Menu
Menu
Busca quarta, 19 de junho de 2024
Aguas Jun24
Política

Vídeo: Wesley do JBS cita três governos de MS em delação

19 maio 2017 - 15h21Da redação

Durante depoimento oficial para o acordo de delação premiada no dia 4 de maio de 2017, um dos donos da JBS, Wesley Batista, citou os dois últimos governadores de Mato Grosso do Sul Zeca do PT e André Puccinelli e o atual Reinaldo Azambuja e revelou suposto esquema de corrupção envolvendo pagamentos de propina em troca de redução da alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

De acordo com Wesley o esquema começou durante o governo Zeca em 2003 e durou até o ano passado, já no governo de Reinaldo Azambuja.  “Começou com ele [Zeca] esse esquema conosco de acerto de pagamento de propina em troca de redução de pagamento de ICMS no estado. Isso era com o Joesley na época” conta Wesley.

Ele explica que o acordo feito em 2003 era de redução de 20% do benefício de redução do imposto em cima do benefício. Em 2010, Zeca do PT teria recebido o montante de R$ 3 milhões durante sua campanha, sendo R$ 1 milhão em doação oficial e R$ 2 milhões em espécie, no escritório da empresa em São Paulo.

Os pagamentos de propina, segundo o empresário eram feitos de várias formas. “As formas de pagamentos eram feitas por várias modalidades, notas fiscais frias, pagamento de doleiro a terceiros em espécie”, salienta. 

Na delação, Wesley cita empresas como a Proteco, além de gráficas e de criadores de gado. No total, somente Puccinelli teria recebido R$ 30 milhões em espécie e mais R$ 60 milhões via doleiro. “Do governo Puccinelli está aqui a relação da notas que é R$ 5 milhões pra Ivanildo, R$ 9,5 milhões para a empresa chamada Proteco Construções, R$ 980 mil pra gráfica...” declara em um trecho da delação.

Até o governo de Puccinelli Wesley conta que quem era responsável palas transações era o irmão Joesley, já no governo de Reinaldo Azambuja ele assumiu as negociações que eram feita pessoalmente na governadoria. Ele detalha uma nota de R$ 2,9 milhões da empresa Buriti e outros R$ 10 milhões em espécie.

Não foi explicitado se além das notas fiscais citadas existem outras provas documentais sobre a soma dos valores relatados como propina.

 

Veja o vídeo:

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Comissão de Educação do Senado aprova a reforma do ensino médio
Política
Comissão de Educação do Senado aprova a reforma do ensino médio
Hospital Regional de Mato Grosso do Sul
Política
"Solucionar problemas": Deputado quer visita da Comissão de Saúde ao Hospital Regional
Gerson Claro
Política
Governo de MS vai liberar R$ 72 milhões em emendas parlamentares
Sessão da Assembleia
Política
Comunicação sobre fim de teste gratuito de serviço segue para sanção
Plenário Deputado Júlio Maia
Política
Deputados devem aprovar o Balanço Geral do Governo de MS nesta quarta-feira
Edinaldo Luiz de Melo Bandeira -
Justiça
Justiça eleitoral manda prefeito de Amambai remover vídeo com pedido de voto
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva
Política
Lula diz que pode tentar reeleição 'para evitar que trogloditas voltem a governar'
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva
Política
Lula deve sancionar taxa em compras de US$ 50
Deputado federal Nikolas Ferreira (PL-MG)
Política
PF vê injúria contra Lula em fala de Nikolas Ferreira, mas opta por não o indiciar
Deputado federal Sóstenes Cavalcante
Política
Após críticas, autor do 'PL do Aborto' assina texto que aumenta pena de estupradores

Mais Lidas

Inverno 2024
Clima
Inverno começa nesta semana e deve ter temperaturas acima da média em 2024
Menina fez o jogo e guardou o bilhete em casa
Geral
50 milhões! Criança acerta números da Mega-Sena, mas pais esquecem de pagar aposta
Sol raiou em Campo Grande
Clima
Tempo seco breca chegada de frente fria e calor se mantém nesta terça em MS
Breno Souza Firmino, de apenas 16 anos, atuava como volante na equipe SUB-17 da Portuguesa
Polícia
Adolescente de time de MS morre na Capital