Menu
Busca quinta, 29 de julho de 2021
(67) 99647-9098
Governo - covid atitudes
Política

Deputados precisam aprovar a reforma administrativa antes do recesso

Parlamentares devem analisar também a previdência complementar dos futuros servidores

10 dezembro 2018 - 09h13Da Redação

Com apenas seis sessões antes do recesso parlamentar, deputados vão votar projetos importantes encaminhados pelo Executivo estadual. Uma das propostas será a apreciação da previdência complementar para os futuros servidores. A matéria foi aprovada em primeira votação na semana passada e deverá ser votada em plenário nesta terça-feira (11).

Além da Previdência Complementar, outro projeto que será debatido em plenário será a Reforma Administrativa do Governo do Estado, porém a proposta ainda não foi encaminhada para o Legislativo e, de acordo com o secretário de Governo, Eduardo Riedel, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), ainda está fazendo ajustes, mas que mudanças vão ocorrer.

Anteriormente, os dez secretários das dez secretarias do estado redigiram cartas agradecendo a oportunidade de participarem da gestão de Azambuja e colocaram seus cargos à disposição para eventuais trocas. "Isso é de praxe, eles quiseram mostrar que não terá problemas com eventuais mudanças na nova gestão", explicou o líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Rinaldo Modesto (PSDB).

O projeto de lei da previdência complementar, que ainda vai a segunda votação na Casa, prevê a criação da Fundação de Previdência Complementar dos Servidores de Mato Grosso do Sul (MS-Previcom), que será responsável pela administração dos planos previdenciários. Servidores com salários maiores de R$ 5,6 mil podem aderir à Previdência Complementar em outros bancos. Militares estaduais foram retirados da proposta.

Embora guarde semelhanças com a Lei Federal n.º 12.618/2012, que criou o Regime de Previdência Complementar Federal, no projeto estadual, toda gestão do plano ficará a cargo do Executivo, inclusive a indicação de todos os membros dos Conselhos Deliberativo e Fiscal da Fundação, por dois anos, até que seja possibilitada eleição, após já terem indicado os integrantes da diretoria executiva, cujo mandado seria de três anos.

A proposta prevê ainda a autorização de um aporte de R$ 20 milhões à Previcom, como antecipação de contribuição, para funcionamento inicial da entidade. Sendo a primeira parte de, no mínimo, R$ 5 milhões, repassada em até 60 dias após a instituição da fundação.

Os projetos precisam ser aprovados antes do recesso que começa dia 21 de dezembro de 2018 para que entrem em vigor em 2019.

Vai di Vinho

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Bolsonaro pediu apuração do contrato de compra da Covaxin, diz Pazuello
Política
Projeto de lei quer instituir Semana do Agronegócio nas escolas
Política
Bolsonaro adianta decisão sobre qual partido se filiará para disputar reeleição
Política
Reforma tributária será votada após recesso
Política
PEC do Voto Impresso será uma das prioridades após recesso parlamentar
Política
Mãe de ministro da Casa Civil assume lugar do filho
Política
Flávio Bolsonaro vai ser suplente da CPI da Pandemia
Política
Azambuja visita projeto que vai levar energia solar a famílias no Pantanal
Educação
"Parar de contar mortos, e contar alunos voltando" dispara Riedel 
Política
Ciro Nogueira aceita convite de Bolsonaro e será o novo ministro da Casa Civil

Mais Lidas

Geral
Vídeo: 'Rapidinha' na cozinha da errado e casal é flagrado só no love
Geral
Com Covid, Arlindo Namour morre no Proncor
Internacional
Vídeo: jovem tenta gravar dança em guindaste, mas despenca e morre
Polícia
Investigação concluí que enfermeiro do HR estuprou paciente em fevereiro