Menu
Busca segunda, 21 de junho de 2021
(67) 99647-9098
TJMS - Junho21
Polícia

Peritos identificam 22 novos tipos de drogas circulando em MS

Quase 70% dessas novas substâncias foram descobertas entre 2013 e 2017

27 fevereiro 2019 - 19h57Da redação com Dourados News

Em dois anos, foram identificados 22 novos tipos de drogas circulando em Mato Grosso do Sul. As análises foram feitas pelos peritos do Instituto de Análises Laboratoriais Forenses (Ialf) entre 2017 e 2018. Esse número sobe para 34 se levado em consideração que a equipe fez a primeira identificação em 2014.

A descoberta feita pela Perícia Oficial do Estado sobre essa nova atuação de traficantes repercutiu nacionalmente, com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) incluindo os entorpecentes em uma lista de alerta para autoridades de todo o Brasil e ainda reportando para instituições internacionais.

De acordo com o site Dourados News, as novas drogas foram identificadas como ADB-Fubinaca (do grupo canabinoides sintéticos); 4-Fluoro-PHP, Dibutilona, MDPPP e N-Etilpentilona (Efilona) – que são do grupo catinonas sintéticas -; ainda 25B-NBOH, 25B-NBOMe, 25C-NBF, 25C-NBOH, 25C-NBOMe, 25E-NBOH, 25I-NBF, 25I-NBOH, 25I-NBOMe, 25C-B, 2C-I, DOC (do grupo feniletilaminas); DMT, MIPT e N,N-Dimetiltriptamina (do grupo triptaminas); além de Fentanil e Furanilfentanil (do grupo outras substâncias psicodélicos, opioides, sedativos/hipnóticos, estimulantes).

As novas substâncias psicoativas (NSP) identificadas em MS foram apreendidas em diferentes ações das Polícias Civil, Militar e do Departamento de Operações de Fronteira (DOF). Quase 70% dessas novas substâncias foram descobertas entre 2013 e 2017.

No Brasil, o mercado ilegal se concentra em drogas do tipo feniletilaminas, canabinoides sintéticos, catinonas sintéticas, triptaminas, substâncias do tipo fenciclidina, substâncias de origem vegetal e outras substâncias (opioides, sedativas/hipnóticas, estimulantes e alucinógenas clássicas).

O uso dessas novas drogas pode causar convulsões, agitação, agressão, psicose aguda, desenvolvimento de dependência e até a morte. Ainda estão sendo realizados estudos para tentar identificar o potencial de risco para causar câncer e o nível de toxicidade desses novos entorpecentes. “A identidade da droga consumida é, por vezes, desconhecida ou mascarada, levando a efeitos imprevisíveis”, aponta a Agência Nacional de Vigilância Sanitária. O resultado disso na saúde pública é o atendimento de emergências em hospitais.

Senar - square junho21

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia
Jovem tem casa invadida por ladrões e acaba esfaqueada no Parque do Sol
Polícia
Casal briga e vizinho tenta intervir mas passa mal e morre
Polícia
Homem chamado de 'preto sem vergonha e Vera Verão' denuncia racismo de colega em fazenda de MS
Polícia
Três paulistas são autuados por pesca ilegal no rio Paraná
Polícia
Homem é morto com três facadas durante churrasco em MS
Polícia
Escritório de advocacia é alvejado por pistoleiros na fronteira
Polícia
Chamada de "preta fedida" e "vagabunda", dona de bar é agredida por clientes
Polícia
Bar Kiwi Tropical e Clan Bier são lacrados por funcionar fora do horário
Polícia
Mulher é levada para dentro da mata por bandidos e morta com tiro na cabeça
Polícia
Moto entregador é atropelado por carro que fazia "racha" e morre

Mais Lidas

Polícia
Mulher é levada para dentro da mata por bandidos e morta com tiro na cabeça
Polícia
Casal briga e vizinho tenta intervir mas passa mal e morre
Saúde
Jovem de 17 anos, sem comorbidades, está entre as 38 vítimas da covid em 24h
Saúde
Lote com 97.500 doses de vacina contra covid chegam hoje a MS