Menu
Busca terça, 02 de junho de 2020
(67) 99647-9098
Brasil

Ministro fala sobre indícios de irregularidades no Fundo Amazônia

Os projetos serão analisados pelo BNDES e medidas serão tomadas

17 maio 2019 - 15h33Joilson Francelino, com informações da Agência Brasil

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse nesta sexta-feira (17), em entrevista coletiva, em São Paulo, que parte dos projetos do Fundo Amazônia apresentaram irregularidades após análise preliminar. "Em 1/4 dos 103 projetos há exemplos que merecem análise mais aprofundada dos órgãos de controle", afirmou.

Segundo o ministro, os projetos seguem agora para análise do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), órgão gestor e executor dos contratos, para que sejam tomadas as providências. Ele disse que os principais problemas são inconsistências nas prestações de contas, altas despesas administrativas e gastos excessivos com folha de pagamento. A análise feita pelo MMA, segundo Salles, também será repassada à Controladoria Geral da União (CGU) e ao Tribunal de Contas da União (TCU).

"Há uma desconexão na escolha desses diferentes projetos, há montantes muito altos com gastos administrativos e destinações muito pequenas para atividades-fim", afirmou Salles. De acordo com ele, foram analisados contratos de ONGs e órgãos públicos ambientais.

O ministro disse que a maior parte dos projetos analisados foi contratada sem licitação. "Há um percentual grande, de 82%, de contratações de balcão, que são aquelas não licitadas". "Essas questões remontam à necessidade de melhorar a governança pela qual são feitas as contratações e as escolhas do projeto do Fundo Amazônia", acrescentou.

Salles recomendou que novos convênios e projetos não sejam feitos por enquanto. "Até resolvermos o que fazer com a situação encontrada até agora, não recomendamos que se façam novas contratações." De acordo com ele, embora seja uma recomendação do MMA, a decisão ficará a cargo do BNDES. No âmbito do ministério, a pasta define critérios e diretrizes para escolha dos projetos e o BNDES é o gestor dos recursos.

Mesmo com irregularidades, o ministro reconheceu que as ações ajudaram a diminuir o desmatamento na Amazônia. "Entendemos que o recurso do Fundo Amazônia certamente ajudou em algum grau a controlar, reduzir ou segurar o desmatamento, mas o que gostaríamos de ter são instrumentos para mensurar o quanto de recursos foram dispendidos mediante o resultado alcançado".

 

Segundo o site do governo federal, o Fundo Amazônia capta doações de instituições nacionais e internacionais para o financiamento não reembolsável de ações de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento na Amazônia Legal, e ainda o fortalecimento do uso sustentável dos recursos florestais no Brasil e em outros países tropicais.

Atualmente, a Petrobras e os governos da Noruega e da Alemanha são os principais doadores para o Fundo Amazônia. Em dezembro de 2017, por exemplo, os dois países europeus doaram R$ 271,2 milhões. No total, o apoio do fundo já chega a cerca de R$ 4,6 bilhões (US$ 1,2 bilhão).

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Mandetta quer mudar ou sair de "quarentena"
Brasil
Bolsonaro vai novamente a ato em seu favor e contra instituições
Brasil
Mega-Sena acumula e próximo sorteio deve pagar R$ 45 milhões
Brasil
Aprovação do Congresso é de 18% e a do Supremo, de 30%, diz Datafolha
Brasil
Último sorteio de maio da Mega Sena pagará R$ 38 milhões
Brasil
Weintraub fica calado em depoimento a PF
Brasil
Gilberto Dimenstein, jornalista e escritor, morre em SP aos 63 anos
Brasil
Witzel exonera chefe da Casa Civil e secretário de Fazenda
Brasil
Yudi perde avó para o coronavírus e lamenta nas redes sociais
Brasil
Aeronáutica confirma 195 casos de coronavírus em escola da FAB

Mais Lidas

Polícia
Família busca por homem que desapareceu no Rita Vieira
Brasil
Mandetta quer mudar ou sair de "quarentena"
Cidade
Grupo antifascista organiza protesto em Campo Grande
Geral
Mapa do Feminicídio é lançado nesta segunda e mostra dados alarmantes