Menu
Busca domingo, 26 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Justiça

STF derruba foro privilegiado de autoridades estaduais do Maranhão

A decisão pode afetar todos os estados com regras em comum, inclusive MS, segundo advogado da capital

17 maio 2019 - 10h50Rayani Santa Cruz, com informações da Agência Brasil

Na quarta-feira (16), o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu anular trecho da Constituição do Maranhão que concedeu foro privilegiado a defensores públicos, delegados de polícia, procuradores do estado e da Assembleia Legislativa. Com a decisão, os casos envolvendo os cargos deverão ser julgados pela primeira instância e não pelo Tribunal de Justiça.

Por 7 votos a 2, os ministros entenderam que a alteração na Constituição estadual é inconstitucional, e que a prerrogativa de foro não poderia ser estendida aos cargos por não estar prevista na Constituição federal. O entendimento foi que só a Constituição federal pode definir quem tem direito a foro privilegiado.

Assim, as demais autoridades prestigiadas pelas Constituições estaduais não poderiam ter direito ao foro privilegiado.

A decisão foi para o Maranhão, mas a tendência é que haja um “efeito cascata” para todos os estados que tenham um texto constitucional parecido, como o é caso de Mato Grosso do Sul. No caso de MS, pode haver questionamento da validade do artigo 114 da Constituição Estadual do MS, por exemplo.

O Advogado Carlos Marques, que já foi Presidente da OAB-MS e que tem forte atuação em ações penais envolvendo autoridades com foro privilegiado, disse ao JD1 Notícias que, a decisão do STF foi técnica e não política. Mas, pessoalmente o advogado tem o mesmo entendimento que os ministros Gilmar Mendes e Celso de Mello, que votaram contra a decisão e foram vencidos.

“Eu acho que esses dois ministros estão com a razão embora, eles tenham sido vencidos. No meu entendimento a Constituição dá sim margem para a Constituição do estado regulamentar a matéria e tem base, mas o entendimento do Supremo foi esse e a tendência é que daqui para a frente, entender como inconstitucional essa regra, embora eu concorde com ela”, disse Marques.

Na prática, significa que a retirada da regra, todas as autoridades que não estejam classificadas na Constituição terão que responder ações judiciais em primeiro grau.

Votaram para derrubar o foro, os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio e Luiz Fux. Gilmar Mendes e Celso de Mello ficaram vencidos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
5ª Semana Nacional da Conciliação Trabalhista começa nesta segunda
O evento será realizado entre 27 e 31 de maio em todo o Brasil
Justiça
TJ-MS - Comitê da Saúde realiza segunda reunião em Dourados
Justiça
Ao Vivo – Assista a palestra do ministro Barroso no II Congresso Internacional de Direito Eleitoral
Justiça
Mantega vira réu por fraudes de R$ 8 bi no BNDES
Justiça
Nelsinho se reúne com Moro para tratar sobre Coaf
Justiça
UFMS cobra R$ 7 mil para revalidar diploma estrangeiro e MPF faz recomendação
Justiça
Remédios de alto custo são regulamentados pelo STF, mas médico prevê confusão
Justiça
Sob ameaça de greve, TJ decide que escolas devem abrir com parte de efetivo
Justiça
Depois de ofender Reinaldo, internauta é condenado
Justiça
Juíza Jacqueline representa MS em encontro sobre as mulheres

Mais Lidas

Fim de Semana
Gasolina será vendida a R$ 2,50 em dois postos da capital neste sábado
Geral
Vídeo - Motorista chega empurrando o carro para abastecer a R$ 2,50
Polícia
Jovem é morto a machadadas por ex-cunhado na capital
Polícia
Motociclista tenta ultrapassagem e colide com ônibus na capital