Menu
Busca terça, 22 de junho de 2021
(67) 99647-9098
Senar - junho21
Justiça

STF volta a julgar criminalização da homofobia

O julgamento começou ontem e continua nesta tarde

14 fevereiro 2019 - 14h52Da redação com informações da Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) retomou, há pouco, o julgamento da ação protocolada pelo PPS para criminalizar a homofobia, caracterizada pelo preconceito contra a população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis). A sessão foi inciada com o voto do relator, ministro Celso de Mello, que passa a proferir seu voto sobre a questão.

O julgamento começou ontem (13) com a sustentação oral das entidades que são contra e das que defendem a criminalização pelo Judiciário. Além do relator, devem votar mais nove ministros. Luiz Fux não participa da sessão.

A possibilidade de criminalização da homofobia é debatida na Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) nº 26, sob a relatoria do ministro Celso de Mello, e tramita no STF desde 2013. 

Os ministros devem definir se o Supremo pode criar regras temporárias para punir agressores do público LGBT, devido à falta de aprovação da matéria no Congresso Nacional. Pelo atual ordenamento jurídico, a tipificação de crimes cabe ao Poder Legislativo, responsável pela criação das leis. O crime de homofobia não está tipificado na legislação penal brasileira.

No entendimento do PPS, a minoria LGBT deve ser incluída no conceito de "raça social" e os agressores punidos na forma do crime de racismo, cuja conduta é inafiançável e imprescritível. A pena varia entre um e cinco anos de reclusão, conforme a conduta. 

Na sessão desta quarta-feira (13), advogado-geral da União (AGU), André Mendonça, reprovou qualquer tipo de conduta ilícita contra a liberdade de orientação sexual, mas entendeu que o Judiciário não tem poderes legais para legislar sobre matéria penal, somente o Congresso.

No entendimento de Mendonça, os atos considerados homofóbicos podem ser enquadrados em outras condutas criminais já previstas no Código Penal. Esta foi a primeira sustentação do ministro no STF após sua nomeação. "Todo e qualquer cidadão, indistintamente, merece a devida proteção na forma da lei", afirmou.

Vai di Vinho

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Audiência de conciliação sobre pandemia na capital é cancelada
Justiça
Justiça determina audiência sobre pandemia na terça-feira
Justiça
Funcionários denunciam Hospital Adventista por intolerância religiosa
Justiça
Energisa perde e Justiça permite que medidores sejam periciados
Justiça
STJ mantém André réu na 'Coffe Break'
Justiça
Com recurso negado, Comércio terá mais uma tentativa para barrar decreto
Justiça
Justiça discute na quarta, recurso da Energisa que barra perícias
Justiça
TJMS distribuiu mais de 6 mil processos em maio
Justiça
Comércio formaliza mandado de segurança para barrar decreto do Prosseguir
Justiça
STF começa a julgar pedidos para suspender Copa América no Brasil

Mais Lidas

Geral
Foi convocado? Agehab divulga lista de beneficiários para ocupação de imóveis
Polícia
Menina de 11 anos era estuprada pelo pai no trajeto da igreja
Polícia
Bandido morre após tentar assaltar policial
Geral
Morta pelo marido, Lindinalva era professora e deixa dois filhos