Menu
Busca quinta, 20 de fevereiro de 2020
(67) 99647-9098
tj ms topo
Cidade

Situação de queimadas na Reserva Kadiwéu é crítica, diz Prevfogo

O último relatório disponibilizado pelo Inpe mostra 20 pontos de queimadas na região

12 setembro 2019 - 08h20Priscilla Porangaba, com informações do Porto Murtinho Notícias

Segundo relatório do Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), foram registrados em oito dias do mês de setembro 477 focos de queimadas no Mato Grosso do Sul.

De acordo com o coordenador do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo) em Mato Grosso do Sul, Márcio Yule, a situação mais crítica é na reserva Kadiwéu, entre Porto Murtinho e Bodoquena, no Pantanal.

O último relatório disponibilizado pelo Inpe mostra 20 pontos de queimadas na região. A área tem 30 brigadistas treinados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, mas, mesmo assim, há uma preocupação com o avanço dos incêndios.

O Inpe também registrou quatro focos de queimadas na terra indígena Taunay/Ipegue, em Aquidauana, uma queimada na reserva Buriti, entre Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti, e outra na terra indígena Cachoeirinha, em Miranda.

Segundo Yule, há ocorrências de queimadas em Corumbá, com incêndios concentrados da BR-262 até a fronteira com a Bolívia, outro próximo ao Rio Paraguai, em Porto Morrinho, na Estrada Parque, na região do Porto da Manga e Nabiléque. “Preocupa bastante, porque a umidade está muito baixa, temperaturas altas e não há previsão de chuva, isso tudo favorece o fogo sem controle. Há uma suspensão da emissão de autorização de fogo controlado dentro do Pantanal até o fim de outubro, e fora do Pantanal está proibido até o fim deste mês. A gente tem atuado no combate diuturnamente; mês passado, foram mais de 130 combates, então, é uma situação bastante crítica, mas as brigadas têm feito o seu papel”, explicou.

Ainda segundo o coordenador, o estado conta com cerca de 100 brigadistas, distribuídos em cinco equipes, presentes nas reservas indígenas Kadiwéu, Limão Verde e em Corumbá. “Os meses mais críticos em MS são agosto e setembro, e de um tempo para cá, o mês de setembro tem sido mais crítico que o de agosto, inclusive. Por isso que preocupa. Mês passado, a gente já teve muitos focos e agora estamos no mesmo caminho”, disse.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cidade
Aeroporto da capital recebe escultura de onça
Cidade
Com efetivo recorde, carnaval 2020 promete ser o mais seguro da capital
Cidade
Projeto pretende reduzir consumo de energia na Feira Central
Cidade
Barbearia 'A Banca' viraliza na internet com comercial
Cidade
Prefeitura estabelece decreto sobre a conduta de agentes públicos nas eleições
Cidade
Agetran alerta interdição na praça do Papa
Cidade
Procon-CG alerta sobre novo golpe
Cidade
Na capital, Dias Toffoli elogia programa de ressocialização de detentos do MS
Cidade
Marquinhos lança nova etapa da campanha "Operação Mosquito Zero"
Cidade
Campo Grande receberá congresso nacional de arborização

Mais Lidas

Polícia
Salomão, do Procon-MS, recebe ameaça que pode ter vindo da fronteira
Geral
Mulher ameaça se jogar de torre no Guaicurus
Geral
Médica reforça apelo por cuidados preventivos durante carnaval
Polícia
Suzane von Richthofen perde vaga na faculdade por conta de faltas