo supostamente comandado por Cezário. De acordo com o relatório, no dia 25 de outubro de 2022, Umberto Alves Pereira, o "Beto", foi visto saindo da sede da FFMS e indo até uma agência bancária para realizar um saque. Em seguida, ele retornou à sede da entidade, onde aguardavam outros integrantes do grupo para supostamente receberem parte do dinheiro sacado.

O esquema de desvio envolvia saques em espécie de contas bancárias vinculadas à FFMS, em valores não superiores a R$ 5 mil, que posteriormente eram divididos entre os integrantes da organização criminosa. Além disso, o Gaeco apontou que o grupo ocultava e dissimulava a origem e o destino desses valores, caracterizando lavagem de dinheiro.

As investigações também revelaram que Umberto Alves Pereira, embora não seja funcionário da FFMS, recebeu da entidade mais de R$ 2,2 milhões entre 2018 e 2023, além de 279 depósitos em espécie, sem identificação de origem, totalizando R$ 621 mil. Já Marcelo Mitsuo Ezoe Pereira, servidor público do Município de Campo Grande, mas sem vínculo com a FFMS, recebeu diretamente da entidade mais de R$ 523 mil entre 2018 e 2022.

Com base nas evidências apresentadas, a Justiça decidiu pela prisão preventiva dos investigados, a fim de resguardar a ordem pública e evitar a reiteração das ações delituosas.

JD1 No Celular

Acompanhe em tempo real todas as notícias do Portal, clique aqui e acesse o canal do JD1 Notícias no WhatsApp e fique por dentro dos acontecimentos também pelo nosso grupo, acesse o convite.

Tenha em seu celular o aplicativo do JD1 no iOS ou Android.

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

CCJ da Câmara em sessão que aprovou PEC das Drogas
Política
PEC das drogas é aprovada com placar de 47 a 17
Estabelecimento Penal Jair Ferreira De Carvalho, a Penitenciária de Segurança Máxima de Campo Grande
Justiça
MPMS pede fim das cantinas nas prisões de Mato Grosso do Sul
Ministério Público investiga incêndios no Pantanal sul-mato-grossense
Justiça
Ministério Público investiga incêndios no Pantanal sul-mato-grossense
Vereador Claudinho Serra
Justiça
Advogado de Claudinho Serra quer acesso a delação após ex-servidor 'abrir o bico'
Hugo e Rubia
Justiça
Dada como 'perigosa', Rúbia deve voltar à prisão pelo esquartejamento de jogador
Partes do corpo da vítima desmembrado foram encontradas às margens de rodovia.
Interior
Mulher acusada de matar e esquartejar marido em MS pede afastamento de qualificadoras
Desembargador Júlio Roberto Siqueira Cardoso /
Justiça
Desembargador Júlio Siqueira se despede do TJMS após 40 anos de serviço
Ex-presidente Jair Bolsonaro com o ex-ministro general Walter Braga Netto
Justiça
Ministro aceita recurso e anula uma das condenações de Bolsonaro e Braga Netto
Local periciado
Justiça
Júri absolve "Xande", acusado de matar jovem de 14 anos na Capital
STF suspende lei que proíbe linguagem neutra em GO e MG; MS permanece com proibição
Justiça
STF suspende lei que proíbe linguagem neutra em GO e MG; MS permanece com proibição

Mais Lidas

Sexta-feira não será feriadão
Geral
Sexta-feira não será feriadão
Vereador Claudinho Serra
Justiça
Justiça bloqueia bens de 19 pessoas e 9 empresas na operação Tromper; veja lista
Rua 14 de Julho
Geral
Abre e fecha de Santo Antônio: Confira o que funciona na Capital no feriado
 O baterista Doug "Cosmo" Clifford (de chapéu), o baixista Stu Cook (de óculos), da formação original, e os músicos da banda Credence Crearwater Revisited
Geral
Creedence Clearwater é confirmado em novembro na Capital