Menu
Busca quarta, 19 de fevereiro de 2020
(67) 99647-9098
tj ms topo
Geral

Motoristas de aplicativo prometem manifesto na Câmara

Eles querem a regulamentação municipal da categoria e pedem mais segurança devido o aumento de assaltos

11 fevereiro 2019 - 11h15Rayani Santa Cruz

Associação de Parceiros de Aplicativos de Transporte de Passageiros e Motoristas Autônomos de MS (Applic-MS), organiza manifestação com motoristas de aplicativos, na próxima sessão da Câmara de Vereadores, que ocorre na terça-feira (12). O objetivo é chamar a atenção da Casa para que haja celeridade na regulamentação municipal da categoria, barrada pelo Tribunal de Justiça (TJMS) e solicitar atenção maior às autoridades de Segurança Pública, devido o alto número de assaltos envolvendo motoristas.

De acordo com Paulo Pinheiro, presidente da Applic-MS, os motoristas querem a regulamentação municipal, são a favor das regras como efetuar cursos de direção e precisam da lei em vigor na cidade o mais rápido possível. “Nós queremos a assinatura imediata do juiz David de Oliveira Gomes Filho, precisamos e posteriormente vamos buscar uma Audiência Pública para tratar da segurança dos motoristas e passageiros. Necessitamos ter direitos adquiridos, estamos a mercê, virou um caos, e a situação é insuportável”, disse.

Pinheiro adiantou que 234 motoristas são associados a Applic-MS, mas, aproximadamente oito mil pessoas estão cadastradas em aplicativos de transporte como Uber, 99, Urban, VaptVupt , 7AXI, Motora, Rode Ganhe e Chofer, utilizados na capital.

Ele conta que os motoristas estão com medo do crescimento da violência, com a média de dois assaltos por dia. Para ele, os motoristas que não querem a regulamentação são aqueles que utilizam do carro apenas para fazer “bico” e tirar dinheiro extra. Já, os trabalhadores que dependem somente desse meio, estão “penando” pela falta de amparo.

“Nós iremos à Câmara e o objetivo principal é a assinatura desse documento, que é importante para o motorista e para o passageiro”, concluiu.

Em meio a tantas polêmicas, motoristas discordando, decretos suspensos pelo TJ e críticas das próprias empresas donas dos aplicativos é difícil saber o resultado desse impasse.

Entenda

A Justiça suspendeu uma lei municipal que visava regulamentar o funcionamento de aplicativos de mobilidade urbana em Campo Grande, em 2017, e também o decreto municipal 13.562 de 2018. 

Em 2018, a lei federal 13.157, reconheceu a atividade como “transporte remunerado privado de passageiros” e entrou em vigor, restando aos municípios regulamentarem a atividade.

O Poder Executivo elaborou um novo decreto (13.562), mas segundo o juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, havia semelhanças com o documento do ano anterior, que havia sido suspenso. Com isso, ele estendeu a liminar de 2017 ao decreto, e isso culminou em suspensão.

Na época a prefeitura municipal alegou que os dois decretos eram diferentes e que o elaborado em 2018 estava de acordo com a lei federal e que iria recorrer da decisão do TJMS. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
ACPD receberá metade do salário de Reinaldo
Geral
Vídeo - Policial tenta prender prefeita por passear no shopping
Geral
Três morrem em grave acidente entre Nova Andradina e Ivinhema
Geral
Operação que apura corrupção em licitações de Rondônia chega a Campo Grande
Geral
Metade da população de Amambay planta e vende maconha, diz jornalista
Geral
Quarta-feira começa sem atrasos e cancelamentos no aeroporto
Geral
População carcerária de MS trabalha mais que a média nacional
Geral
Depois de lutar pela vida, Emilly morre e família fala em descaso no HR
Geral
Rodovia poderá ganhar nome de Struck, PRF morto após acidente
Geral
Vídeo: Mãe desmaia ao descobrir o assassinato da filha ao vivo no Cidade Alerta

Mais Lidas

Cidade
Com efetivo recorde, carnaval 2020 promete ser o mais seguro da capital
Polícia
Paciente surta, arranca soro do braço e agride técnico de enfermagem
Esportes
Jornalista esportivo e apresentador Luis Alberto Volpe morre aos 67 anos
Polícia
Traficantes de mulheres usam redes sociais para aliciar jovens, diz polícia