Menu
Busca segunda, 14 de outubro de 2019
(67) 99647-9098
Política

Moka nega bate-boca em encontro com Dilma

03 junho 2011 - 19h40Divulgação

O senador Waldemir Moka (PMDB-MS) negou que tenha “batido boca” com a presidente Dilma Roussef durante o almoço promovido pelo Planalto com os senadores do PMDB, como foi divulgado pela imprensa nacional durante a semana. “O encontro foi muito respeitoso e os argumentos foram ouvidos pela presidente com atenção”, diz Moka.

O encontro entre Dilma e a bancada peemedebista ocorreu na quarta-feira e discutiu vários temas. O assunto que teria elevado a temperatura do encontro foi o Código Florestal. A presidente confirmou aos senadores que pretende vetar a emenda 164, que isenta produtores que tenham desmatado até junho de 2008 do pagamento de multas.

Neste momento, Moka interveio e argumentou que o texto não fala em anistia. Quem desmatou até a data estabelecida no texto aprovado pela Câmara terá de ingressar em um programa de recuperação de área degradada. “É como se fosse um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta). A multa só deixará de existir na hora em que o produtor recuperar a área degradada”, reitera o senador, repetindo o que disse durante a reunião. “Mas em momento algum houve bate-boca.”

De acordo com Moka, Dilma ouviu seus argumentos de forma respeitosa e – de certa forma – surpresa. “Parecia que era a primeira vez que ela ouvia essa interpretação do PL”, observa o senador.

Durante a semana, o parlamentar foi procurado pelos senadores Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), presidente da Comissão de Meio Ambiente, e Jorge Viana (PT-AC), escolhido como relator do Código Florestal na comissão. “Eles pediram ajuda na articulação com o presidente e o relator do texto na Comissão de Agricultura”, conta, em referência a Acir Gurgacz (PDT-RO) e Luiz Henrique (PMDB-SC).

“Já conversamos na quarta-feira e definimos que as duas comissões vão ter o cuidado de buscar o equilíbrio das propostas, realizando audiências públicas e trabalhando juntas”, destaca Moka. “Vamos buscar o acordo. Mas, se não houver, vamos ter que decidir no voto.”

Juros - Sobre o encontro com a presidente, o senador acrescenta que também foram discutidos pontos da reforma tributária, especialmente sobre um novo indexador para os empréstimos concedidos aos estados, amenizando o problema de endividamento.

“A presidente foi receptiva, embora tenha alertado que o assunto precisa ser discutido de uma forma mais ampla. Mas ela reconhece que os juros que os estados pagam hoje por um financiamento estão bem acima do que é praticado até mesmo pelo mercado”, relata Moka.

Outro assunto foi a tramitação das medidas provisórias. Na quarta-feira, duas delas caíram porque perderam a validade sem que fossem submetidas à votação. O episódio reacendeu a discussão sobre a necessidade de mudanças na tramitação das MPs, que frequentemente travam a pauta. “As medidas chegam ao Senado já com prazo quase estourado. E não se pode mexer, porque se houver alteração, é preciso devolver o texto à Câmara e aí é que acabam caducando mesmo”, explica o senador.

Sobre o clima político do encontro, Moka garante que tudo transcorreu de forma “tranquila e espontânea”. “Ela (Dilma) foi o tempo todo cordial e estabeleceu uma aproximação da bancada como um todo. Ela percebeu que a bancada tem votado com o governo e pode ser considerada, de fato, aliada. Eu não a apoiei nas eleições, mas, em relação ao seu governo, tenho votado segundo a orientação do líder”, diz Moka.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Vereador apresenta projeto voltado às crianças vegetarianas
Política
Bolsonaro destaca lançamento do Programa Novos Caminhos em outubro
Política
Bolsonaro quer retomar obras iniciadas em outros governos
Política
Assessor de Collor foi laranja em imóveis de R$ 6 mi
Informação consta em representação da PGR pela deflagração da Operação Arremate, que pôs a PF nas ruas em endereços ligados ao senador
Política
PF investiga se houve participação de Collor em lavagem de dinheiro
Política
União libera R$ 2,6 mi para Angélica viabilizados por Nelsinho Trad
Política
Reforma da Previdência vai para segundo turno no senado
Política
Carla deixa MDB e vai para o PSD
Política
Otávio Trad apresenta demandas da saúde pública em Brasília
Política
PLS exige laudo psicológico para soltura de agressores domésticos

Mais Lidas

Polícia
Jaime Valler estava na lista da milícia para morrer
Geral
Pai encontra filho morto, enforcado com fio de nylon
Polícia
Adolescentes são apreendidos por necrofilia com cadáver de idosa
Polícia
Bêbado, motorista atropela e mata garoto de 15 anos na capital