Menu
Busca terça, 19 de novembro de 2019
(67) 99647-9098
Justiça

STF mantém afastada desembargadora de MS

Tânia Borges, acusada de influência ilegal, continuará longe do cargo

05 junho 2019 - 11h50Rayani Santa Cruz, com informações da assessoria

A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal manteve ato do Conselho Nacional de Justiça que determinou o afastamento da desembargadora do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, Tânia Garcia de Freitas Borges de suas funções jurisdicionais e administrativas. Ela é investigada por influência ilegal para remover o filho da prisão em Três Lagoas-MS.

Conforme o Conjur, a decisão foi proferida em agravo regimental no mandado de segurança interposto pela desembargadora contra decisão do ministro Luiz Fux, relator do caso, que manteve o ato do CNJ.

A determinação vale até o julgamento final do processo administrativo disciplinar instaurado contra ela para apurar a prática ilegal de influência sobre magistrados e integrantes da administração penal.

O ministro Alexandre de Moraes apresentou voto-vista acompanhando o entendimento do relator no sentido de que o pedido formulado na ação é incompatível com rito especial do mandado de segurança. Isso porque não foi demonstrado, através de prova inequívoca, ilegalidade ou abuso de poder que demonstre violação a direito líquido e certo. Ficou vencido o ministro Marco Aurélio, que entende que o afastamento ocorreu em fase embrionária do processo.

Processo administrativo

A reclamação disciplinar foi instaurada no CNJ para apurar a prática ilegal de influência sobre juízes, diretor de estabelecimento penal e servidores da administração penitenciária para agilizar o cumprimento de ordem de habeas corpus que garantia a remoção do seu filho, Breno Fernando Sólon Borges, preso sob a acusação de tráfico de drogas, para internação provisória em clínica para tratamento médico em Campo Grande-MS.

A defesa da desembargadora argumentou que o afastamento imposto pelo CNJ seria absolutamente injustificado porque ela teria agido como mãe e não praticado, no exercício de suas funções, qualquer irregularidade ou ilegalidade que justificasse a punição.

Alegou que os indícios que embasaram a decisão destoaram dos depoimentos colhidos na instrução probatória da reclamação disciplinar e que não há fundamentação válida do ato que justifique a imposição de medida “drástica”, que “afeta, inclusive, garantias constitucionais da magistrada, como a inamovibilidade”.

Athus Ingles

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Denúncias anônimas podem estabelecer procedimentos administrativos no MP
Justiça
STF suspende uso da Taxa Referencial
Justiça
STJ confirma decisão do TJ-MS, em ação de 39 anos
Justiça
Desembargador Ruy Celso mantém milicianos presos
Justiça
Crianças terão espaço especial para testemunhar em tribunais
Justiça
Slimes com bórax é proibido no MS
Justiça
Defesa quer que Name Filho volte para a capital
Justiça
MPMS denuncia suspeitos de assassinar servidora com barra de ferro
Justiça
Em nota, Odilon diz que TRF-3 está “apenas verificando a regularidade”
Justiça
CCJ aprova PEC que torna feminicídio crime imprescritível

Mais Lidas

Polícia
Aos 84 anos, "vovó" é presa dirigindo bêbada após sair de baile
Polícia
Jovem morre fuzilado e mulher é ferida por estilhaços
Polícia
Jovem motociclista morre após bater em meio-fio e ser arremessado em rio
Geral
Ingrid está desaparecida há mais de 20 dias e mãe faz apelo