Menu
Busca segunda, 22 de abril de 2019
(67) 99647-9098
Polícia

Após ter filho em vaso sanitário, mulher amarra bebê em saco de lixo

O corpo da recém-nascida foi encontrado jogado em uma bacia, tapado com um pano

05 fevereiro 2019 - 09h32Rayani Santa Cruz

Uma mulher de 26 anos é acusada de ter colocado a filha recém-nascida, dentro de um saco de lixo, amarrado e deixado jogado em uma bacia ao lado de fora da residência até a morte. Ela fez o parto da criança no banheiro da casa localizada no Jardim Gramado, em São Gabriel do Oeste.

A acusada de infanticídio deu à luz a criança na madrugada de segunda-feira (4). O bebê teria nascido no vaso sanitário e a mulher alega que pegou a criança e observou que ela estava morta, pois não chorava.

Depois disso, ela pegou a recém-nascida e colocou dentro de um saco de lixo e amarrou. Em seguida deixou o saco dentro de uma bacia  ao lado de fora da casa, tapando com um pano.

A suspeita passou mal e acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), porém, não informou sobre o parto. Ao chegar ao hospital os enfermeiros desconfiaram da situação e chamaram a Polícia Civil. Os investigadores foram até a casa e encontraram o bebê sem vida. A criança do sexo feminino pesava 3,8 quilos e estava entre 38 e 40 semanas de gestação, pronta para nascer.

A mulher, que não teve a identidade revelada, pelo delegado Fábio da Silva Magalhães, permanece internada no hospital municipal da cidade sob escolta policial.

Ao JD1 Notícias, Fábio disse que a acusada foi autuada em flagrante pelo crime de infanticídio, e teria mudado diversas vezes a versão sobre o ocorrido. A acusada é casada e tem três filhos, mas escondeu a gestação de todos. No dia do parto não havia ninguém em casa, segundo o delegado. Fábio disse ainda que tudo indica que a menina recém-nascida estava viva antes de ser colocada no saco de lixo.

“Tudo indica que ela [a criança] tenha nascido viva, mas precisamos apurar, nós enviamos o corpo ao Instituto Médico Odontológico Legal (IMOL), de Campo Grande e o laudo deve sair em até 30 dias, enquanto isso a mãe dela permanece à disposição da Justiça”.

A acusada deve passar por audiência de custódia assim que tiver alta hospitalar, onde a Justiça irá determinar sobre a prisão preventiva ou não. A pena máxima, se condenada, pode chegar a seis anos.


pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia
Radares flagram 2.297 excessos de velocidade durante operação
Polícia
Guarda municipal impede ação de criminoso em escola e prende foragido
Polícia
Policial cai de moto durante perseguição e fica insconciente
Polícia
Vídeo - Ex-jogador do Águia Negra morre em acidente
Polícia
Motociclista morre em colisão com carreta parada
Polícia
Pescador é encontrado morto no Rio Dourados
Polícia
Casal morre em acidente na MS-164
Polícia
Jovem morre afogado em piscina do Corumbaense Futebol Clube
Polícia
Homem tem mãos decepadas, na fronteira
Polícia
Ministério da Informação no Afeganistão sofre ataque

Mais Lidas

Polícia
Casal morre em acidente na MS-164
Polícia
Jovem morre afogado em piscina do Corumbaense Futebol Clube
Saúde
Ibuprofeno e cetoprofeno podem agravar infecções
Geral
Mega acumula e poderá pagar R$ 90 milhões na quarta-feira