Menu
Busca sexta, 29 de maio de 2020
(67) 99647-9098
Justiça

Juiz absolve garçom que esfaqueou Bolsonaro e manda interná-lo

Transtornos mentais apresentados por Adélio Bispo influenciaram a decisão

14 junho 2019 - 17h36Rauster Campitelli, com informações da Veja

O juiz federal Bruno Savino, da 3ª Vara da Justiça Federal de Juiz de Fora, absolveu nesta sexta-feira (14) o garçom Adélio Bispo de Oliveira, considerado inimputável no processo em que é acusado de esfaquear o então candidato a presidência Jair Bolsonaro, em julho de 2018. Ao absolver Adélio “impropriamente”, isto é, considerando que há elementos para a condenação, mas que a inimputabilidade por transtornos mentais demanda medidas alternativas, o magistrado determinou a internação do réu por tempo indeterminado, “enquanto não for verificada a cessão da periculosidade”.

“Em razão das circunstâncias do atentado e da altíssima periculosidade do réu”, Savino impôs como tempo mínimo à internação três anos. Depois desse período, uma perícia médica deve aferir se houve “cessação da periculosidade” do esfaqueador. Conforme a decisão do juiz federal, Adélio Bispo de Oliveira deve ficar custodiado na penitenciária federal de Campo Grande (MS), onde está preso desde setembro de 2018.

“Pelo exposto, em razão da inimputabilidade do réu ao tempo do fato, absolvo impropriamente Adélio Bispo de Oliveira, nos termos do art. 386, VI, do Código de Processo Penal. Pela imputação do delito previsto no art. 20, parágrafo único, primeira parte, da Lei n° 7.1 70/83, aplico medida de segurança de internação (art. 96, l, do CP e art. 386, parágrafo único, III, do CPP), por tempo indeterminado, enquanto não for verificada a cessação da periculosidade, o que deve ser constatado por meio de perícia médica, na forma do art. 97, §2°, do CP, ao fim do prazo mínimo, que fixo em três anos em razão das circunstâncias do atentado e da altíssima periculosidade do réu. Converto a prisão preventiva em medida cautelar de internação provisória. Determino que o réu seja mantido custodiado na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Campo Grande/MS”, diz a decisão do juiz.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Comitê atua por melhorias na justiça de primeiro grau
Justiça
Ary Raghiant Neto será empossado Vice-Presidente do Conselho de Colégios da OAB do Mercosul
Justiça
Marelli prostesta título quitado e deve pagar R$ 10 mil por danos morais a cliente
Justiça
PF mira Roberto Jefferson, blogueiro, deputado de SP e empresário Luciano Hang
Justiça
“Quem desvia dinheiro público em meio à pandemia, é sociopata”, diz procurador-geral
Justiça
Ladário: Justiça suspende decreto que previa orações para conter pandemia
Justiça
Ao vivo: JD1 entrevista o novo Procurador-Geral de MS, Alexandre Magno
Justiça
CPI acusa Energisa de alterar resolução da Aneel para barrar perícia
Justiça
Assembleia fechará semestre em home office
Justiça
Reinaldo interpela o deputado Contar

Mais Lidas

Geral
Dólar sobe com escalada de tensões entre China e Estados Unidos
Polícia
Suspeito de matar casal enquanto dormia é preso
Economia
Contas públicas têm resultado negativo em abril
Saúde
Coronavírus: MS registra 94 novos casos, 64 pacientes estão internados