Menu
Busca sexta, 25 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS setembro20
Justiça

Em nota, MPF justifica mudança para Dourados, mas não responde sobre diárias

Segundo o Ministério Público, a transferência ocorre por problemas na infraestrutura do prédio da procuradoria de Ponta Porã

21 janeiro 2020 - 16h25Mauro Silva

Por meio de nota, o Ministério Público Federal de Mato Grosso do Sul (MPF-MS) justificou, nesta terça-feira (21),  a mudança dos procuradores de Ponta Porã para Dourados. De acordo com o órgão, a transferência de local aconteceu devido à precariedade em que se encontra o prédio da Procuradoria da República no município (PRM). Em relação aos valores  das diárias que serão pagas aos procuradores, questionada pelo JD1 Notícias, o órgão não deu nenhuma justificativa.

Nota

No dia 5 de novembro de 2019, o Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF) aprovou a redistribuição temporária da Procuradoria da República no município (PRM) de Ponta Porã para o município de Dourados. Em 10 de dezembro, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) manteve a decisão e, em 7 de janeiro de 2020, a realocação foi efetivada.

Na prática, isso significa que a estrutura física que funcionava em Ponta Porã passou a funcionar no prédio que abriga a PRM de Dourados. Tanto a atuação quanto o quadro funcional de ambas as PRMs foram mantidos: três ofícios continuam atendendo a Dourados e aos demais 17 municípios que pertencem à 2ª subseção judiciária de Mato Grosso do Sul; e outros três ofícios continuam atendendo a Ponta Porã e aos demais 10 municípios que integram a 5ª subseção judiciária de MS. Cada ofício é conduzido por um(a) procurador(a) da República.

A realocação temporária se deu em função da inadequação do imóvel no qual a PRM de Ponta Porã estava instalada, que apresentava uma série de problemas estruturais graves. Nos dois últimos anos, a chefia administrativa do MPF em Mato Grosso do Sul envidou esforços para que fosse autorizada pela Secretaria-Geral do órgão a mudança da sede da PRM de Ponta Porã para um imóvel mais adequado. No entanto, não foi possível viabilizar a mudança para um prédio no próprio município por razões financeiras/orçamentárias, levando a instituição a considerar o prédio que já abrigava a PRM de Dourados, que dispõe de espaço e condições técnicas satisfatórios.

No que tange às funções institucionais do MPF, a realocação da unidade em Dourados não resultará em prejuízos à atuação perante a Justiça Federal em Ponta Porã, tampouco para a população do município, haja vista a utilização de recursos tecnológicos como peticionamento e protocolo eletrônico, virtualização de processos, assinatura digital e realização de audiências por videoconferência, além da realização de deslocamentos eventuais dos membros do MPF àquele município, sempre que forem necessários.

 

 

Rota do Pantanal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
McDonalds indeniza cliente em R$ 10 mil por produto vencido
Justiça
"Houve uma conspiração", alega advogado de Flordelis
Justiça
Candidatos à eleição podem tirar certidões on-line pelo TJMS
Justiça
Espaço de eventos indenizará em R$ 20 mil casal por falta de água durante casamento
Justiça
Anhanguera deverá indenizar ex-aluna por cobrança indevida
Justiça
Ministério Público move ação contra contrato do Consórcio Guaicurus
Justiça
Mutirão DPVAT: 1.787 processos podem ser finalizados em 2020
Justiça
Judiciário retoma gradativamente as atividades presenciais nesta terça
Justiça
Juiz ouve testemunhas de acusação do assassinato de Carla nesta terça
Justiça
Justiça proíbe Globo de divulgar detalhes da investigação de Flávio Bolsonaro

Mais Lidas

Internacional
Projeto piloto usa cães para detectar coronavírus em aeroporto
Polícia
Homem é encontrado morto dentro de casa com tiro no pescoço no Itamaracá
Polícia
Preso suspeito de estuprar e matar mulher perto do Aeroporto Internacioal
Polícia
Rapaz é morto após troca de tiros com o atual marido da ex-mulher