Menu
Busca sexta, 19 de abril de 2019
(67) 99647-9098
Cultura

'Homens de Preto' supera falhas no roteiro para lançar sua 3ª parte

25 maio 2012 - 11h27Divulgação

O diretor americano Barry Sonnenfeld quebrou um braço nas filmagens de "As Loucas Aventuras de James West" (1999) e desmaiou no set de "Homens de Preto 2" (2002).

Ele teria todas as razões do mundo para não voltar a trabalhar com Will Smith, que protagonizou os dois filmes. "Mas sou um masoquista", brinca o cineasta, que não passou incólume na terceira parte da comédia, que estreia na sexta (25) em mais de 800 salas.

"Will me deu um encontrão e deslocou meu ombro", diz. "Dirigi o filme inteiro com dor. Ele é o maior cãozinho de estimação do mundo."

Mas a contusão foi uma das menores dificuldades para trazer a saga de volta aos cinemas, depois de dez anos.

Quando o roteiro estava sendo escrito, os produtores descobriram vários furos na história que vê J, o agente vivido por Smith, voltar no tempo para salvar o parceiro.

"A gente tinha até matado o vilão errado", revela Sonnenfeld. "Tivemos de reescrever os dois atos finais."

O problema é que Smith já estava comprometido com "After Earth", novo longa de M. Night Shyamalan ("O Sexto Sentido") e não poderia atrasar sua agenda.

"Will estava havia quatro anos sem filmar. Queríamos ser o novo trabalho dele. Não poderíamos perder essa oportunidade", diz o diretor.

Além disso, se as filmagens fossem adiadas, venceria o prazo dos descontos nos impostos concedidos pela Prefeitura de Nova York, no valor de milhões de dólares.

"Como a gente tinha um começo bom, decidimos começar mesmo assim e consertar ao longo do caminho."

A pressão foi tão grande que, no primeiro dia de trabalho, o cineasta caiu no choro. "Quero explicar que foram lágrimas de alegria", dribla.

"Homens de Preto 3" acaba sendo um Frankenstein sobre viagens no tempo. Há uma subtrama sobre o pai de J em 1969, ano para o qual viaja para impedir que um alien mate K (Tommy Lee Jones).

"Com o tempo, estou ficando sensível. Acho que é meu lado feminino. Quero que meus projetos tenham esse lado emocional", fala Smith.

Na viagem ao passado, há bons momentos: o encontro de Will Smith com Andy Warhol (Bill Hader) e a versão jovem de Tommy Lee Jones, recriada por Josh Brolin.

"Interpretar Tommy foi muito mais difícil do que interpretar George W. Bush", confessa Brolin, que nem conseguiu ensaiar com Jones, um dos atores mais mal-humorados de Hollywood. "Carrego uma foto dele sorrindo comigo", diz, rindo, Barry Sonnenfeld.

Via Folha

pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Balneários municipais de MS são opções para passar o feriadão
Geral
Curso grátis de fotografia é aberto no MIS
Cultura
Semana cultural tem cinema e música instrumental no Sesc
Cultura
Bosque dos Ipes abre espaço para exposição indígena
Cidade
Praça Ary Coelho vira palco de muita música e atrações neste sábado
Cultura
No Autódromo, Marquinhos ressalta turismo de eventos
Cultura
Sesc Morada dos Baís recebe "Festival de Polca e Guarânia"
Cultura
Festival do Peixe tem "Feira Cristã" em Campo Grande
Cultura
Museus brasileiros aparecem em lista dos 100 mais visitados do mundo
Cultura
Cine Sesc terá documentário sobre violência contra índios e drama francês

Mais Lidas

Polícia
Empresário e funcionário morrem eletrocutados durante trabalho
Justiça
Julgamento de juiz é adiado
Polícia
Motorista é encontrado morto com 14 facadas
Justiça
Ação penal contra Puccinelli é suspensa pelo TRF3