Menu
Busca sexta, 23 de fevereiro de 2024
(67) 99647-9098
Governo - Dengue Fev24
Política

CPI do Futebol pode mudar Lei de Lavagem de Dinheiro

Relatório sugere tipificação de crome de corrupção privada

09 maio 2016 - 10h30Agência Brasil

O relatório final do senador Romero Jucá (PMDB-RR) entregue à Comissão Parlamentar de Inquérito do Futebol no Senado pesa a expectativa de que o texto de seja discutido e votado pelos membros da CPI já na semana que se inicia.

O senador não sugere o indiciamento de nenhuma pessoa envolvida nos escândalos de corrupção na Confederação Brasileira de Futebol (CBF) – esses escândalos vêm sendo investigados por autoridades internacionais como a justiça da Suíça e o FBI americano.

No entanto, ele propõe alterações na Lei de Lavagem de Dinheiro “para que, entre as entidades obrigadas a adotar a política do conheça o seu cliente, a manter os registros das transações e a comunicar ao Coaf operações suspeitas, estejam todas aquelas que operam nas redes de intermediação e serviços envolvidos nos negócios do mercado do futebol, conforme os esquemas revelados pelas investigações do FBI e pela documentação recebida na CPI”.

O relator propõe ainda a minuta de um projeto de lei para a tipificação do crime de corrupção privada, que não existe atualmente no Brasil. A ideia é adotar o modelo europeu e criar um “instrumento legal que pode se revelar muito útil para os órgãos de persecução penal quando as medidas vigentes se mostrarem insuficientes ou sem a força intimidatória e pedagógica necessárias”.

 

Jucá propõe ainda mudanças no Estatuto do Torcedor para prever o uso de seguranças privados no interior dos estádios e a responsabilidade do proprietário ou administrador do estádio nas hipóteses de descaso em relação a dispositivos da lei (higiene, alimentação, instalações físicas, monitoramento) e à ocorrência de delitos dentro do estádio.

Fora as proposições legais sugeridas pelo relator, ele fez ainda observações e sugestões para melhorar a governança no futebol brasileiro, com o objetivo de profissionalizar a gestão dos clubes e a relação com os atletas desde a formação de base.

Entre outras coisas, ele sugere “aperfeiçoamento das normas trabalhistas aplicadas à atividade profissional do atleta, com vistas a adequá-la à realidade e à especificidade do desporto”; vedação de participação de dirigentes, eleitos ou nomeados, ou seus parentes, até terceiro grau, em empresas com as quais a entidade tenha negócios ou contratos, sob pena de destituição; e o adiamento da exigência de que os clubes, antes de iniciar as temporadas, apresentem nada consta do FGTS de seus atletas e dos impostos devidos ao governo.

“Sugerimos, para evitar a inviabilização de muitos clubes, postergar a vigência e aplicação dessa condição para o ano de 2018. A exigência dessas certidões passaria a ser feita tão apenas no início da temporada, tendo validade para todas as competições do ano desportivo da respectiva entidade de administração do desporto, de modo a resguardar a continuidade e segurança jurídico-desportiva das competições”, diz o relatório.

Romero Jucá faz ainda propostas tributárias para estimular o desenvolvimento dos clubes de pequeno porte e melhorar a gestão das agremiações esportivas. O parecer apresentado prevê, por exemplo, estímulo tributário visando à criação de Sociedade Empresária Desportiva.

“Em um tempo em que o ideal olímpico de competir por competir foi substituído pela lógica do mercado, especialmente no futebol, dado que a paixão clubística passou a integrar a engrenagem da indústria do entretenimento nacional e internacional, esta tipologia societária afigura-se de evidente relevância. Por isso, este dispositivo incentiva sua criação ao prever o pagamento unificado de vários tributos com base na receita mensal do ente desportivo societário, concretizando a ideia de “futebol-empresa” que arrosta a profissionalização da gestão desportiva”, explica.

Por fim, o relator sugere a instituição de “incentivo fiscal temporário, até o ano de 2022, pela via de deduções no Imposto sobre Renda pelas pessoas físicas e jurídicas, para apoio direto aos clubes integrantes das séries C e D do campeonato brasileiro de futebol, competições que albergam representações de todas as unidades da Federação”.

O texto deve ser apresentado aos membros da comissão na próxima terça-feira (11) e o relator espera que ele seja votado no mesmo dia. O presidente da CPI, senador Romário (PSB-RJ), no entanto, já disse em entrevistas que pretende apresentar voto em separado com outro relatório para ser votado em contraponto ao de Jucá.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Erika Hilton é a primeira deputada trans eleita para um cargo de liderança
Política
Bolsonaro optou por silêncio em depoimento à PF sobre suposta tentativa de golpe
Política
Beto Pereira quer fim das "saidinhas" em presídios
Política
Vereadores aprovam criação do 'Corredor Comercial' no Lageado
Política
Deputados aprovam prorrogação da proibição da pesca do Dourado por mais 5 anos
Política
"Queda da Bastilha", diz Delcídio após ataque de Gilmar
Cidade
Câmara analisa projeto de criação do Corredor Comercial no Lageado
Política
Deputados votam proposta que irá possibilitar diagnóstico precoce de autismo
Justiça
Justiça determina devolução de R$ 200 mil pelo União Brasil Campo Grande
Política
O peso de Tereza junto a Bolsonaro

Mais Lidas

Polícia
Filhos gritaram por socorro ao ver a mãe sendo esfaqueada e morta na Capital
Polícia
Mulher pressentiu que iria morrer em conversa com a filha: 'Ele vai voltar e me matar'
Polícia
AGORA: Homem não aceita fim do casamento e mata ex com facada no peito em Campo Grande
Polícia
JD1TV AGORA: Polícia prende homem que matou a ex-mulher em Campo Grande