Menu
Menu
Busca sexta, 14 de junho de 2024
Prefeitura Refis Junho24
Justiça

Prefeitura 'expõe' irregularidades do Consórcio Guaicurus à Justiça

A Procuradoria aponta descaso do Consórcio, incluindo a não apresentação do percentual do salário do motorista, falta de seguro e renovação da frota

18 dezembro 2023 - 09h00Vinícius Santos     atualizado em 18/12/2023 às 11h19

A Prefeitura de Campo Grande, sob comando da prefeita Adriane Lopes, apresentou nesta segunda-feira (18) à Justiça, por meio da Procuradoria do Município, uma petição revelando descumprimentos contratuais por parte do Consórcio Guaicurus, empresa responsável pelo serviço de transporte público na capital.

O processo, iniciado pelo Consórcio Guaicurus, busca um reajuste tarifário, alegando um suposto déficit financeiro decorrente de omissões e falhas do município. No entanto, a procuradoria do município, em defesa da Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos (Agereg), expôs os descumprimentos da empresa à Justiça.

Conforme a petição da procuradoria, o reajuste da tarifa, que deveria ocorrer em outubro, não se concretizou devido a não apresentação, por parte do Consórcio Guaicurus, do percentual do salário do motorista no prazo estipulado. Isso impediu a definição do reajuste anual.

A procuradoria ressaltou que o Consórcio Guaicurus não pode exigir o reajuste sem antes cumprir suas obrigações contratuais, como a contratação de seguro de responsabilidade civil, geral e de veículos, além da observância à idade média e máxima da frota, entre outras obrigações não atendidas.

Um dos pontos destacados pela procuradoria é a falta de cumprimento da obrigação de contratar seguro, conforme previsto na Cláusula Décima Oitava do contrato. O Consórcio Guaicurus está inadimplente desde setembro de 2016, mesmo após autuações pela Agereg.

Outro ponto crítico refere-se à idade dos ônibus. Apesar da recente aquisição de 71 veículos novos, a Agereg constatou que a idade média da frota ainda ultrapassa o limite estipulado no contrato. A procuradoria detalhou que a idade média da frota em dezembro de 2023 é de 6,73 anos, e o consórcio terá 108 veículos com idade igual ou superior a 10 anos a partir de 2024.

Mesmo diante desses descumprimentos contratuais, a procuradoria destacou que foram realizados esforços para minimizar os impactos financeiros sobre o Consórcio Guaicurus. Isso incluiu remissão e isenção de ISSQN, separação entre tarifa pública e remuneratória, convênios para custear passe de estudantes e subvenção econômica ao transporte público.

Em resposta às acusações de suposta omissão, a procuradoria afirmou que não há omissão por parte do município nas medidas administrativas para manter o equilíbrio contratual. No entanto, o Consórcio Guaicurus continua desrespeitando diversas cláusulas contratuais, conforme documentado.

O relator do caso no TJMS designou uma audiência de conciliação para o dia 19 de dezembro de 2023, buscando um consenso entre as partes. A tarifa técnica aprovada pela Agereg é de R$ 5,95, mas esse valor pode não ser o efetivamente pago pela população.

A reportagem buscou a defesa do Consórcio Guaicurus para comentar a manifestação da prefeitura sobre os problemas e descumprimentos. O escritório Vieira & Guerra Advogados, representando o Consórcio, destacou que a questão da idade da frota está relacionada ao desequilíbrio econômico-financeiro do contrato, conforme relatório emitido pela Agereg em julho de 2022. Confira o poscionamento na íntegra:

"A Agereg alega que o Consórcio descumpriu o contrato de concessão porque não manteve a idade média da frota de até 5 (cinco) anos. Acontece que a própria Agereg, em relatório emitido no dia 07.07.2022, assinado pelo Diretor de Fiscalização e Estudos, Sr. Renato Assis Coutinho (segundo parágrafo da última página), reconhece de forma expressa que o problema relacionado à idade da frota é decorrente do desequilíbrio econômico – financeiro do contrato de Concessão. Esse tema está sendo tratado no Processo de Fiscalização n.º 13935/2023, que ainda não foi finalizado.

Quanto à necessidade de contratação de seguro, de fato o Consórcio não conseguiu renovar por total inviabilidade financeira, decorrente do desequilíbrio financeiro - econômico que existe no Contrato de Concessão. A Agereg foi informada sobre isso pelo Consórcio em 10.08.2018 e, nessa mesma oportunidade, o Consórcio esclareceu que estava utilizando o sistema de autosseguro (recursos próprios), a fim de garantir qualquer tipo de indenização ou reparo que viesse a ter que suportar. A Agereg instalou o Processo de Fiscalização n.º 75496/2018-69, mas também ainda não foi finalizado. É importante frisar que nenhuma demanda relacionada a reparação de danos pessoais, morais ou materiais deixou de ser quitada pelo Consórcio até o momento, portanto, sem qualquer prejuízo a usuários ou a terceiros.

A Agereg argumenta que a tarifa não foi reajustada em 25.10.23 por culpa do Consórcio, pois dependia da informação do reajuste do salário dos motoristas para efetuar o cálculo e isso só foi repassado em 14.11.23. Acontece que para que o reajuste do salário tenha validade, conforme exigência do artigo 624, da CLT, é necessário que os representantes do Município e da Agereg participem da Convenção Coletiva e apresentem manifesta concordância com o aumento aplicado. 

No dia  26/09/23 o Consórcio enviou ofício solicitando audiência para tratar do reajuste da tarifa e no dia 27.09.23 renovou esse pedido, destacando a urgência da medida e a proximidade com a data base prevista (25.10.23). A Agereg simplesmente ignorou o pedido do Consórcio. No dia 18.10.2023 o Sindicato de Transporte encaminhou ofício à Prefeitura e à Agereg solicitando a presença deles na Convenção Coletiva designada para 23.10.23, contudo, eles não apareceram, inviabilizando, com isso, a negociação, o que só veio a ocorrer em 14.11.23.
Portanto, totalmente descabida a alegação de que o reajuste deixou de ocorrer por culpa do Consórcio. Independente de qualquer coisa, desde 14.11.23 a Agereg já tinha as informações necessárias, mas deixou de fazer o reajuste, causando um prejuízo diário ao Consórcio.   

Em ofício datado de 21.11.22 enviado pela Agereg ao Tribunal de Contas, onde as partes homologaram o Termo de Ajustamento de Gestão (TAG), ela reconhece, expressamente, que existe desequilíbrio econômico – financeiro no Contrato de Concessão, tanto que apresentou uma proposta de remodelagem, ressaltando que tinha como objetivo garantir a continuidade da prestação de serviço do Consórcio, bem como a manutenção do equilíbrio contratual. Essa remodelagem do contrato foi aprovada  pelo 105ª Sessão Ordinária do Conselho Municipal de Regulação e Controle Social, mas infelizmente a Agereg deixou de implementá-la.     

O Consórcio busca por meio da ação ajuizada, apenas exigir que o Município, a Agereg e a Agetran cumpram as obrigações pactuadas no Contrato de Concessão e no TAG firmando perante o Tribunal de Contas. Não tem como exigir um serviço de transporte de qualidade sem a contrapartida financeira necessária, é uma questão de equilíbrio. Via de regra o reajuste da tarifa não é repassado à população, essa é uma decisão que cabe exclusivamente ao Poder Público. O Consórcio pretende reajustar a tarifa técnica, que é paga pelo Município e não a tarifa pública (praticada), que é aquela suportada pelo usuário. É muito importante esclarecer isso à população.", finaliza o advogado Augusto César em nota.

(*) Matéria editada às 11:15h para inclusão do posicionamento do Consórcio Guaicurus.

 

Acompanhe em tempo real todas as notícias do Portal, clique aqui e acesse o canal do JD1 Notícias no WhatsApp.

Tenha em seu celular o aplicativo do JD1 no IOS ou Android.

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Hugo e Rubia
Polícia
Rúbia acusada de esquartejar jogador se entrega e fica em presídio no PR
 Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPMS) -
Justiça
MPMS investiga empresas por desmatamento ilegal em Campo Grande
Imagem da urna eleitoral eletrônica /
Política
PM candidato é alvo do MP Eleitoral por propaganda antecipada na Capital
Justiça mantém prisão de 'Chupeta' acusado de homicídio no Aero Rancho
Justiça
Justiça mantém prisão de 'Chupeta' acusado de homicídio no Aero Rancho
A condenação se deu por lesão corporal leve e injúria estando em serviço
Justiça
Homem é condenado a 1 ano e 6 meses de prisão por homicídio na Capital
Extorsão a empresário termina em condenação de auditor e contador em MS
Justiça
Extorsão a empresário termina em condenação de auditor e contador em MS
Vereador Claudinho Serra
Interior
'Apressado' para ter acesso à delação, Claudinho Serra tem pedido negado pelo TJMS
Jamil Name Filho, também conhecido como
Justiça
Jamilzinho quer ser julgado por videoconferência no caso do 'Playboy da Mansão'
Judiciário não tem expediente em 7 cidades nesta quinta e sexta-feira
Justiça
Judiciário não tem expediente em 7 cidades nesta quinta e sexta-feira
CCJ da Câmara em sessão que aprovou PEC das Drogas
Política
PEC das drogas é aprovada com placar de 47 a 17

Mais Lidas

Estátua em homenagem ao cantor João Carreiro
Comportamento
Vai ter estátua! Mesmo com polêmicas, 'Tributo a João Carreiro' acontece nesta quarta
Rua 14 de Julho
Geral
Abre e fecha de Santo Antônio: Confira o que funciona na Capital no feriado
Cantor sertanejo cancela shows ao ser diagnosticado com tumor cerebral
Geral
Cantor sertanejo cancela shows ao ser diagnosticado com tumor cerebral
Maria Isabel e Marco Antônio | Anna Colombi e o noivo
Comportamento
Santo Casamenteiro? Jovens encontraram o amor após acharem aliança em bolo na Capital