Menu
Busca sábado, 20 de julho de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Ministro fala sobre indícios de irregularidades no Fundo Amazônia

Os projetos serão analisados pelo BNDES e medidas serão tomadas

17 maio 2019 - 15h33Joilson Francelino, com informações da Agência Brasil

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse nesta sexta-feira (17), em entrevista coletiva, em São Paulo, que parte dos projetos do Fundo Amazônia apresentaram irregularidades após análise preliminar. "Em 1/4 dos 103 projetos há exemplos que merecem análise mais aprofundada dos órgãos de controle", afirmou.

Segundo o ministro, os projetos seguem agora para análise do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), órgão gestor e executor dos contratos, para que sejam tomadas as providências. Ele disse que os principais problemas são inconsistências nas prestações de contas, altas despesas administrativas e gastos excessivos com folha de pagamento. A análise feita pelo MMA, segundo Salles, também será repassada à Controladoria Geral da União (CGU) e ao Tribunal de Contas da União (TCU).

"Há uma desconexão na escolha desses diferentes projetos, há montantes muito altos com gastos administrativos e destinações muito pequenas para atividades-fim", afirmou Salles. De acordo com ele, foram analisados contratos de ONGs e órgãos públicos ambientais.

O ministro disse que a maior parte dos projetos analisados foi contratada sem licitação. "Há um percentual grande, de 82%, de contratações de balcão, que são aquelas não licitadas". "Essas questões remontam à necessidade de melhorar a governança pela qual são feitas as contratações e as escolhas do projeto do Fundo Amazônia", acrescentou.

Salles recomendou que novos convênios e projetos não sejam feitos por enquanto. "Até resolvermos o que fazer com a situação encontrada até agora, não recomendamos que se façam novas contratações." De acordo com ele, embora seja uma recomendação do MMA, a decisão ficará a cargo do BNDES. No âmbito do ministério, a pasta define critérios e diretrizes para escolha dos projetos e o BNDES é o gestor dos recursos.

Mesmo com irregularidades, o ministro reconheceu que as ações ajudaram a diminuir o desmatamento na Amazônia. "Entendemos que o recurso do Fundo Amazônia certamente ajudou em algum grau a controlar, reduzir ou segurar o desmatamento, mas o que gostaríamos de ter são instrumentos para mensurar o quanto de recursos foram dispendidos mediante o resultado alcançado".

 

Segundo o site do governo federal, o Fundo Amazônia capta doações de instituições nacionais e internacionais para o financiamento não reembolsável de ações de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento na Amazônia Legal, e ainda o fortalecimento do uso sustentável dos recursos florestais no Brasil e em outros países tropicais.

Atualmente, a Petrobras e os governos da Noruega e da Alemanha são os principais doadores para o Fundo Amazônia. Em dezembro de 2017, por exemplo, os dois países europeus doaram R$ 271,2 milhões. No total, o apoio do fundo já chega a cerca de R$ 4,6 bilhões (US$ 1,2 bilhão).

 

Roberto Carlos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Acumulada, Mega-Sena pode pagar nesta noite R$ 22 milhões
Brasil
Após dizer que passar fome no Brasil é "uma grande mentira", Bolsonaro volta atrás
Brasil
Bolsonaro fala sobre perseguição terrorista
Brasil
Revalida terá duas edições por ano
Brasil
Bolsonaro anuncia inclusão de autistas no Censo 2020
Brasil
Mega acumula e pode pagar R$ 22 mi no sábado
Brasil
Abono do PIS/Pasep começa a ser pago na próxima quinta-feira
Brasil
Lista de espera do ProUni já está disponível para consultas
Brasil
Procurador apoia delegado na Funai e dispara “existem muitas mentiras”
Brasil
Bolsonaro participa da cúpula do Mercosul, na Argentina

Mais Lidas

Polícia
Jovem é abordado por dupla e baleado na cabeça
Política
Delegado da PF assume presidência da Funai, com apoio de ruralistas
Polícia
Mulher tenta transportar droga em carro de aplicativo
Polícia
Brasileiro que matou ex-mulher pega prisão perpétua no Reino Unido