Menu
Busca quarta, 22 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Polícia

PF faz operação contra pagamento de proprina da JBS em seis Estados

Campo Grande e Cassilândia também são alvos da Operação Porteira Aberta

10 dezembro 2019 - 09h36Sarah Chaves, com informações da assessoria

A Polícia Federal, deflagrou na manhã desta terça-feira (10), a segunda fase da Operação Porteira Aberta, ação visa combater o esquema de pagamento de proprina da JBS para servidores públicos de fiscalização sanitária federal emitirem certificados sanitários sem terem de fato fiscalizado/inspecionado o abate de animais na empresa.

Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Barra do Garças/Mato Grosso, que investigou que o pagamento de propina vinha ocorrendo nas unidades da empresa situadas nos municípios de Anápolis/Goiás, Campo Grande/Mato Grosso do Sul (MS), Cassilândia/MS, Barra do Garças/MT, Confresa/MT, Cuiabá/MT, Diamantino/MT, Pedra Preta/MT, Vila Rica/MT, São José dos Quatro Marcos/MT, Água Boa/MT, Matupá/MT e Ponta Porã/MS. Os valores destinados ao pagamento de propinas eram registrados na contabilidade das unidades da empresa como despesas de consultoria e marketing ou serviço de inspeção federal.

Mais de 60 policiais federais, participam da ação, seis estados: Mato Grosso, Goiás, Pernambuco, Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, com apoio do Ministério Público Federal, em 15 mandados de busca e apreensão na casa dos fiscais sanitários, e  também determinou o sequestro de bens e valores pertencentes a 4 Fiscais Federais Agropecuários, totalizando R$ 5.080.200,00.

A segunda fase é resultado da análise dos dados bancários dos investigados, dos documentos contábeis apreendidos durante a deflagração da primeira fase (15/06/2018), os quais apontaram o pagamento de R$ 1.860.700,00 em propina
apenas na unidade de Barra do Garças/MT.

Os colaboradores afirmaram que houve o pagamento de, no mínimo, R$ 6.092.200 em propinas aos agentes públicos envolvidos. As propinas variavam de R$ 5 mil a R$ 25 mil mensais, que duraramdesde 2008 até o início de 2017, cessando
com a deflagração da Operação Carne Fraca.

As investigações mostram que entre os anos de 2010 a 2014 os lançamentos contábeis destinados a encobrir as propinas se valeram de documentos falsos, utilizando-se de CPF de pessoas que já tinha falecido antes do documento ser feito.

São alvos da operação os fiscais federais agropecuários e os médicos veterinários conveniados ao SIF, que atuavam na fiscalização das plantas industriais da empresa localizadas nos referidos municípios. Os investigados irão responder por corrupção ativa e passiva, além de organização criminosa, podendo pegar até 20 anos de prisão.

De acordo com a assessoria, ainda não houve prisões, já que a segunda fase é focada apenas em buscas e apreensões de bens.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia
Scalise fala em “compaixão” sobre mulher que ateou fogo na antiga Casa do Papai Noel
Polícia
PMA autua fazendeiro em mais de R$180 mil
Polícia
Criminosos invadem templo da Igreja Universal e levam dinheiro
Polícia
Substituto do narcotraficante Minotauro, é transferido de prisão
Polícia
Ex-namorada não aceita fim de relacionamento e ateia fogo em jovem
Polícia
Adolescente tranca pai em casa para denunciar abuso sexual
Polícia
Policial Militar morre ao ser atropelada por um caminhão
Polícia
Azambuja determina reforço policial na fronteira
Polícia
Policia Militar divulga balanço de crimes já cometidos em 2020
Polícia
Traficante que vendia com maquininha diz que foi pedido dos clientes

Mais Lidas

Clima
Quarta pode ser nublada com máxima de 28°C na capital
Brasil
Embraer mantém férias coletivas de funcionários por mais três dias
Geral
Nova diretoria do Sindifisco define metas
Geral
Homem procura por familiares em Mato Grosso do Sul