Menu
Busca quinta, 20 de fevereiro de 2020
(67) 99647-9098
tj ms topo
Justiça

Em nota, MPF justifica mudança para Dourados, mas não responde sobre diárias

Segundo o Ministério Público, a transferência ocorre por problemas na infraestrutura do prédio da procuradoria de Ponta Porã

21 janeiro 2020 - 16h25Mauro Silva

Por meio de nota, o Ministério Público Federal de Mato Grosso do Sul (MPF-MS) justificou, nesta terça-feira (21),  a mudança dos procuradores de Ponta Porã para Dourados. De acordo com o órgão, a transferência de local aconteceu devido à precariedade em que se encontra o prédio da Procuradoria da República no município (PRM). Em relação aos valores  das diárias que serão pagas aos procuradores, questionada pelo JD1 Notícias, o órgão não deu nenhuma justificativa.

Nota

No dia 5 de novembro de 2019, o Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF) aprovou a redistribuição temporária da Procuradoria da República no município (PRM) de Ponta Porã para o município de Dourados. Em 10 de dezembro, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) manteve a decisão e, em 7 de janeiro de 2020, a realocação foi efetivada.

Na prática, isso significa que a estrutura física que funcionava em Ponta Porã passou a funcionar no prédio que abriga a PRM de Dourados. Tanto a atuação quanto o quadro funcional de ambas as PRMs foram mantidos: três ofícios continuam atendendo a Dourados e aos demais 17 municípios que pertencem à 2ª subseção judiciária de Mato Grosso do Sul; e outros três ofícios continuam atendendo a Ponta Porã e aos demais 10 municípios que integram a 5ª subseção judiciária de MS. Cada ofício é conduzido por um(a) procurador(a) da República.

A realocação temporária se deu em função da inadequação do imóvel no qual a PRM de Ponta Porã estava instalada, que apresentava uma série de problemas estruturais graves. Nos dois últimos anos, a chefia administrativa do MPF em Mato Grosso do Sul envidou esforços para que fosse autorizada pela Secretaria-Geral do órgão a mudança da sede da PRM de Ponta Porã para um imóvel mais adequado. No entanto, não foi possível viabilizar a mudança para um prédio no próprio município por razões financeiras/orçamentárias, levando a instituição a considerar o prédio que já abrigava a PRM de Dourados, que dispõe de espaço e condições técnicas satisfatórios.

No que tange às funções institucionais do MPF, a realocação da unidade em Dourados não resultará em prejuízos à atuação perante a Justiça Federal em Ponta Porã, tampouco para a população do município, haja vista a utilização de recursos tecnológicos como peticionamento e protocolo eletrônico, virtualização de processos, assinatura digital e realização de audiências por videoconferência, além da realização de deslocamentos eventuais dos membros do MPF àquele município, sempre que forem necessários.

 

 

Jacarezão

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
TJ-MS condena rapaz a 27 anos por morte e estupro em Unei
Justiça
Assassino de florista saiu da Santa Casa direto para a cadeia
Justiça
TJ-MS inocenta juiz Paulo Afonso
Justiça
Coffee Break coletará depoimentos de André, Olarte e vereadores
Justiça
Autor de atentado contra Bolsonaro poderá deixar presídio da capital
Justiça
TJ nega indenização a operadora de aeroporto
Justiça
Vítima de atentado hoje, Trutis tem trajetória de encrencas
Justiça
Testemunhas de ação trabalhista são presas após mentir em juízo
Justiça
Justiça nega indenização de mais de R$ 500 mil por suicídio de detento
Justiça
Em disputa por equiparação, CNJ dá vitória ao TJ

Mais Lidas

Cidade
Bairros da capital ficam sem energia devido às chuvas desta quinta; confira
Cidade
Vídeo - Chuva alaga diversos pontos na capital
Geral
Procon-CG descarta 101 kg de produtos em supermercado Novo Box
Brasil
Silvia Abravanel pede demissão ao pai depois de se envolver em polêmica