Menu
Busca segunda, 17 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Conversão de multas é instrumento inovador, segundo Imasul

Os recursos arrecadados serão aplicados em projetos a serem definidos pelo órgão

10 fevereiro 2019 - 09h32Da redação com assessoria

O decreto que institui o Programa Estadual de Conversão de Multas Ambientais é um instrumento inovador que vai permitir aos órgãos ambientais do Governo do Estado mais agilidade nas ações de conscientização, conservação e proteção do meio ambiente em Mato Grosso do Sul.

O objetivo do decreto, assinado nesta sexta-feira (8) no auditório do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) pelo governador Reinaldo Azambuja e pelo secretário Jaime Verruck, da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), é o de substituir a multa pecuniária por serviços de preservação, melhoria e recuperação da qualidade do meio ambiente.

Os recursos serão aplicados em projetos a serem definidos pelo Imasul. Em contrapartida, os interessados terão desconto no valor final da multa. De acordo com o Instituto, atualmente cerca R$ 11 milhões em infrações ambientais estariam em condições de ser enquadradas nas regras da conversão de multas.

“A possibilidade de se abater de 35% a 60% o valor de uma multa ambiental é uma forma de garantirmos um recurso fundamental para uma série de ações de fiscalização e conscientização. A conversão de multa é um instrumento inovador. O decreto prevê que os valores devidos sejam pagos em 24 parcelas e é importante frisar que o valor da multa não se confunde com o aquilo que deve ser investido na reparação do dano ambiental que provocou a emissão da multa”, informou o diretor-presidente do Imasul, Ricardo Eboli. 

Para o secretário Jaime Verruck, a conversão é uma opção oferecida a quem for multado e que agiliza o recebimento de valores para a preservação ambiental, o que já acontece em âmbito federal. “O Governo Federal já assinou decreto para a conversão de multas no ano passado. A ideia é que estimule que essas multas não sejam judicializadas. Hoje, boa parte das multas acabam passando anos tramitando nas instâncias de recurso, até serem efetivadas, de alguma forma, ou canceladas. A ideia da conversão é dar empresário uma opção ao infrator, sem esquecer que, de toda forma, o dano ambiental causado tem de ser reparado”, afirmou.

O decreto será publicado no Diário Oficial do Estado, na próxima semana.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Brasil será representado por jovemde 15 anos em fórum na Bélgica
Samila coordenou projeto-piloto sobre discriminação contra crianças e adolescentes
Geral
Após bater em rotatória, universitário capota veículo em Ponta Porã
Geral
Amigos se reúnem para cozinhar e promover o bem em projeto social
Geral
Estado libera R$ 871 mil para recuperação de avenida de Dourados
Geral
Festival de gastronomia alia conhecimento e cultura sul-mato-grossense
Geral
Aral Moreira: revisão eleitoral e cadastramento biométrico seguem até o dia 24
Geral
MS é líder em número de projetos cadastrados para leilão de energia
Geral
Palestra gratuita com Gil Giardelli aborda Inovação e Tecnologia para MPE’s
Geral
Concurso para procurador municipal: confirme seu local de prova
Geral
Longen recebe desembargadores do TRT

Mais Lidas

Opinião
De dois erros não se faz um acerto
Polícia
Jovem é morta a tiros em Ponta Porã e corpo é encontrado em estrada
Geral
Após bater em rotatória, universitário capota veículo em Ponta Porã
Economia
Após Bolsonaro falar em demissão do presidente do BNDES, diretor renuncia