Menu
Menu
Busca domingo, 03 de março de 2024
Meio Ambiente

Tuiuiús "adotam" ninho artificial e primeiros filhotes nascem no Pantanal

Ação conjunta e tecnologia proporcionam uma "nova chance" à espécie símbolo do bioma

30 novembro 2023 - 13h45Da redação, com informações da Energisa

Um esforço conjunto de moradores, poder público, organizações do meio-ambiente e empresas privadas resultou no ressurgimento da ave símbolo do Pantanal, os tuiuiús, após queimadas de 2020 que destruiu 4,5 milhões de hectares do bioma.

Em um ponto da BR-262 no caminho para a cidade de Corumbá, um ipê alto e imponente servia de morada para um ninho de tuiuiús, no entanto, em 2020, uma série enorme de queimadas destruiu a vegetação e desalojou a fauna pantaneira, inclusive acertou em cheio uma das mais famosas casas dos tuiuiús.

Por ser tão famoso, o ninho e o ipê eram pontos turísticos da região, tombados como patrimônio histórico do município. A destruição de toda essa área pelo fogo deixou os tuiuiús sem ninho e os moradores locais desolados. As queimadas de 2020 tiveram números sem precedentes. Em meio a essa crise, foi criado um comitê de prevenções de queimadas, com coordenação do governo do estado do Mato Grosso do Sul e participação da Energisa, que se mantém até hoje. 

Uma dessas ações contou com a ajuda de Rodolfo Pinheiro, gerente de construção e manutenção na Energisa Mato Grosso do Sul, e trouxe de volta a ave-símbolo do Pantanal para uma paisagem conhecida. Nascido em Corumbá, Rodolfo viu o famoso ninho dos tuiuiús ainda criança e não poderia imaginar que faria parte do time que traria as aves de volta.

A ideia de criar um ninho artificial veio através do pesquisador Walfrido Tomás, da Embrapa Pantanal, e da pesquisadora Neiva Guedes, do Instituto Arara Azul, e para concretizar a ideia precisariam da tecnologia de construção de altas torres e de estruturas metálicas, que poderiam colocar o ninho na altura certa para os pássaros se readaptarem.

A tecnologia da Energisa foi fundamental, além da alta torre, o time de Rodolfo partiu dos desenhos de Walfrido para construir uma estrutura metálica octogonal em formato de taça, que serviria de apoio para os pássaros e seu ninho. Como alguns postes da Energisa no Pantanal já são ocupados por ninhos de aves, a equipe sabia que o material era seguro para abrigar os tuiuiús. Sempre com a supervisão da Embrapa, o poste foi colocado no local e a uma altura próxima daquela do ninho original. 

“Quando a ideia surgiu, levei o projeto para a Fundação de Meio Ambiente do Pantanal do município de Corumbá. Foi tudo muito rápido e a Energisa abraçou o projeto naquele momento difícil das queimadas. Acompanhamos a instalação para que o ninho ficasse no mesmo local e na mesma altura do original. Os tuiuiús são fiéis aos locais dos ninhos, que são estratégicos para eles por conta do acesso aos alimentos e recursos para a subsistência”, conta Walfrido.

A instalação do ninho foi concluída em 2020, e chegou a ser notícia nacional. Em pouco tempo, os técnicos da Energisa fotografaram a volta dos tuiuiús. “É um momento muito gratificante! Conseguimos confeccionar o ninho que antigamente ficava ali na piúva e foi queimado nas queimadas do ano passado. Está aqui, missão cumprida! O casal de tuiuiús aceitou o ninho artificial”, comemorou Emerson Leite, técnico de redes e linhas da Energisa MS.

E em 2023, pela primeira vez, filhotes de tuiuiú nasceram em um ninho artificial, no dia 8 de outubro.
“A espécie ocorre do sul dos EUA até o norte da Argentina e esse é um projeto pioneiro que passa uma grande mensagem sobre o impacto ambiental de ações humanas equivocadas. E também serve como um monumento, tanto para lembrarmos dos nossos erros, como para mostrar a resiliência da natureza e como ações humanas conjuntas e acertadas podem trazer impacto positivo”, reflete Walfrido.

Um grupo de Facebook foi criado, em que turistas e moradores postavam fotos para ajudar a monitorar a ambientação dos pássaros ao ninho. "Envolvemos a sociedade através do que chamamos de ciência cidadã, quando a comunidade municia os pesquisadores com fotos e relatos sobre um determinado acontecimento. O ninho original nunca falhou em reproduzir novos tuiuiús. Um ano antes do incêndio, 5 novas aves haviam nascido. Por conta da seca em 2021 e 2022, os tuiuiús não se reproduziram. Então ver em 2023 que o ninho artificial é capaz de abrigar e dar espaço para a reprodução das aves é algo maravilhoso”, explicou Walfrido.

   
Esse conjunto de ações torna ainda mais importante e impactante a volta do ninho dos tuiuiús ao seu local de origem. Com a ideia dos pesquisadores, o suporte da Energisa e um time técnico capacitado, a persistência e a energia regenerativa da natureza encontraram os caminhos para um voo feliz de volta ao lar.
 

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Óleo de cozinha precisa ser descartado corretamento
Meio Ambiente
JD1TV: Reutilização do óleo de cozinha gera renda extra e projetos sociais na Capital
Nova lei busca proteger o Pantanal sul-mato-grossense
Meio Ambiente
Lei que altera as normas de conservação do Pantanal entra em vigor
Floresta amazônica está ameaçada
Meio Ambiente
Estudo aponta que até 2050 Amazônia passará a morrer de maneira acelerada
Brasil firma parceria com países asiáticos
Meio Ambiente
Brasil firma parceria com países asiáticos contra o aquecimento global
Presidente do Instituto Homem Pantaneiro entra para Clube Mundial de Exploradores
Meio Ambiente
Presidente do Instituto Homem Pantaneiro entra para Clube Mundial de Exploradores

Mais Lidas

Aposentado viaja de motor home com a esposa e já percorreu mais de 120 mil km
Geral
Aposentado viaja de motor home com a esposa e já percorreu mais de 120 mil km
Rapaz não teve tempo de ser socorrido
Polícia
JD1TV AGORA: Rapaz é assassinado com vários tiros no Aero Rancho
Patrick foi atingido com três disparos
Polícia
Jovem foi assassinado por dupla em motocicleta no Aero Rancho
AGORA: Homem é baleado e dirige até a UPA Coronel Antonino para pedir socorro
Polícia
AGORA: Homem é baleado e dirige até a UPA Coronel Antonino para pedir socorro