Menu
Busca domingo, 26 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Ministro fala sobre indícios de irregularidades no Fundo Amazônia

Os projetos serão analisados pelo BNDES e medidas serão tomadas

17 maio 2019 - 15h33Joilson Francelino, com informações da Agência Brasil

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse nesta sexta-feira (17), em entrevista coletiva, em São Paulo, que parte dos projetos do Fundo Amazônia apresentaram irregularidades após análise preliminar. "Em 1/4 dos 103 projetos há exemplos que merecem análise mais aprofundada dos órgãos de controle", afirmou.

Segundo o ministro, os projetos seguem agora para análise do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), órgão gestor e executor dos contratos, para que sejam tomadas as providências. Ele disse que os principais problemas são inconsistências nas prestações de contas, altas despesas administrativas e gastos excessivos com folha de pagamento. A análise feita pelo MMA, segundo Salles, também será repassada à Controladoria Geral da União (CGU) e ao Tribunal de Contas da União (TCU).

"Há uma desconexão na escolha desses diferentes projetos, há montantes muito altos com gastos administrativos e destinações muito pequenas para atividades-fim", afirmou Salles. De acordo com ele, foram analisados contratos de ONGs e órgãos públicos ambientais.

O ministro disse que a maior parte dos projetos analisados foi contratada sem licitação. "Há um percentual grande, de 82%, de contratações de balcão, que são aquelas não licitadas". "Essas questões remontam à necessidade de melhorar a governança pela qual são feitas as contratações e as escolhas do projeto do Fundo Amazônia", acrescentou.

Salles recomendou que novos convênios e projetos não sejam feitos por enquanto. "Até resolvermos o que fazer com a situação encontrada até agora, não recomendamos que se façam novas contratações." De acordo com ele, embora seja uma recomendação do MMA, a decisão ficará a cargo do BNDES. No âmbito do ministério, a pasta define critérios e diretrizes para escolha dos projetos e o BNDES é o gestor dos recursos.

Mesmo com irregularidades, o ministro reconheceu que as ações ajudaram a diminuir o desmatamento na Amazônia. "Entendemos que o recurso do Fundo Amazônia certamente ajudou em algum grau a controlar, reduzir ou segurar o desmatamento, mas o que gostaríamos de ter são instrumentos para mensurar o quanto de recursos foram dispendidos mediante o resultado alcançado".

 

Segundo o site do governo federal, o Fundo Amazônia capta doações de instituições nacionais e internacionais para o financiamento não reembolsável de ações de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento na Amazônia Legal, e ainda o fortalecimento do uso sustentável dos recursos florestais no Brasil e em outros países tropicais.

Atualmente, a Petrobras e os governos da Noruega e da Alemanha são os principais doadores para o Fundo Amazônia. Em dezembro de 2017, por exemplo, os dois países europeus doaram R$ 271,2 milhões. No total, o apoio do fundo já chega a cerca de R$ 4,6 bilhões (US$ 1,2 bilhão).

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Defesa Civil monitora movimento de talude em mina de Barão de Cocais
Brasil
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 48 milhões
Brasil
Bolsonaro entrega apartamentos do Minha Casa, Minha Vida
Cidade
Toffoli diz que fake news já faz parte do processo eleitoral no país
Brasil
Mega sorteia R$ 3 milhões neste sábado
Brasil
Em simulação, Palácio do Planalto é esvaziado em 4 minutos
Brasil
Barragem em risco causa aflição a moradores de Barão de Cocais
Brasil
“Reforma da Previdência deve ser aprovada em até 90 dias”, diz Guedes
Brasil
STF decide continuar julgamento sobre criminalização da homofobia
Brasil
Moro lamenta retorno do Coaf para Economia

Mais Lidas

Fim de Semana
Gasolina será vendida a R$ 2,50 em dois postos da capital neste sábado
Geral
Vídeo - Motorista chega empurrando o carro para abastecer a R$ 2,50
Polícia
Jovem é morto a machadadas por ex-cunhado na capital
Polícia
Motociclista tenta ultrapassagem e colide com ônibus na capital