Menu
Busca terça, 10 de dezembro de 2019
(67) 99647-9098
TJMS Dezembro-19
Internacional

Evo Morales pretende voltar a Bolívia se a população pedir

De acordo com o ex-presidente "Quanto antes voltar, melhor"

14 novembro 2019 - 07h12Sarah Chaves, com informações do G1

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, disse durante discurso na quarta-feira (13),  após ser homenageado na Cidade do México, que voltaria para "pacificar" seu país se os bolivianos pedissem.

Morales deu na quarta sua primeira coletiva de imprensa do exílio, ele reiterou que sua demissão visou a conter a onda de violência que atingiu o seu país desde a denúncia de fraude na eleição presidencial.

"Se meu povo pedir, estamos dispostos a voltar para apaziguar, mas é importante o diálogo nacional", disse Morales, acrescentando: "vamos voltar cedo ou tarde. Quanto antes melhor para pacificar a Bolívia".

Evo declaro seu chamado a um diálogo nacional no qual poderiam participar "países amigos" em uma espécie de mediação entre as forças políticas.

Protestos

Até quarta-feira, a Bolívia registrava 10 mortos nos protestos após as eleições em que Morales foi eleito para um quarto mandato, que foi tachado de fraudulento pela oposição e que uma missão da Organização dos Estados Americanos (OEA) qualificou como repleto de "irregularidades".

Morales também condenou no Twitter a "decisão de Donald Trump de reconhecer o governo de fato e autoproclamado pela direita" liderado pela presidente interina, Jeanine Áñez. Ele se antecipou a um comunicado do Departamento de Estado americano que reconheceu Áñez como presidente interina e afirma que Washington espera trabalhar com a Bolívia e sua população.

"O golpe de Estado que provoca mortes dos irmãos bolivianos é uma conspiração política e econômica que vem dos EUA", afirmou Morales.

Para Morales, a proclamação de Añez como presidente interina é a confirmação do "golpe" contra ele e que foi um ato fora da legalidade, pois não foi celebrada a sessão em que o Legislativo aceita sua renúncia, como prevê a Constituição.

À tarde, Morales foi recebido em uma cerimônia pela prefeita da Cidade do México, Claudia Sheinbaum, que lhe entregou uma medalha e um pergaminho para declará-lo um "hóspede distinto" da capital. Ao chegar, dezenas de pessoas o receberam do lado de fora da prefeitura gritando "Aimará, irmão, o povo te dá a mão!" e "você não está sozinho".

PMCG - Cidade do Natal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Internacional
Greve deixa Paris congestionada e sem transporte público
Internacional
EUA e Talibã do Afeganistão retomam negociação de paz
Internacional
Ex-integrante do É O Tchan aparece trabalhando no Canadá
Internacional
Base Aérea Naval é fechada devido a ataque de atirador
Internacional
Hospital manda recém-nascidos para casa em meias de Natal
Internacional
Bolsonaro recebe cúpula do Mercosul
Internacional
Barco vira e mata pelo menos 57 migrantes
Internacional
Mãe é presa por matar filhos de 4 e 8 anos com coleira de cachorro
Internacional
Mãe é presa acusada de matar os dois filhos enforcados
Internacional
Autoridades dizem que piloto evitou desastre aéreo no Paraguai

Mais Lidas

Geral
Silvio Haddad lança livro sobre vinhos nesta terça
Brasil
''Forças Armadas garantem a democracia'', diz Bolsonaro
Política
Dagoberto chama manifestante de "maluco" e diz que projeto ainda não foi votado
Polícia
Fazendeiro é avisado por telefonema que sua vaca foi abatida e roubada