Menu
Busca domingo, 16 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Política

Para Mansour, pacote anticrime deveria ter investimentos em segurança pública

"Salvaguardar o policial é importante, mas dar carta branca me preocupa", diz o presidente da Ordem de Mato Grosso do Sul

06 fevereiro 2019 - 14h09Rayani Santa Cruz

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional de Mato Grosso do Sul (OAB-MS), Mansour Karmouche, concedeu entrevista nesta manhã à rádio Hora 92 FM e comentou sobre o pacote de medidas anticrime do ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro, e mostrou preocupação em relação a chamada “salvaguarda” para o policial exercer a função e apontou questões que deveriam ser adicionadas ao pacote.

De acordo com Mansour, a OAB-MS, também tem como pauta a questão da segurança pública no estado. Ele diz que vem acompanhando as questões desde a apresentação do pacote, feita na segunda-feira (4), assim como o presidente nacional da Ordem, Felipe Santa Cruz.

Sobre o projeto de lei, Mansour citou pontos positivos e alguns que para ele devem ser melhor elaborados. O presidente da OAB-MS cita que o projeto de lei deveria ser acompanhado de uma série de investimentos em segurança pública. “Você tem uma delegacia como, por exemplo, a de Coronel Sapucaia, fronteira do estado com o Paraguai, e que já foi metralhada, então, temos que ter um plano específico para o estado que faz fronteira e facilita, entre outras, coisas o tráfico e aumento da criminalidade”.

O presidente diz que faltam ações de investimentos conjuntos (efetivo, presídios,monitoramento) , planos para a questão do sistema carcerário e projetos específicos para estados de fronteiras como MS. “O que nós estávamos cobrando em comissões e viagens à Brasília, é a questão de investimentos, principalmente em Mato Grosso do Sul. Os governadores também deveriam ter sido chamados, para discutir planos para o Sistema Carcerário do país”.

“O pacote tem pontos positivos e pontos questionáveis, a Polícia Federal tem feito um trabalho com excelência há muitos anos, eles são forjados para isso, o enfrentamento a corrupção e crime organizado. O que nos preocupa é essa tal “carta branca” para a polícia, e sabemos que existem casos de abuso de autoridade, e temos que ter consciência que a salvaguarda para o policial é necessária, mas não pode ser a chamada "carta branca", é essencial fazer uma trava nesta questão, para profunda análise”, disse Mansour.

Ontem, Felipe Santa Cruz, presidente nacional da OAB, afirmou que informou que Comissões da OAB, vão coordenar um amplo e abrangente estudo de cada uma das proposições contidas no pacote anticorrupção e antiviolência.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Após polêmica envolvendo seu nome, Levy pede demissão da presidência do BNDES
Política
Parecer da reforma da Previdência é bem recebido pelo mercado financeiro
Política
Nelsinho Trad é eleito presidente do PSD-MS
Política
“Governo é uma usina de crises", diz Rodrigo Maia
Política
Cabo Almi acredita em soltura de Lula e cancelamento da sentença
Política
Bolsonaro demitirá presidente dos Correios
Política
PSD discute planos para 2020 neste sábado
Política
Bolsonaro critica decisão do Senado de parar decreto de armas
Política
STF criminalizará homofobia como forma de racismo
Política
Santos Cruz cai e será substituído por outro general

Mais Lidas

Polícia
Durante encontro amoroso, homem é morto por ex-marido de mulher
Polícia
Ex-secretário morre em acidente na MS-157
Polícia
Tio e sobrinho são mortos a golpes de facão
Educação
Extrato de pagamento do Bolsa Família terá alerta sobre trabalho infantil