Menu
Busca terça, 25 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Cultura

'Homens de Preto' supera falhas no roteiro para lançar sua 3ª parte

25 maio 2012 - 11h27Divulgação

O diretor americano Barry Sonnenfeld quebrou um braço nas filmagens de "As Loucas Aventuras de James West" (1999) e desmaiou no set de "Homens de Preto 2" (2002).

Ele teria todas as razões do mundo para não voltar a trabalhar com Will Smith, que protagonizou os dois filmes. "Mas sou um masoquista", brinca o cineasta, que não passou incólume na terceira parte da comédia, que estreia na sexta (25) em mais de 800 salas.

"Will me deu um encontrão e deslocou meu ombro", diz. "Dirigi o filme inteiro com dor. Ele é o maior cãozinho de estimação do mundo."

Mas a contusão foi uma das menores dificuldades para trazer a saga de volta aos cinemas, depois de dez anos.

Quando o roteiro estava sendo escrito, os produtores descobriram vários furos na história que vê J, o agente vivido por Smith, voltar no tempo para salvar o parceiro.

"A gente tinha até matado o vilão errado", revela Sonnenfeld. "Tivemos de reescrever os dois atos finais."

O problema é que Smith já estava comprometido com "After Earth", novo longa de M. Night Shyamalan ("O Sexto Sentido") e não poderia atrasar sua agenda.

"Will estava havia quatro anos sem filmar. Queríamos ser o novo trabalho dele. Não poderíamos perder essa oportunidade", diz o diretor.

Além disso, se as filmagens fossem adiadas, venceria o prazo dos descontos nos impostos concedidos pela Prefeitura de Nova York, no valor de milhões de dólares.

"Como a gente tinha um começo bom, decidimos começar mesmo assim e consertar ao longo do caminho."

A pressão foi tão grande que, no primeiro dia de trabalho, o cineasta caiu no choro. "Quero explicar que foram lágrimas de alegria", dribla.

"Homens de Preto 3" acaba sendo um Frankenstein sobre viagens no tempo. Há uma subtrama sobre o pai de J em 1969, ano para o qual viaja para impedir que um alien mate K (Tommy Lee Jones).

"Com o tempo, estou ficando sensível. Acho que é meu lado feminino. Quero que meus projetos tenham esse lado emocional", fala Smith.

Na viagem ao passado, há bons momentos: o encontro de Will Smith com Andy Warhol (Bill Hader) e a versão jovem de Tommy Lee Jones, recriada por Josh Brolin.

"Interpretar Tommy foi muito mais difícil do que interpretar George W. Bush", confessa Brolin, que nem conseguiu ensaiar com Jones, um dos atores mais mal-humorados de Hollywood. "Carrego uma foto dele sorrindo comigo", diz, rindo, Barry Sonnenfeld.

Via Folha

Assembleia para todos - junho-19

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Unidos da Vila Carvalho lança Enredo para Carnaval 2020
Cultura
Sesc terá oficina e cineminha no sábado
Cidade
Thiago Brava e Breno Reis e Marco Viola animam Arraial deste sábado
Cultura
Aos 96 anos, morre o cineasta Franco Zeffirelli
Cultura
Trajetória de luta e superação de professora vira livro
Cultura
Lenine é atração do último dia do Festival de Inverno de Bonito
Cultura
Dado e Bonfá daqui a pouco ao vivo, no Bosque Expo
Cultura
MEC destina R$ 900 mil para a reconstrução de museu incendiado
Cidade
Top Circo estreia na Vila Nasser
Cultura
Artistas sul-mato-grossenses produzem o Calendário Permanente

Mais Lidas

Brasil
Pai encontra corpo da filha desaparecida na casa do ex-namorado
Polícia
Pai atira em filho por causa de cobrança de dívida e foge
Polícia
Jornalista Letícia Alves falece aos 23 anos
Oportunidade
Semana começa com 149 vagas de emprego