Menu
Busca segunda, 21 de junho de 2021
(67) 99647-9098
Governo - Feminicidio
Política

Para Mansour, pacote anticrime deveria ter investimentos em segurança pública

"Salvaguardar o policial é importante, mas dar carta branca me preocupa", diz o presidente da Ordem de Mato Grosso do Sul

06 fevereiro 2019 - 14h09Rayani Santa Cruz

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional de Mato Grosso do Sul (OAB-MS), Mansour Karmouche, concedeu entrevista nesta manhã à rádio Hora 92 FM e comentou sobre o pacote de medidas anticrime do ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro, e mostrou preocupação em relação a chamada “salvaguarda” para o policial exercer a função e apontou questões que deveriam ser adicionadas ao pacote.

De acordo com Mansour, a OAB-MS, também tem como pauta a questão da segurança pública no estado. Ele diz que vem acompanhando as questões desde a apresentação do pacote, feita na segunda-feira (4), assim como o presidente nacional da Ordem, Felipe Santa Cruz.

Sobre o projeto de lei, Mansour citou pontos positivos e alguns que para ele devem ser melhor elaborados. O presidente da OAB-MS cita que o projeto de lei deveria ser acompanhado de uma série de investimentos em segurança pública. “Você tem uma delegacia como, por exemplo, a de Coronel Sapucaia, fronteira do estado com o Paraguai, e que já foi metralhada, então, temos que ter um plano específico para o estado que faz fronteira e facilita, entre outras, coisas o tráfico e aumento da criminalidade”.

O presidente diz que faltam ações de investimentos conjuntos (efetivo, presídios,monitoramento) , planos para a questão do sistema carcerário e projetos específicos para estados de fronteiras como MS. “O que nós estávamos cobrando em comissões e viagens à Brasília, é a questão de investimentos, principalmente em Mato Grosso do Sul. Os governadores também deveriam ter sido chamados, para discutir planos para o Sistema Carcerário do país”.

“O pacote tem pontos positivos e pontos questionáveis, a Polícia Federal tem feito um trabalho com excelência há muitos anos, eles são forjados para isso, o enfrentamento a corrupção e crime organizado. O que nos preocupa é essa tal “carta branca” para a polícia, e sabemos que existem casos de abuso de autoridade, e temos que ter consciência que a salvaguarda para o policial é necessária, mas não pode ser a chamada "carta branca", é essencial fazer uma trava nesta questão, para profunda análise”, disse Mansour.

Ontem, Felipe Santa Cruz, presidente nacional da OAB, afirmou que informou que Comissões da OAB, vão coordenar um amplo e abrangente estudo de cada uma das proposições contidas no pacote anticorrupção e antiviolência.

Senar - square junho21

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Nova pesquisa mostra, liderança apertada de Bolsonaro em MS
Política
Ida para novo partido está "bastante avançada", diz Bolsonaro
Política
Governo entrega cobertores a famílias campo-grandenses
Política
Bolsonaro tem 'dever cívico' de mostrar prova de fraude na eleição, diz Barroso
Política
Membros da CPI da Energisa se reúnem hoje para definir os "próximos passos"
Política
Senadores suspendem sessão da CPI da Pandemia desta quinta
Política
"Mais social" investirá R$ 182 mi por ano, diz Sérgio Murilo
Política
Diretora de hospital de MS assume secretaria anti-Covid em Brasília
Política
Paulo Corrêa pede prioridade para jornalistas na vacinação contra covid-19
Política
Bolsonaro pede acesso a celular de advogados de Adélio

Mais Lidas

Polícia
Mulher é levada para dentro da mata por bandidos e morta com tiro na cabeça
Polícia
Casal briga e vizinho tenta intervir mas passa mal e morre
Saúde
Jovem de 17 anos, sem comorbidades, está entre as 38 vítimas da covid em 24h
Saúde
Lote com 97.500 doses de vacina contra covid chegam hoje a MS