Menu
Busca quinta, 02 de dezembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS nov21
Saúde

Com menos casos, aumenta dificudade em testar vacina contra dengue

Vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan é uma aposta da saúde em nível mundial

20 dezembro 2018 - 19h34Da redação com Agência Brasil

A diminuição do número de casos de dengue no Brasil tem dificultado o desenvolvimento da vacina contra a doença. Com menos infectados, a circulação do vírus na população é menor, o que está afetando a terceira e última fase do estudo clínico da vacina. O problema ocorre principalmente entre as crianças de 2 a 6 anos, a faixa etária mais difícil de ser recrutada para os testes.

Segundo o diretor da Divisão de Ensaios Clínicos e Farmacovigilância do Instituto Butantan, Alexander Precioso, a terceira fase do estudo clínico começou em 2016 e está sendo realizada em 14 centros de pesquisa clínica, distribuídos em cinco regiões do país, e envolverá, até o seu final, 17 mil voluntários. Até o momento, 15,5 mil já foram recrutados.

Após receber a vacina, os voluntários são acompanhados por cinco anos para comprovar a eficácia da vacina. A estimativa para conclusão do desenvolvimento da vacina, iniciado há cerca de dez anos, é de seis a 15 anos. “O tempo clássico para o desenvolvimento de uma vacina é habitualmente de seis a 15 anos, sendo muito mais próximo dos 15 anos. Entre 12 e 15 anos é o período considerado mais recorrente para o desenvolvimento de novas vacinas”, disse Precioso.

Segundo o Butantan, a vacina desenvolvida pelo Instituto é uma aposta da saúde em nível mundial, já que deverá prevenir os quatro subtipos do vírus da dengue, poderá ser indicada para pessoas de dois a 59 anos e deve funcionar também para pessoas que não tiveram a doença anteriormente. A vacina está na terceira fase do estudo clínico, sendo testada em humanos.

Assim que concluída essa fase, e após o registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a vacina poderá ser disponibilizada à população.

A vacina do Butantan age contra os quatro vírus da dengue e é liofilizada (em pó), podendo ser diluída e também conservada em refrigeradores. “Até o momento, todos os dados coletados tanto na fase dois como na três têm confirmado a segurança da vacina, que tem causado pouquíssimas reações adversas, semelhantes às de outras vacinas”, disse Precioso. “Os resultados preliminares também têm mostrado que, com apenas uma dose, a vacina é capaz de estimular o sistema imunológico dos vacinados de forma que seja possível protegê-los contra os quatro tipos da dengue”.

Senar Agrinho dez21

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Ministério confirma cinco casos da variante Ômicron no Brasil
Saúde
Interior vai receber cirurgias que só eram realizadas na Capital, diz Riedel
Saúde
AO VIVO: Governador lança nova etapa da Caravana da Saúde
Saúde
Sete UPAs não terão pediatras no plantão da manhã e tarde na capital
Saúde
Vacinação contra Covid conta com ação itinerante na Vila Popular
Saúde
Fiocruz investiga possível caso de nova variante do covid-19 no Rio de Janeiro
Saúde
Dose de reforço estará disponível em mais de 40 locais; confira
Saúde
Campanha termina com 41 mil crianças e adolescentes com vacinação atualizadas em MS
Saúde
Covid-19: Mato Grosso do Sul chega a 378.873 mil casos
Saúde
Confira a escala de atendimento infantil nas UPAs e CRSs nesta quarta

Mais Lidas

Brasil
Carteiro é baleado ao fazer entrega em condomínio; assista
Vídeos
Homem se masturba na frente de crianças em condomínio; assista
Polícia
Mulher encontra corpo de bebê escondido em sacola ao descongelar geladeira
Internacional
Perereca suicida? Modelo atira na própria vagina ao gravar vídeo erótico