Menu
Busca quinta, 24 de junho de 2021
(67) 99647-9098
Senar - junho21
Saúde

Com menos casos, aumenta dificudade em testar vacina contra dengue

Vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan é uma aposta da saúde em nível mundial

20 dezembro 2018 - 19h34Da redação com Agência Brasil

A diminuição do número de casos de dengue no Brasil tem dificultado o desenvolvimento da vacina contra a doença. Com menos infectados, a circulação do vírus na população é menor, o que está afetando a terceira e última fase do estudo clínico da vacina. O problema ocorre principalmente entre as crianças de 2 a 6 anos, a faixa etária mais difícil de ser recrutada para os testes.

Segundo o diretor da Divisão de Ensaios Clínicos e Farmacovigilância do Instituto Butantan, Alexander Precioso, a terceira fase do estudo clínico começou em 2016 e está sendo realizada em 14 centros de pesquisa clínica, distribuídos em cinco regiões do país, e envolverá, até o seu final, 17 mil voluntários. Até o momento, 15,5 mil já foram recrutados.

Após receber a vacina, os voluntários são acompanhados por cinco anos para comprovar a eficácia da vacina. A estimativa para conclusão do desenvolvimento da vacina, iniciado há cerca de dez anos, é de seis a 15 anos. “O tempo clássico para o desenvolvimento de uma vacina é habitualmente de seis a 15 anos, sendo muito mais próximo dos 15 anos. Entre 12 e 15 anos é o período considerado mais recorrente para o desenvolvimento de novas vacinas”, disse Precioso.

Segundo o Butantan, a vacina desenvolvida pelo Instituto é uma aposta da saúde em nível mundial, já que deverá prevenir os quatro subtipos do vírus da dengue, poderá ser indicada para pessoas de dois a 59 anos e deve funcionar também para pessoas que não tiveram a doença anteriormente. A vacina está na terceira fase do estudo clínico, sendo testada em humanos.

Assim que concluída essa fase, e após o registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a vacina poderá ser disponibilizada à população.

A vacina do Butantan age contra os quatro vírus da dengue e é liofilizada (em pó), podendo ser diluída e também conservada em refrigeradores. “Até o momento, todos os dados coletados tanto na fase dois como na três têm confirmado a segurança da vacina, que tem causado pouquíssimas reações adversas, semelhantes às de outras vacinas”, disse Precioso. “Os resultados preliminares também têm mostrado que, com apenas uma dose, a vacina é capaz de estimular o sistema imunológico dos vacinados de forma que seja possível protegê-los contra os quatro tipos da dengue”.

Vai di Vinho

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Vacinação de lactantes chega aos 18 anos
Saúde
Butantan deve receber no sábado mais 6 mil litros de IFA
Saúde
Dependência química é tema de discussão em Live
Saúde
Covid: MS tem quatro municípios em grau extremo
Saúde
Capital volta à bandeira vermelha no Prosseguir
Saúde
UPAs tem 45 médicos e 14 pediatras atendendo na manhã desta quarta
Saúde
Covid - Mais de 20% das mortes são de pacientes sem comorbidades em MS
Saúde
Capital continua na D2 de Coronavac e Astrazeneca nesta quarta; veja as datas
Saúde
Estado receberá 105 mil vacinas contra a Covid-19
Saúde
Covid: Anvisa nega autorização para uso emergencial do Avifavir

Mais Lidas

Polícia
Mãe confessa que matou bebê de 5 meses afogada, em Campo Grande
Polícia
Bebê de 5 meses foi morta afogada, porque mãe drogada queria tirar 'chip da besta'
Polícia
Bebê de 5 meses morre após suspeitas de violência sexual, em Campo Grande
Polícia
Com câncer em estado avançado, idoso comete suicídio na varanda de casa