Menu
Busca domingo, 12 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Governo coronavirus 02
Política

Brasil defende retomada da Rodada Doha em 2014

20 junho 2012 - 10h07Reprodução

A presidenta Dilma Rousseff defendeu nesta terp (19), durante a reunião do G20 (grupo da maiores economias do mundo), a retomada das discussões da Rodada Doha, travadas desde 2008 por questões relativas a subsídios agrícolas.

A Rodada Doha é um ciclo de negociações para liberalização do comércio mundial, iniciado em 2001. Os principais impasses estão nas negociações entre os países em desenvolvimento e desenvolvidos nos setores de agricultura, facilitação de comércio, dos serviços e manufaturados.

A falta de acordos na área agrícola e a crise financeira de 2008/2009 suspenderam as negociações e a Organização Mundial do Comércio (OMC) decidiu prorrogar as condições vigentes até 2103. A proposta do Brasil é retomar as discussões em 2014, e não aceitar novos adiamentos para corrigir distorções no comércio internacional, segundo Dilma. “Não aceitamos mais prorrogar por prorrogar. Não dá mais para ficar prorrogando, é como dar um cheque em branco, é como se você não reconhecesse essa situação de desequilíbrio”.

De acorda com a presidenta, a crise financeira internacional “não pode servir de biombo” para que os países se recusem a discutir as desigualdades no comércio global. “Estamos propondo que a partir de 2014 se reabra a discussão da Rodada de Doha e se dê prazo para fechar, para que não haja prorrogamentos muito grandes de interesses de países que são privilegiados por subsídios agrícolas e por práticas de competição indevidas no momento atual”, acrescentou.

Em entrevista após deixar a Cúpula do G20, em Los Cabos, no México, Dilma confirmou que o grupo do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) fará um aporte de US$ 75 bilhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para reforçar as ações anticrise da entidade. Em troca, o Brics pressiona pela conclusão da reforma do fundo para que economias emergentes tenham mais peso nas decisões do FMI.

Dilma Rousseff disse que o “clima” na reunião do G20 mostrou solidariedade aos países da zona do euro, que enfrentam o agravamento da crise financeira, e que há consenso sobre a necessidades de associar políticas de austeridade com medidas de apoio aos investimentos. “Não adianta só aplicar políticas de austeridade ou de consolidação fiscal e não ter associadas a elas politicas de crescimento por meio de políticas de incentivos fiscais ao investimento”, ressaltou.

Segundo a presidenta, não cabe ao G20 definir soluções para a crise europeia, mas é preciso que os líderes do grupo encontrem respostas para a crise, que já compromete o ritmo de crescimento da economia global. “Não podemos ter a atitude de ficar dando lições aos países da zona do euro. O que esperamos é que sejam tomadas medidas no tempo certo. É fundamental que se dê uma perspectiva o mais rápido possível”, disse.

Do México, Dilma segue direto para o Rio de Janeiro, onde comandará as negociações da etapa decisiva da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. A conferência aprovou o rascunho do texto final, mas o documento tem que ser submetido aos chefes de Estado em sessões que começam nesta quarta-feira (20) e vão até sexta-feira (22).

Via Agência Brasil

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Hidroxicloroquina é tema de debate na Câmara
Política
Michelle Bolsonaro testa negativo para Covid-19
Política
Simone e Nelsinho avaliam como positiva escolha do novo ministro da Educação
Política
Movimento protesta contra Bolsonaro na Afonso Pena
Política
Alunos podem ter aferição de temperatura obrigatória na volta às aulas
Política
“Estou bem melhor”, diz Paulo Corrêa
Política
Na assembleia, Coronel David lamenta morte de PM
Política
Assembleia aprova estado de calamidade em Bodoquena, Bela Vista e Terenos
Política
Câmara aprova adicional de 40% a trabalhadores do combate ao coronavírus
Política
Paulo Corrêa testa positivo para coronavírus

Mais Lidas

Cidade
Vídeo: a “bola de fogo” que deixou campo-grandenses intrigados
Saúde
Coronavírus: Com aumento de números, MS tem 228 novos casos e 8 óbitos em 24h
Entrevista
“Precisamos combater as fake news”
Justiça
Homem responde em liberdade após tentar abusar da sobrinha de 13 anos no MS