Menu
Busca sábado, 23 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
Gov 44 anos
Geral

Morre aos 92 anos Sun Myung Moon, o reverendo Moon

03 setembro 2012 - 09h57Jo Yong-Hak / Reuters

Morreu neste domingo (02) aos 92 anos o líder religioso Sun Myung Moon, conhecido como reverendo Moon. Nascido na Coreia do Norte, ele era fundador da Igreja da Unificação. Ele estava internado num hospital próximo à sua residência, em Seul.

De acordo com a agência de notícias AP, Sun Myung Moon estava hospitalizado em decorrência de uma pneumonia. Ele deixa viúva sua segunda esposa e, ao todo, dez filhos.

O reverendo era fundador e presidente da Federação das Famílias para a Unificação e Paz Mundial, conhecida no Brasil como a Associação das Famílias. Em 2000, ele comprou o clube de futebol Atlético Sorocaba.

A Igreja da Unificação foi fundada por Sun Myung Moon em 1954 na Coreia do Sul. Segundo a agência AFP, o movimento, famoso pelas cerimônias de casamento que reúnem milhares de casais, afirma estar presente em quase 200 países e reivindica três milhões de adeptos.

Terras no Brasil
No Brasil, Moon era dono de terras em algumas cidades do Mato Grosso do Sul, parte concentrada em Jardim, a 239 km de Campo Grande. O patrono da Igreja da Unificação chegou a ser investigado em uma CPI na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul em 2002. Na época, a igreja já havia comprado cerca de 80 mil hectares para suas instalações.

Foram oito audiências, em que prestaram depoimento membros da comunidade e funcionários e pessoas que haviam vendido as terras. Informações da Polícia Federal encaminhadas à Assembleia durante as investigações indicavam que o patrimônio da associação alcançava os R$ 300 milhões, ainda que um dos reverendos ouvidos pelos parlamentares tenha dito que os bens somavam aproximadamente R$ 60 milhões.

Atendendo a um pedido da CPI, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) fez uma vistoria nas fazendas da associação. A comissão foi encerrada em dezembro de 2002.

'Império de negócios'
A agência reproduz ainda uma informação do site de Moon, que dizia ter sido torturado e mandado para um campo de trabalhos forçados quando pregava na Coreia após a Segunda Guerra Mundial. Ele teria sido libertado quando os guardas fugiram com o avanço das forças americanas durante a Guerra da Coreia. Após vagar pela cidade de Busan, no sul, como um refugiado de guerra, teria construído a sua primeira igreja nessa região a partir de caixas de rações militares.

Já o obituário da AP lembra que a Igreja da Unificação envolveu-se em controvérsia em razão de suas estratégias para atrair fiéis. O texto diz que pais dos seguidores da seita nos Estados Unidos e em outros país mostravam preocupação de que seus filhos estivessem sofrendo "lavagem cerebral". A igreja teria respondido que diversas outras religiões haviam enfrentado acusações semelhantes nos períodos imediatamente posteriores às suas respectivas fundações.

Recentemente, contudo, a Igreja da Unificação "concentrou-se em erguer um império no ramo dos negócios", prossegue o obituário. O conglomerado inclui o jornal "Washington Times", o New Yorker Hotel, em Manhattan, a Universidade Bridgeport em Connecticut e ainda um hotel e uma pequena montadora na Coreia do Norte.

Além disso, foram adquiridos uma estação de esqui, um time de futebol e outros negócios na Coréia do Sul, bem como uma empresa de distribuição de frutos do mar que vende sushi para restaurantes japoneses nos Estados Unidos.

'Visão'
O site oficial da Associação das Famílias para Unificação e Paz Mundial traz um texto que conta a origem do fundador da Igreja da Unificação. "Com a idade de 16 anos teve uma visão na qual Jesus lhe apareceu, enquanto orava na montanha, numa manhã do domingo de Páscoa", descreve.

"Jesus explicou-lhe que, originalmente Deus O tinha enviado para salvar todos os homens, mas que a sua missão na Terra tinha ficado incompleta devido aos seus contemporâneos não O terem recebido. De agora em diante era a ele, Sun Myung Moon, que incumbia para completar a sua missão inacabada."

De acordo com a AP, Moon explicou, em biografia publicada em 2009, por que a ideia de casamentos coletivos era fundamental à propagação de seus propósitos. "Casamentos entre pessoas de diferentes países e culturas são a maneira mais rápida de se conseguir um mundo ideal de paz", teria dito. "As pessoas devem se casar (...) com aqueles que consideram seus inimigos."

Ao longo da vida, o reverendo Moon cultivou boas relações com os ex-presidentes americanos Richard Nixon, Ronald Reagan e George W. Bush, informa a agência. A despeito disso, ele passou 13 meses numa prisão nos Estados Unidos, entre 1984 e 1985, por evasão fiscal.

Via G1

Unica - primavera

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Vídeo - Energisa terá até helicóptero para possível vendaval
Geral
Vídeo - "Seremos eficientes", garante Marquinhos sobre vendaval
Geral
Ministro do TSE fala sobre confiabilidade de urnas eletrônicas ao JD1 Notícias
Geral
Pfizer tem alta eficácia contra Covid em crianças, diz estudo
Geral
Depois da capital, Estado também decreta ponto facultativo dia 1° de novembro
Geral
Ao vivo: Corpo de Bombeiros fala sobre plano de prevenção para tempestade prevista no fim de semana
Geral
Você tem alguma história de terror real legal para contar? Mande para o JD1 Notícias
Geral
Trecho da Rui Barbosa será interditado durante uma semana
Geral
Shoppings da Capital se unem à CDL para ajudar famílias afetadas pelo temporal
Geral
Para custear exame de filho com DMD, mãe faz barras de chocolate para vender

Mais Lidas

Clima
Áudio: Atenção - tabela do Inmet é real, não é fake
Clima
Vídeo: Força-tarefa está pronta para novo vendaval
Internacional
Alec Baldwin dispara com arma cenográfica e mata diretora de fotografia
Clima
Previsão de chuva com ventos assusta