Menu
Busca terça, 26 de março de 2019
(67) 99647-9098
TJMS março-19
Esportes

Histórico: Messi faz três e se torna o maior artilheiro da história do Barça

21 março 2012 - 11h41Getty Images

Lionel Messi pode lembrar com carinho dos três dias em que foi eleito o melhor jogador do mundo. Ou de quando foi campeão do mundo, em duas oportunidades, inclusive marcando nas decisões. Mas foi o dia 20 de março de 2012, uma terça-feira, que o consagrou como o maior artilheiro da história do Barcelona. Com mais três gols, o craque argentino chegou aos 234, ultrapassou o espanhol César Rodríguez e tornou-se o soberano na nobre lista do clube catalão. Tudo isso aos 24 anos. Ah, e o time comandado por Josep Guardiola venceu o Granada, por 5 a 3, no Camp Nou, pela 29ª rodada do Campeonato Espanhol. Xavi e Tello completaram para os donos da casa, com o brasileiro Guilherme Siqueira, duas vezes, e Mainz descontando.

O camisa 10 conseguiu atingir o recorde já nesta terça porque o Barcelona descobriu uma irregularidade na contagem dos gols de César. O atacante, que atuou entre 1939 e 1955, somava 235 gols até a investigação, que contou com a colaboração do jornal "La Vanguardia" e o Centro de Documentação e Estudos do clube, diminuir a quantia em três gols na noite da última segunda.

De todos os 234 gols nos 314 jogos, 184 foram marcados com a perna esquerda, 38 com a direita, dez com a cabeça, um com o peito e um com a mão. A competição em que Messi mais marcou, obviamente, foi o Campeonato Espanhol: 153 vezes, contra 19 na Copa do Rei, 49 na Liga dos Campeões, oito na Supercopa da Espanha, um na Supercopa Europeia e quatro no Mundial de Clubes da Fifa. Os rivais prediletos são Atlético de Madri (18 gols), Sevilla (14) e Real Madrid (13).

Messi também foi capaz de estabelecer outro recorde. Agora ele soma 54 gols - e 22 assistências - em 45 jogos na temporada 2011/2012, superando a própria marca de 2010/2011 (53 gols em 55 jogos) entre todos os jogadores da história do futebol espanhol. O hat-trick ou triplete (três gols em uma só partida) desta terça também o fez ultrapassar Cristiano Ronaldo na artilharia da atual edição, com 34 gols, sendo apenas três de pênalti - o português, com 32 (dez de pênalti), ainda joga na rodada.

Desta forma, o Barcelona mantém viva as esperanças de conquistar o tetracampeonato. Os catalães chegaram aos 66 pontos, contra 71 do arquirrival Real Madrid, que entra em campo nesta quarta-feira, diante de um Villarreal em crise, no El Madrigal. Ainda restam dez partidas para o Barça, incluindo o clássico contra os merengues, no Camp Nou, em abril.

Messi faz um, mas Barça leva susto

Apesar de todas as atenções estarem voltadas para Messi, foi Xavi Hernández quem abriu o placar. Logo aos três minutos de jogo, ele aproveitou passe de cabeça do camisa 10 e estufou as redes. O primeiro do argentino também não demorou. Aos 16, Cuenca fez boa jogada e cruzou para a área. A bola desviou na zaga e sobrou para o Lionel fuzilar com a canhota. A bola ainda bateu no pé da trave direita antes de entrar.

A monotonia levou a partida para o intervalo, mas ninguém esperava que o início do segundo tempo seria tão assustador para os donos da casa. Afinal, o Barça tinha o controle do jogo, conforme o seu estilo, e dificilmente perdia a posse de bola. Só que permitiu a reação dos visitantes. Aos nove, o Granada diminuiu com Mainz, que subiu mais alto que a zaga catalã. Logo depois, aos 15, Daniel Alves cometeu pênalti infantil na lateral da grande área. O brasileiro Guilherme Siqueira não perdoou e empatou.

Recorde com golaço

Foi a motivação que talvez faltasse ao Barcelona. Tendo de correr atrás contra o tempo e para não se complicar mais uma vez na disputa pelo título, os catalães logo desempataram. Aos 22, Daniel Alves fez lançamento preciso para o argentino que, em condição duvidosa, deu um lindo toque de cobertura sobre o brasileiro Júlio César, ex-Botafogo. Gol histórico, de número 233, e com a sua marca.

A vitória ainda se transformaria em goleada no fim. Aos 36, Tello completou rebote em finalização de Messi e anotou o quarto. O quinto saiu aos 40, dessa vez com o grande nome da partida. Em nova assistência de Daniel Alves, Messi driblou Júlio César e bateu alto, no ângulo, quando estava já bem próximo da linha de fundo.

No fim, em novo lance infantil, o lateral-direito brasileiro pôs a mão na bola dentro da área e acabou expulso por levar o segundo amarelo. Pênalti que novamente Guilherme Siqueira cobrou com perfeição para descontar, aos 44. Mas não havia como tirar o brilho de um craque argentino que a cada dia reescreve a história do futebol. Sorte da nossa geração.

Via Globoesporte

Sesc Novo

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cidade
Moradores do bairro Cidade Jardim ganham academia ao ar livre
Esportes
Bungee jumping no Parque das Nações vai até às 17 horas
Esportes
Casemiro será o capitão do Brasil contra o Panamá
Esportes
Goleiro ajoelha para ser entrevistado por repórter deficiente
Esportes
Reinaldo defende esporte como ferramenta social
Esportes
Governador abre Fórum de Esporte em Campo Grande
Esportes
Definidas as datas e horários das quartas de final do Paulistão
Esportes
Taça do Mundial volta a ser penhorada após Corinthians perder recurso
Esportes
Felipe Melo pede amistoso contra russo acusado de injúria racial contra brasileiro
Esportes
Brasil quer sediar Copa do Mundo em 2023

Mais Lidas

Geral
Cantor sertanejo morre em acidente na BR-163
Polícia
Corpo sem cabeça é encontrado em estado de decomposição
Polícia
Trabalhadores encontram corpo no rio Anhanduí
Geral
Porto Murtinho se tornará o maior polo exportador de MS