Menu
Menu
Busca sábado, 13 de abril de 2024
Política

Para advogados de defesa Coffee Break não tem provas e é seletiva

27 julho 2016 - 11h59Rafael Belo

“Todas as vezes que a acusação for à imprensa também iremos convocar uma coletiva”, anunciou o advogado Fabio Trad. Ele e mais cinco acusaram o Ministério Público de ser equivocado ao fazer acusações sem provas e investigar de maneira seletiva os envolvidos na Operação Coffee Break.  Fabio defende Airton Saraiva e citou sites de Campo Grande para mostrar que o jogo político não pode ser criminalizado, já que o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal, buscou apoio com alianças e nomeações para não ser cassado e perguntou: “Por que os fatos relatados pela imprensa não são crimes também? Qual o critério para pender só para um lado?”

Para Trad, o material apresentado pela acusação não se sustenta. “A denúncia é frágil e tecnicamente imperfeita. Foi feita a leitura criminalizante de um embate político. Não há menção de lavagem de dinheiro. A denuncia se baseia muito precariamente em tráfico de cargos e em um ‘ouvi dizer’ no depoimento de Paulo Pedra e Luiza Ribeiro que foi considerado suficiente para constituir crime. Insto é uma atuação performática”, acusa.

Já André Borges, deixou claro que a intenção do cliente dele, Otavio Trad, é concorrer à reeleição e que acusar de maneira “inconsistente e abusada como um panfleto político é um absurdo”. Para Borges é preciso uma reparação de dano moral na Justiça para Trad. “Eles o acusaram de corrupto e leviano por uma acusação de ter vendido voto e indicado cargos para Gilmar Olarte, mas não aponta quais cargos nem quais pessoas isso é muito grave. Foi provado que os seis depósitos que ele recebeu eram verbas indenizatórias pagas para todos os vereadores”, analisou.

Reforçando o coro, Renê Siufi, representante do ex-governador André Puccinelli, de Paulo Pedra, Flávio César e Diogo Albuquerque, afirmou: “O óbvio é que não existe nada que seja verdadeiro. Todos foram colocados em uma vala comum com acusações factóides, absurdas e sem suporte. Para prestigiar o promotor Marcos Alex que achou ter descoberto o ovo de Colombo, a justiça aceitou o inquérito dele”.

Somando aos demais, Rodrigo Dias, advogado de Carlão, Chocolate e Alceu Bueno destacou que a acusação utilizou de coincidências para levar adiante o processo. “O Carlão teria recebido dinheiro para votar a favor do impeachment de Bernal, mas ele votou contra. Falta consistências nestas ‘provas’. Ainda apontam que Carlão indicou dois cargos para Gilmar Olarte, mas o MP esqueceu de dizer que Bernal já havia nomeado estes dois líderes comunitários. O MP pega fatos isolados, junta e criminaliza o jogo político”. Em seguida Dias adota um tom mais ácido ao defender seus outros dois clientes.

“Chocolate foi humilhado, sofreu segregação racial, foi chamado de burro e expulso do PP (Partido Progressista). É preciso dinheiro para votar contra (o Bernal)? Já sobre o Alceu, o MP diz que ele recebeu dinheiro da Proteco de João Amorim. Ambos em empresas do ramo da construção, eles queriam que o Alceu vendesse equipamentos hospitalares e o Amorim comprasse espelhos?”, ironiza.

Jail Azambuja, advogado de Gilmar Olarte e de Guimarães é mais incisivo. “Toda a operação é materialmente influenciada e deturpada. A Coffee Break é um golpe aplicado contra a Câmara e que faz Campo Grande ainda sofrer com as consequências. O golpe foi orquestrado para minimizar os efeitos da cassação de Bernal e o reconduzir em 25 agosto de 2015 ao cargo de prefeito. Acusam meus clientes de associação criminosa , mas não diz qual o crime? O STJ (Superior Tribunal Justiça) afirmou que a Câmara estava exercendo seu papel e o MPF (Ministério Público Federal) denunciou duas ações de improbidade administrativa. Dizer que foi trama é uma mentira. A população não pode ser enganada”, finalizou.

César Makssud, advogado do ex-prefeito Nelsinho Trad, também contesta a acusação. “Acusaram meu cliente de associação criminosa, mas qual foi o crime? O MP não disse. Esperava-se que a Justiça fosse imparcial”.

Os advogados de defesa são unânimes ao julgar que o promotor Marcos Alex teve excesso de poder e comprovando esta acusação o Estado pode responder por eventual dano, caso entrem com representação contra o promotor. Agora, todo o processo está atrasado e os acusados terão que prestar depoimento novamente, atrasando o julgamento de 15 a 30 dias e depois por mais dois ou três meses com a esperança de ser concluído antes das eleições, perdida. A provável definição final deve ficar para 2017.

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Prefeita de Campo Grande, Adriane Lopes, cumpria agenda em São Paulo e estava acompanhada da senadora Tereza Cristina
Política
Adriane se reúne com empresários em SP na busca por investimentos sustentáveis
Presidente e acionistas da JBS durante solenidade
Política
De uniforme e tudo, Lula esteve em frigorífico da Capital nesta sexta
Pré-candidata a prefeita e chefe da Sudeco, Rose Modesto -
Política
Em visita de Lula a MS, Rose destaca intenção de ser a primeira prefeita eleita da Capital
Governador Eduardo Riedel assinou termo de cooperação para ações voltadas aos povos indígenas
Política
Governo e Sebrae atuarão em favor de indígenas
AO VIVO: Lula acompanha em Campo Grande embarque de carne para a China
Política
AO VIVO: Lula acompanha em Campo Grande embarque de carne para a China
Lula sanciona, com veto, projeto que proíbe saidinha de presos
Política
Lula sanciona, com veto, projeto que proíbe saidinha de presos
Sessão de hoje (11)
Política
Vereadores aprovam em 2ª discussão programa "Idade de Sorrir" na Capital
Lula
Política
Lula deve vetar projeto que põem fim às saidinhas de presos
Sessão desta quinta-feira (10)
Política
Deputados aprovam em 1ª discussão o 'Dia do Atleta' para 10 de fevereiro
Foto: Lucas Castro
Política
Vereadores decidem sobre igualdade de recursos públicos no paradesporto

Mais Lidas

Artistas confirmadas na Expogrande 2024
Comportamento
Expogrande 2024 divulga programação dos shows; confira as datas
Mulher encontrada morta em casa no Itamaracá teve um infarto
Polícia
Mulher encontrada morta em casa no Itamaracá teve um infarto
AGORA: Mulher é encontrada morta em casa no Itamaracá
Polícia
AGORA: Mulher é encontrada morta em casa no Itamaracá
Homem mente que foi sequestrado e estuprado para voltar com a ex em Campo Grande
Polícia
Homem mente que foi sequestrado e estuprado para voltar com a ex em Campo Grande